Ser. E ser.

Mesmo com uma tristeza mais funda que a de hábito e um cansaço maior que o normal, sou tomada pelo impertinente espírito natalino e uma emoção forte me sacode. Pelo ser, não pelo ter, sinto vontade de presentear e falar palavras bonitas aos amigos. Mergulhada no silêncio do espaço de trabalho, olho para a vida que pulsa ao redor com um afeto oceânico.

Os dias do ano de 2017 foram difíceis, pelos motivos mais diversos. Das questões pessoais às questões que passam pela sordidez política que me afeta inevitavelmente, tanto no privado como no público, nas relações sociais e de trabalho. Mas sinto que as dificuldades que encarei, algumas ainda em processo de assimilação, me fizeram rever a vida, me ver, me re-conhecer e ver o outro de forma mais aguda. Um pouco atordoada e inquieta, vou percebendo as muitas delícias que a simplicidade do cotidiano oferece. E me bastam.

Uma música, um livro, um filme, uma noite de lua cheia, um encontro casual, um entardecer colorido, um trabalho bem feito, um café e uma boa conversa, uma viagem, uma palavra acolhedora, uma boa risada, a presença das crianças, a voz de um amigo/a. São esses singelos acontecimentos que me fortalecem ou, no mínimo, me deixam menos áspera, quando vem o amargo. Porque vem. Faz parte.

Neste longo ano que termina, minha vida navegou por mares já navegados, mas com ondas de intensidade inusitadas. Foi agoniada, feliz, apreensiva, inteira, incerta, solitária, dura, insegura, emocionada. De desafios instigantes, alegrias, decepções e esperanças. Plena de novos afetos e amigos de fé, esse combustível necessário para os embates diários.

Fecha-se mais um ciclo, que a gente mesmo determina. Uma forma inteligente de driblar o tempo, suspender tudo por alguns momentos, aliviar as tensões, respirar profundamente. Refazer as energias. Olhar fundo no fundo de nós mesmos e descobrir que, apesar dos tsunamis, estamos inteiros. E prontos para recomeçar, com o melhor que há em nossos corações.

É um tempo em que penso com muita emoção na família e nos amigos, parceiros imbatíveis.

Quero todos por perto. Mas quero, especialmente, que vivam em harmonia, eliminando tudo o que não vibre com ética e respeito. Quero que deixem espaço para o novo, para o outro e para o fluir de uma energia luminosa, forte, ativa. Quero que brinquem muito com as crianças e absorvam sua sabedoria genuína. Quero que cada um viva amorosamente a dor e a delícia de ser quem é. Mesmo com os temporais previstos para 2018, aposto na possibilidade de uma vida mais amena, sem tantos julgamentos, tantos mandamentos, tantas certezas a nos prender, sem o olhar que condena e contamina. Aposto no ser que somos.

Lelei

Foi e é possível – Minha experiência na TVE

1987. Pedro Simon é eleito governador do Rio Grande do Sul. O jornalista e publicitário Alfredo Fedrizzi assume a presidência da TVE. Eu o conhecia pouco. Sabia que era um dos diretores da agência Escala e que tinha trabalhado na RBSTV. Vez que outra a gente se encontrava em eventos culturais, seminários, lançamentos de livros, filmes, palestras.

Minha vontade de trabalhar na TVE era grande, inspirada por Jorge Furtado, pela ousadia do programa “Quizumba”, Eduardo Peninha Bueno, Zé Pedro Goulart, o programa “Pra começo de conversa”, Ana Luiza Azevedo e tantos outros. Fui falar com o Fedrizzi. Alguns anos antes, quando o jornalista Luiz Figueredo, meu amigo e comprade, era diretor de programação, eu já havia tentado. Ele foi gentil, mas não tinha vaga. Recolhi o desejo e segui trabalhando onde estava.

Desengavetei o desejo e, como o Figueredo, Fedrizzi foi gentil, me ouviu, quis saber da minha experiência em TV, não me perguntou sobre partido político. Estava iniciando a gestão e não sabia se teria como me contratar. Na saída encontrei Tânia Carvalho, com quem já havia trabalhado e virou uma grande amiga. Expliquei a ela porque estava ali. Por coincidência, o novo diretor de programação Luiz Eduardo Crescente passava pelo corredor e Tânia me apresentou a ele. Conversamos um pouco e me fui para o Correio do Povo, onde trabalhava.

No final de julho de 1987, Fedrizzi me convidou para chefiar os setores de Divulgação, Chamadas, Arte e Cenografia. Eu, que nunca quis ser chefe de nada, seria responsável pelas equipes de divulgação da programação, interna e externamente, de criação de vinhetas e gravação e edição de chamadas e pelos cenários. Argumentei, disse que só queria ser produtora, que não tinha vocação para chefia. Em vão. Assumi. Enfrentei alguns boicotes no início, tive muita ansiedade, quis desistir, mas, com o apoio de gente boa que trabalhava muito bem, fui ganhando experiência e segurança.

Formamos uma equipe cheia de garra, que se somava às equipes da produção e do jornalismo. Foram 4 anos de ações e invenções incríveis, realizadas com profissionalismo e entusiasmo. Conteúdo, qualidade técnica e intercâmbios faziam parte dos projetos. Tínhamos total apoio da presidência e da direção, sempre presentes, tanto para criticar, como para conversar, trocar ideias e aplaudir. Muitos programas locais foram criados – Palcos da Vida, Menor questão Maior, Radar, Pandorga, para citar alguns. A TVE fez parcerias com a TV Cultura de São Paulo e passou a exibir programas como Roda Viva, Metrópolis e Jornal da Cultura. Da TVE Rio, exibia o Sem Censura. As discussões que envolviam o trabalho eram acaloradas. E quase ninguém se omitia.

Nesse período, 1989, foi fundada a FM Cultura, muito festejada por todo mundo. Sob a direção da jornalista Liana Milanez, a rádio virou referência para as artes no Rio Grande do Sul, especialmente a música.

Essa movimentação fez parte do sonho de profissionais que queriam abrir cada vez mais espaços para a informação, a arte e a cultura do meio em que viviam, transformando a TVE e a FM Cultura em emissoras que refletissem, com talento, ousadia, liberdade e crítica, a produção local e nacional.

Foi e é possível
Por isso, não dá para entender o desmonte desses verdadeiros patrimônios públicos pelo governo Sartori e a tortura psicológica a que submete os funcionários da TV e da rádio (tortura sofrida também por trabalhadores de outras fundações em processo de extinção), ameaçados por demissão na véspera do Natal.

TVE3

Provocações do cotidiano

A criança aproxima-se. Fica me observando por alguns momentos e pergunta: Por que tu é tão pequena? Tento uma resposta e lá vem outra pergunta: Por que teu dedo é tão curto? Começo a responder, mas a menina insiste: Por que tua mão é tão gordinha? Joaquim, quatro anos e sete meses, sobrinho-neto que estava comigo, adianta-se e diz pausadamente: Porque ela é anã! Pensei: Simples assim. Ou não?
*
Jovens aparentando 17 e 18 anos, três meninos e duas meninas, sobem a rua. Eu desço. Uma das meninas quando me vê cutuca a outra que cutuca o outro, e assim por diante. Resultado? Todos me olham e caem num riso disfarçado, indisfarçável. Pensei: Em que mundo vive essa juventude? O que sabe da vida?
*
Reunidos, em pé, em um canto da Praça da Alfândega, em plena Feira do Livro, amigos e conhecidos conversam animadamente. Eu ali, tentando falar também. Dependendo da empolgação, a roda da conversa fecha ou abre. Eu ali, resistindo. Algumas cotoveladas ou bolsas, de leve, na cabeça. Nada que eu já não esteja acostumada. Não é fácil mesmo achar uma brecha e participar do papo de pessoas de um metro e sessenta, um metro e setenta, com os meus parcos um metro e dez. Não é fácil ser ouvida. Vou desanimando. Vou me calando. Desisto. E imediatamente lembro de um artigo do jornalista Luiz Antônio Araújo, publicado no jornal Zero Hora em 28 de julho de 2014, a que já me referi aqui neste blog. O artigo termina com a frase “Ser anão não é para qualquer um”. Pensei: Não é para qualquer um, mesmo! Assim como perceber o outro na sua condição não é para qualquer um. Mas sempre há um contraponto.
*
Na rua, espero o ônibus. O motorista, distraído no fazer cotidiano, para longe da calçada. Fica mais difícil de subir, é óbvio, mas já estou acostumada e normalmente dou conta. Ao ver o meu esforço, um senhor aparentando uns 80 anos que está sentado no banco bem da frente, levanta-se e estende a mão para me ajudar. Mais: Ainda oferece o lugar para que eu sente. Agradeço, digo que posso ir em pé. Ele responde: Que nada, minha filha! Tu tens mais dificuldade para te segurar do que eu. Pensei: Ver o outro é fundamental.

Era uma vez uma ruazinha bucólica

Em uma rua, o retrato do abandono de uma cidade.

Foto de  José Walter de Castro Alves

Crédito das fotos: José Walter de Castro Alves

Quando vim para Porto Alegre no início dos anos 1970, a rua Xavier Ferreira, no bairro Auxiliadora, era harmoniosa, calma, com casas bem cuidadas e um único prédio – art decô, segundo um amigo – onde fomos morar.

Pouco depois, chegou o Zaffari da Bordini, que dá fundos para a Xavier Ferreira. Os caminhões que abasteciam o supermercado, muito bem vindo, começaram a transitar pela ruazinha. Civilizadamente, no início. O movimento foi aumentando. Os caminhões tornaram-se maiores, mais frequentes, menos civilizados. Estacionavam de qualquer jeito. A rua de paralelepípedos, tão bucólica, foi, aos poucos, se deteriorando. O que era pequeno ficou grande demais e já não cabia na rua tortuosa. Fizemos algumas denúncias para a EPTC/Empresa Pública de Transporte e Circulação, reuniões com gerentes do Zaffari e autoridades e fomos para os meios de comunicação. Aí, ficamos sabendo que a metragem de rua não permitia transporte pesado. Usamos o argumento exaustivamente, mas o poder econômico falou mais alto. Como sempre, nada de relevante aconteceu.

O Zaffari cresceu sem o mínimo cuidado com o entorno. Além de detonadas, a rua e a calçada começaram a ganhar mais lixo. Alguns moradores foram embora. Algumas casas ficaram abandonadas. E os alagamentos tornaram-se cada vez mais frequentes. Até que na esquina com a Mata Bacelar começou a construção do sonhado Conduto Álvaro Chaves.

Segundo a Wikipédia, “O Conduto Álvaro Chaves-Goethe é uma grande obra de engenharia que teve início em 2005 e término em 2008, com a finalidade de reverter o problema crônico de alagamentos devido à má drenagem da Avenida Goethe, rua Álvaro Chaves e regiões próximas, e que se intensificam com o asfaltamento das ruas, diminuindo a infiltração da água e aumentando o seu escoamento superficial”.

Acompanhamos tudo de perto: plantas do projeto, visitas dos técnicos e autoridades, uso do projeto na campanha política. Eleições. E assim que a obra começou sentimos que teríamos inúmeros embates. A construtora acumulava lixo e mais lixo na calçada, apesar dos protestos. E a primavera daquele ano veio com temporais intensos nos finais de tarde.

Crônica da tragédia anunciada
Na manhã do dia 5 de novembro de 2005, ao sair de casa para trabalhar, vi muito lixo obstruindo as bocas de lobo da rua. Fui até a obra pedir que tirassem. O engenheiro que lá estava me olhou com deboche. Insisti, argumentei, mas ele não se deu ao trabalho de responder.

O Resultado? No final do dia caiu uma chuva torrencial. A água, sem evasão diante do concreto e do lixo, invadiu furiosamente casas e apartamentos. Alguns moradores perderam tudo. E naquele fatídico anoitecer ninguém do governo municipal apareceu. Abandono total.

Passamos a noite e o dia seguinte limpando tudo. Só no final da tarde do dia após o temporal apareceu uma engenheira da prefeitura, completamente perdida. Os responsáveis pela obra também chegaram e nos chamaram de escandalosas. Descaso absurdo. Os moradores mais atingidos trataram de reformar suas casas e resolver suas vidas. O Conduto passou por várias vistorias e reformas. Mas ninguém assumiu nada. Até hoje.

A rua continua com casas bem cuidadas. Outras foram vendidas e os terrenos estão tomados pelo mato. O leito da rua de paralelepípedos está cheio de emendas de asfalto e os bueiros e bocas de lobo estão destruídos, sujos e entupidos. A calçada? Nem pensar em passar ali de cadeira de rodas, bengala, carrinho de bebê, bicicleta, enfim. O único órgão do governo que atende os moradores com presteza é o DMAE. Até porque deve saber que os esgotos, que a gente não vê, estão misturados e, às vezes, transbordam e deixam um cheiro insuportável. Os moradores continuam guerreiros e reivindicam seus direitos cotidianamente para recuperar a ruazinha linda.

Falam tanto em parceria público-privada. Será que é isso? O Zaffari tomou conta da Xavier Ferreira. Além de quintal abandonado, é o estacionamento dos caminhões. Dane-se a população! Para o privado tudo. Para o público, nada. Acho que entendi a tal parceria.
clixo na rua

É preciso remar contra a corrente

Na escuridão desses tempos, busco brechas luminosas para respirar. E me abastecer.

O texto de Mia Couto, enviado pela amiga Flavia Boni Licht, chegou como um presente, enchendo de luz o cotidiano. A escrita, lúcida e simples do escritor, dá voz ao que penso, apontando alguns equívocos da educação que vemos brotar hoje.

Para Mia, há muita preocupação com o fato dos jovens entrarem para a universidade com um fraco desempenho acadêmico, enquanto a preocupação maior deveria ser com o crescer sem referências morais. Há um discurso pelo empreendedorismo e pela liderança, como se toda uma geração estivesse destinada à vida política ou empresarial. Mas não há, segundo ele, interesse em preparar os filhos para serem simplesmente boas pessoas, bons cidadãos do seu país, bons cidadãos do mundo. E fazerem suas opções!

E segue: “Escrevi uma vez que a maior desgraça de um país pobre é que, em vez de produzir riqueza, vai produzindo ricos. Poderia hoje acrescentar que outro problema das nações pobres é que, em vez de produzirem conhecimento, produzem doutores (até eu agora já fui promovido). Em vez de promover pesquisa, emitem diplomas. Outra desgraça de uma nação pobre é o modelo único de sucesso que vendem às novas gerações e que está bem patente nos vídeo clips que passam na nossa televisão: um jovem rico e de maus modos, rodeado de carros de luxo e de meninas fáceis, um jovem que pensa que é americano, um jovem que odeia os pobres porque eles lhes fazem lembrar a sua própria origem”.

E conclui: “É preciso remar contra toda essa corrente. É preciso mostrar que vale a pena ser honesto. É preciso criar histórias em que o vencedor não é o mais poderoso. Histórias em que quem foi escolhido não foi o mais arrogante, mas o mais tolerante, aquele que mais escuta os outros.”

É preciso cultivar o conhecimento, a convivência e a reflexão

Ao tomar contato com o trabalho da Nova Acrópole, organização internacional de caráter filosófico, cultural e social, sem fins lucrativos, que completa 60 anos no mundo e 30 anos em Porto Alegre, fiquei surpresa e me senti instigada. Totalmente mantida por voluntários, a instituição orienta-se pela Filosofia, Cultura e Voluntariado, e sua atuação é pontuada pela independência de interesses políticos, religiosos ou financeiros. Há um comprometimento com a educação humanista em todos os cursos que oferece, nas atividades culturais e artísticas e nas ações sociais e ambientais. É um espaço singular de ação, reflexão e convivência.

O movimento, fundado em 1957, tem forte presença em mais de 60 países, com mais de 400 sedes, sempre cultivando o conhecimento individual e coletivo e a qualidade de vida a partir de uma visão universal voltada para a transformação. Além de Porto Alegre, a Nova Acrópole está presente em Caxias do Sul, Gravataí, São Leopoldo, Santa Maria, Santa Cruz do Sul e Alegrete. Os associados voluntários participam de todas as atividades educacionais e culturais, que priorizam a ética, a filosofia à maneira clássica, a sociopolítica, filosofia da história, arte, cultura e voluntariado. As aulas, expositivas e práticas, estimulam, ao mesmo tempo, a reflexão e o uso do conhecimento no dia a dia para a construção de uma vida melhor.

É preciso que as palavras tenham mais força que as metralhadoras

“O homem morre em todos aqueles que se calam”. A frase é de Wole Soyinka, dramaturgo, poeta, ensaísta e professor nigeriano, primeiro africano Nobel de Literatura, uma das atrações da Feira do Livro de Porto Alegre neste ano. É um guerreiro incansável, como Ogum, “sua divindade companheira”. A Escola de Poesia, que tem a obra do dramaturgo como referência em seus estudos, desenvolveu um projeto para homenagear sua passagem pela cidade – Escola de Poesia & Wole Soyinka – Para que as palavras tenham mais força que as metralhadoras. O ponto alto é o lançamento do documentário Wole Soyinka – A forja de Ogum, no dia 18 de novembro, às 17h, na Tenda de Pasárgada, na Praça da Alfândega.

Soyinka em desenho de Emanuele de Quadros.

Soyinka em desenho de Emanuele de Quadros

O documentário mostra um pouco da vida e da obra de Soyinka e conta com a participação de artistas e integrantes da comunidade local que se articulam, de algum modo, com a ancestralidade africana, como o grupo musical Alabê Ôni, o grupo teatral Pretagô, e seu diretor Thiago Pirajira, o Africanamente Ponto de Cultura e Escola de Capoeira Angola, e seu Contramestre Guto, o poeta Ronald Augusto, o escritor Jeferson Tenório, o pintor Paulo Montiel, os escultores Jonas e Marcos, a Iyalorixá Sandrali de Oxum, a Iyalorixá Bete Omidewa, a artista visual Manuzita, a poeta e psicanalista Lúcia Bins Ely e a psicanalista e poeta argentina Marcela Villavella.

Wole Soyinka – A forja de Ogum foi produzido pela Escola de Poesia em coprodução com o Coletivo Catarse. Concepção, roteiro e direção da poeta Eliane Marques (Prêmio Açorianos de Literatura/2016) e do poeta e tradutor Adriano Migliavacca, estudioso da obra do nigeriano. Apoio de Gustavo Türck (documentarista e produtor audiovisual), Billy Valdez (operação de câmera) e Marcelo Cougo (operação de áudio). Documentação de Lúcia Bins Ely e Anelore Schumann. Pesquisa de imagens de Priscila Pasko.

Nesta época em que a arte está sendo tão abandonada pelos governos, é estimulante o que diz Soyinka: “O meu horizonte sobre a humanidade é ampliado pela leitura dos escritores de poemas, por ver um quadro, ouvir alguma música, alguma ópera, e isso não tem nada a ver com a volátil condição humana, ou luta, ou algo assim. Isso me enriquece como ser humano”.

 

Vestígios de uma manhã de sábado

Saio cedo de casa. O tempo é ameno e impreciso. Muitas nuvens. Eventualmente, alguns raios de sol. O contato com a vida que pulsa nas ruas na manhã de sábado é duro.

Na Félix da Cunha, entre a Praça Maurício Cardoso e a Padre Chagas, dois rapazes e uma moça, provavelmente ainda saindo da noite, caminham desvairados. Chutam o que veem pela frente de um jeito raivoso. A rua quase vazia. Param. Olham. Seguem. Inquietos e agressivos. Apreensiva, desacerelo o passo. Ao passar em frente ao lindo conjunto de casas tombadas, eles abordam uma mulher que abre as portas de um café. Ela conversa firme. Eles seguem, gesticulando agressivos. Tomo mais distância. Deixo que sumam. E vou. Com medo!

Ao chegar na rua Padre Chagas, estranho o silêncio. Alguns limpam as calçadas marcadas pelas festas noturnas. Outros, recolhem o lixo, farto. Um jovem sentado em um pequeno muro ainda bebe. E fala. Sozinho.

Na esquina da Florêncio Ygartua com a 24 de Outubro, dois catadores de lixo dormem placidamente, bem próximos à marquise de uma loja, protegidos por suas carroças abarrotadas. Vencidos. Entregues.

Mais adiante, um rapaz passa por mim dizendo coisas desconexas, olhos muito arregalados. Ao me ver, para, um tanto espantado. Fico apreensiva, mas ele ri e diz: “Cuidado tia, crianças não andam sozinhas nesta hora”. E segue, falando e gesticulando ruidosamente.

Do outro lado da rua, mais uma criatura fala sozinha.

Faço as unhas.

Ao voltar, encontro os catadores bem acordados, sentados na entrada da loja onde se abrigavam, comendo pão. Eles me cumprimentam animadamente. Mais um dia de buscas pelo lixo começa.

A manhã ainda tem pouco movimento. Mas a miséria humana já está nas ruas, exposta cruelmente.

Impossível não pensar nas tantas malas e caixas de dinheiro desviado que circulam por esse Brasil, nos deputados tão bem pagos para salvar Temer das denúncias e na descarada miséria moral em que nos fizeram mergulhar. Enquanto isso, a miséria física, da pobreza extrema, da indigência que degrada, humilha, dói no corpo e na alma e enlouquece, aumenta assustadoramente.

Em casa, uma canção de José Miguel Wisnik, músico, compositor e ensaísta, professor de Literatura, mestre, doutor, um artista brasileiro que admiro muito, me sacode: “Se meu mundo caiu, eu que aprenda a levantar”. Há que se aprender e lutar cotidianamente contra a miséria moral que nos agride e faz crescer a miséria de gente como a gente.

 

Conexões – saindo do armário

O Nanismo é pouco estudado e pesquisado. Há um grande desconhecimento sobre a deficiência, se é que podemos chamar assim, e suas consequências. Essa negação explícita possivelmente tem suas raízes no preconceito que gera desinteresse e falta de seriedade em relação ao assunto, desde a antiguidade. Somos ainda motivo de riso e piada, mesmo nos meios mais bem informados e ditos politizados. Fazemos parte de um imaginário popular que nos vê ora como figuras mágicas e cheias de poderes, ora como seres à margem, que vieram para divertir a “plebe rude”.

Por isso, é muito estimulante perceber que nos últimos anos há uma busca por outros olhares. As pessoas com nanismo não são mais escondidas pelas famílias e nem se escondem mais. Em agosto de 2016 participei de um debate durante a XX Semana da Pessoa com Deficiência, promovida pelo Tribunal de Justiça do RS, e falei sobre essas questões. No mesmo ano, em novembro, fui convidada pela FADERS, órgão estadual de política pública de acessibilidade e inclusão, para falar no I Encontro Estadual sobre Nanismo. Paralelamente, fiz algumas palestras em escolas e instituições e escrevo muito sobre a minha experiência.

Nesse período, foi criado o Dia Estadual da Pessoa com Nanismo, 25 de outubro. E também o Dia Nacional de Combate ao Preconceito contra as Pessoas com Nanismo. Particularmente, tenho muitas dúvidas em relação a essas datas. Especialmente pelo lamentável uso político-partidário de um assunto muito sério, que requer atitude, não discurso. Enfim, aposto que gerem acessibilidade e esqueçam a exigência da superação!

Recentemente, realizou-se no Rio de Janeiro o 2º Congresso Brasileiro de Pessoas com Nanismo que, por tudo o que li, vi e pelas pessoas envolvidas, foi um encontro de debates pertinentes, alegria e sucesso. E na próxima novela do horário nobre por excelência da TV, a Globo apresenta uma atriz com nanismo, que vai viver uma personagem real.

congresso

Esses movimentos todos tornam a causa mais conhecida pela sociedade, além de estimular a inclusão e a troca de experiências. A participação ativa das famílias e de profissionais da área médica, entre outros, na discussão sobre saúde, políticas públicas adequadas e preconceito é essencial para a qualidade de vida de quem luta cotidianamente para ultrapassar barreiras sociais, culturais, científicas, e, sobretudo, barreiras reais da discriminação.

Saindo do armário

Literalmente, estamos saindo do armário, expressão muito usada pelos homossexuais há bem mais tempo, ao expor nossos problemas e buscar alternativas, fazendo o que é possível por respeito e dignidade.

Eu pensava sobre isso quando comecei a ler “Pai, Pai” (Alfaguara), livro do jornalista, escritor, tradutor e ativista LGBT, João Silvério Trevisan, lançado em Porto Alegre, na Livraria Baleia, no dia 14 de outubro – com direito a ver “Lampião da Esquina”, documentário de Lívia Perez que conta a história do jornal voltado para o movimento homossexual no Brasil no final dos anos 1970, além de uma conversa boa com o autor, os amigos, mais o autógrafo.

Pois não é que encontro muitos pontos de conexão na leitura!

Foi a partir de uma depressão aos 70 anos que Trevisan olhou para a sua história, viu as marcas profundas deixadas pelo pai – um homem ausente, violento e infeliz – e começou a escrever. Um mergulho radical em situações difíceis da sua vida, como as que se referem à sexualidade. Pouco antes de completar 73 anos, em junho de 2017, ele finaliza o livro. Um dos criadores do jornal “Lampião da esquina” e do “Grupo Somos”, Trevisan praticamente retrata uma geração libertária, que sofreu todo tipo de violência e preconceito.

“As violências que a criança sofre dificilmente são superadas sem que fiquem cicatrizes que se abrem”, confessa. E acrescenta: “A criança é de uma delicadeza assustadora”. O livro, segundo ele, mostra o processo da descoberta do perdão: “Como nasce a ideia do perdão numa selva de dores, mágoas e ressentimentos”.

Em um dado momento, escreve: “Quando pequeno, eu me comovia até as lágrimas diante de uma pessoa com deficiência física. Demorei a entender que eu não chorava por ela, mas por mim. O fato é que eu me identificava com aquela falha, falta ou incompletude”.

paipai

Pois é! Inevitavelmente, de um jeito ou de outro, nós humanos somos seres em falta! Se todos entendessem que a falta nos constitui, a vida seria bem melhor!

 

Oásis – uma homenagem às crianças

Temos oásis incrivelmente verdejantes e cheios de frutos em meio à secura deste deserto ético e moral que tenta minar a nossa crença no presente e no futuro. Oásis que iluminam o cotidiano e nos fazem acreditar que é possível fazer diferente. Um destes oásis passa pela educação infantil, fundamental para a formação de pessoas que contribuam efetivamente para a construção de um mundo melhor.

Conto aqui um pouco do oásis que encontrei em 2017.
A jornalista Cristina Pozzobon, com quem já fiz algumas boas aventuras na área editorial, me ligou e perguntou: Topas fazer o livro do Pato, uma escola infantil que faz 50 anos, com a Rosina (Duarte)? Imediatamente saltou da minha memória a escola onde estudaram os filhos de amigos muito queridos, desses para a vida toda: Custódio (Luiz Antônio Bolcato Custódio), arquiteto e Teresa (Maria Teresa Chaves Custódio), professora, pais da Bianca e do Miguel. A resposta foi sim, sem pestanejar. Não resisti e liguei em seguida para a família Custódio. Queria confirmar se a memória não me traía e contar a boa nova. Qual não foi a minha surpresa: Teresa começou a falar e chorou. De emoção, literalmente!

Que escola é essa? Fiquei ruminando. Até ser convocada para a primeira reunião com as fundadoras. Cheguei atrasada e a conversa corria solta e animada. A tarde voou e saí renovada, mais jovem do que nunca. E assim foi sucessivamente ao longo dos meses. E assim entendi o choro da minha amiga.

Ouvir Beth (Elizabeth Mariani) e Marcia (Marcia Palmira Sacco), as fundadoras do Pato, foi mágico pra mim nesse momento da vida. E ouvir Laura, Patrícia e Mônica confirmava a magia, sublinhada depois pelos depoimentos que fomos colhendo, Rosina e eu. Depoimentos que começaram em uma grande e catártica reunião na escola com muitos pais e ex-alunos que falaram emocionados e com muita alegria sobre o Pato. Depois, tive encontros incríveis em busca de mais depoimentos. Com a psicanalista Lucrécia Zavaschi, a psiquiatra e pediatra Geraldina Viçosa, a família Cohen com sua sacola de preciosidades, a família Loss que me esperava inteira na volta de uma mesa, Marta Saldanha, uma das fundadoras, e tantos outros que chegaram por e-mail, como o dos Grassi, por telefone, pelo whats, como o de Ana Flávia Baldisserotto. Tudo à flor da pele!

Foram sete meses de muito trabalho, muito afeto, muita adrenalina, muitas entrevistas, muita parceria, muita busca e muita ansiedade. Escritos e escritos. Revisões. Ajustes. Outras revisões. Mais escritos. Encontros com a Cris para seleção de fotos e para ver a proposta gráfica. Depoimentos de última hora. Uma enorme responsabilidade! Até o ponto final, que não é final, porque a história não se acaba. E tanta experiência, convicção, dedicação não cabem inteiros nessas amorosas 151 páginas.

pato

Pato – uma criança de 50 anos, o livro que conta um pouquinho desta escola que fez e faz a diferença na educação infantil, ficou pronto. Vê-lo assim acabado, todo bonito, cheio de lindas histórias e muita delicadeza, tão lúdico, é uma emoção indescritível. Emoção que, talvez, só eu, neste momento louco da minha vida, possa entender.
É um horizonte claro, cristalino. É um rasgo enorme de esperança, simplicidade e muito amor nestes tempos incertos e sombrios. Há quem trabalhe com afeto. Há quem priorize a criança. Há quem acredite na educação e tenha convicção de que é na infância que se afaga a essência do adulto que somos. Há muita luz nesse caminho.
Só tenho a agradecer por essa jornada. Conhecer as fundadoras e a equipe da escola e suas histórias me fizeram uma “patinha”. Simples assim!

Fragmentos da violência que nos cerca

Como se constrói a mínima estrutura para uma vida digna nestes tristes tempos em que tudo vira violência?

A política ordenada pelo mercado financeiro é violenta. Aponta cruelmente para uma população ainda mais pobre e desamparada. Os impostos e as taxas de juros são violentos. Pagamos pelo que não temos e pelo que nos tiram a cada dia. A mudança das relações de trabalho que vem por aí, com negociações acima da lei, é violenta. Como não haverá mediação do Estado, nem uma justiça especial, as ofertas serão adulteradas e indignas, e o trabalhador vai aceitar porque não terá outra condição. O parcelamento dos salários é violento. Impossível não pensar no dano moral, para além do dano material, das pessoas que honram seus compromissos, pagam suas contas em dia e, de repente, passam a receber aos poucos. E o que dizer da violência da corrupção e do poder nefasto que emanam do planalto central do país? A vida real está tão violenta que abre espaço para o fanatismo, para a intolerância, para o aumento da desigualdade e de todo tipo de destempero ou desespero.

“O que estamos fazendo uns com os outros?”
Essa é uma das perguntas da filósofa Márcia Tiburi diante da normalização de um discurso e de um comportamento violentos, que viraram norma no meio social em que vivemos. O que imaginávamos já ter superado cresce “por todos os lados, à direita e à esquerda, a partir de todos os credos”. Tudo o que foge de uma normalidade sem sentido, que nos é imposta, é foco de ódio – classes sociais, raças, etnias, religiões, opções sexuais e por aí afora. “A mais básica abertura a uma conversa se torna inviável quando os indivíduos estão fechados em seus pequenos universos”, diz Márcia. Desaprendemos a falar e a ouvir. Já não entendemos que somos capazes de constituir um cenário ético-político diferente e que podemos “tentar intensamente o diálogo que está tão esquecido e faz muita falta entre nós”.

"Tempos líquidos", de Tamar Matsafi

“Tempos líquidos”, de Tamar Matsafi

Esse vazio de autoridade, que torna o poder tão vulnerável e gera essa incapacidade de agir em conjunto, é um convite ao recrudescimento da violência. “Há algo assustador no ódio contemporâneo”, completa Márcia. Mas quem são mesmo os nossos inimigos nesse mundo tão fragmentado? O que fazer com esse medo, essa insegurança, essa ansiedade que nos invade e contamina como praga? Por que não conseguimos ver outras possibilidades? Vivemos a liquidez da vida, que escorre frágil entre nossos dedos, como falou o sociólogo e filósofo polonês Zygmunt Bauman?

Perdemos a identidade? Já não pertencemos a nada?
Subjugados pelo mundo digital que nos dá visibilidade, mas nos esconde e nos acovarda, temos opinião sobre tudo. Provocamos, atacamos sem conhecimento de causa, e acabamos mergulhados em uma viagem egocêntrica e superficial. Essa exacerbação do individualismo é muito violenta. Já não analisamos, não escutamos, não paramos, não olhamos para o outro. E esse não olhar, que desconhece os limites necessários para a vida compartilhada e para a inserção dos indivíduos na cultura, nos transforma em presas fáceis da violência.

Antídotos para a desesperança

Intolerância e preconceito de toda forma e qualidade invadiram nosso cotidiano, já tão massacrado. Os embates inquietam. Alguns provocam boas reflexões, é certo, mas assinalam que extrapolamos infinitamente a civilidade, a ética, o respeito pelo outro. O pensamento único, sem nuances, insiste em nos guiar. Mais uma vez, o bem e o mal.
Diante de um panorama indigente, só vejo uma saída: buscar antídotos para arrefecer essa quase desesperança. Urgentemente! E seguir na luta.

Aleatoriamente, ouço uma fala de José Pepe Mujica, quando ainda era presidente do Uruguai. Um alerta para a necessidade de uma América Latina solidária, capaz de um olhar para as potencialidades de seus países e da união de forças para combater as desigualdades sociais. A civilização em que vivemos põe o dinheiro como o mais alto objetivo de vida, mas só uma política que se ocupe do ser humano pode ter crédito, disse ele. Um sonhador?

Em seguida, revisito as canções de Adriana Calcanhoto Partimpim, que gosto muito, e dou de cara com uma declaração dela em uma entrevista: “Não devemos matar o artista que cada criança é”. Uma sonhadora?

E acabo encontrando anotações que fiz de uma aula magna de Mia Couto, na UFRGS, em setembro de 2014. O escritor moçambicano dividiu histórias, memórias, vivências e leveza com mais de mil e quinhentas pessoas ávidas por ouvi-lo. Entre as preciosidades da sua fala, disse que é fundamental manter uma ponte entre o tradicional e o novo. É no passado que carregamos nossa vida futura. Para ele, não precisamos de mais tempo, mas de um tempo que seja nosso, para viver e não apenas registrar a vida. Precisamos restituir a dimensão humana aos territórios e devolver à vida as pequenas histórias. Um sonhador?

É justamente essa dimensão do humano que estamos perdendo ao não reconhecer a diversidade e a singularidade que nos constituem como sujeitos. Este início de primavera pode ser um bom momento para entendermos que o tempo hoje é de ressignificação. Navegamos em mares turbulentos e desconhecemos a força das águas. Ao mesmo tempo, esquecemos ou minimizamos nossos direitos e responsabilidade. Deixamos de sonhar?

Essa engrenagem política, com suas milícias sem escrúpulos espalhadas por aí, é dilacerante. Assustada, às vezes atordoada, mas firme nos meus propósitos e nas minhas crenças, intacta no ser que sou, sinto que é necessário nos mantermos em alerta – “cuidado, há um morcego na porta principal” – e de olhos bem abertos. “Senhoras e senhores, ele põe os olhos grandes sobre mim”. Como diz a canção de Jards Macalé, “Gotham City”.

Nesse percurso, a ancoragem vem da presença, física ou não, dos amigos e dessa grande família que formamos e ampliamos a partir de tantos sonhos coletivos, lutas, realizações, decepções, alegrias, generosidade, afeto, coragem, cuidados. Essa gota de mel que vem de cada um, com delicadeza, sem invasão, nem polaridades inúteis, restabelece minha energia interior.

Sonhadora? Sim! Como tantos, não quero abrir mão dessa capacidade de sonhar que ainda me habita.

"Ainda há luz", por Tamar Matsafi

“Ainda há luz”, por Tamar Matsafi