Fragmentos da possível delicadeza cotidiana – Por que incluir?

Compartilhe este texto:

Incluir para que todos tenham, na medida do possível, uma vida autônoma, segura, livre, em condições de usufruir com dignidade tudo o que aí está para ser curtido, não importa o tipo de deficiência, a raça, a cor, a opção sexual.

Equipe do filme Mulheres no Poder. Crédito: Divulgação

Equipe do filme Mulheres no Poder. Divulgação

É o que propõe o filme Mulheres no Poder, escrito e dirigido por Gustavo Acioli, que estreia no dia 12 de maio com a inserção de recursos inclusivos de audiodescrição, legendas e de LIBRAS, por meio do aplicativo MovieReading. Em parceria com a Lavoro Produções, a Iguale Comunicação e Acessibilidade é a responsável pela produção e aplicação desses recursos, disponíveis para as produções audiovisuais, beneficiando pessoas com deficiência intelectual, visual e auditiva. Segundo Mauricio Santana, diretor da Iguale, o download do aplicativo é gratuito para IOS e Android. Depois de instalado no celular ou tablet, o usuário baixa o arquivo referente ao recurso que necessita para assistir ao filme em tempo real ao exibido na tela do cinema.

Para usar o app com o recurso da audiodescrição é necessário ter fones de ouvido conectados ao telefone celular. O MovieReading consegue sincronizar os arquivos de acessibilidade com o som do filme em exibição através do reconhecimento do áudio, portanto é preciso tomar cuidado para não obstruir a captação do microfone do celular ou tablet. Este microfone é o mesmo que transmite a voz para outra pessoa quando se está numa ligação telefônica. O app poderá ser experimentado em todas as salas de cinema onde o filme estiver em cartaz. A Iguale é a responsável pelo aplicativo MovieReading no Brasil e na América Latina.

O filme entra em cartaz em Porto Alegre e Santa Cruz do Sul/RS, São Paulo/SP, Rio de Janeiro e São Gonçalo/RJ, Belo Horizonte/MG e Salvador/BA. A produção é da Lavoro Produções, coordenada por Lara Pozzobon.

Incluir para que a educação em casa, na escola, na rua, em qualquer ambiente, seja realmente múltipla, livre de preconceitos, transformadora.

Frame do teaser disponível no YouTube.

Teaser do filme está disponível no YouTube.

Assim é o trabalho realizado pela Fadem/Fundação de Atendimento de Deficiência Múltipla, instituição sem fins lucrativos, especializada no atendimento a bebês, crianças e adolescentes de baixa renda, portadores de necessidades especiais. O documentário Vamos Falar de Inclusão? O case FADEM, dirigido por Bibiana Xausa-Bosak, lançado no dia 4 de maio no Teatro Bruno Kiefer, lotado, da Casa de Cultura Mario Quintana, mostra, de um jeito leve e comovente, o cotidiano de uma equipe interdisciplinar que atende um público com vários tipos de deficiência e atrasos no desenvolvimento, e suas famílias. A produção vai contribuir para a reflexão de todos nós sobre a inclusão. Ali estão profissionais que investem no potencial das pessoas e no direito que cada um tem de viver a infância e a adolescência da melhor maneira possível, incluídas não só na escola, mas na vida.

Assista aqui ao teaser do filme que logo estará no YouTube.

Para o psicanalista Alfredo Jerusalinsky, do Centro Lydia Coriat, que participou de um painel após a exibição do documentário, “a inclusão é na família, na praça, na escola, na sociedade. Nós humanos voamos sem saber voar. Estamos sempre além do limite que nosso corpo nos impõe. Permitir que nossos semelhantes cheguem a voar para além dos limites é a ética da civilização”.

Incluir para que mais historinhas como a que conto a seguir aconteçam.

Foto: Arquivo Pessoal.

Foto: Arquivo Pessoal

Há alguns anos, em uma agência do Banrisul, a surpresa do gerente. “Não alcanças no caixa, o que vamos fazer”? Respondo com outra pergunta e uma solução: Tens um banco, uma escadinha ou uma cadeira mesmo? Pausa. Ele sai. Demora um pouco. E lá vem com uma cadeira toda desengonçada, de rodinhas. É o que o banco – instituição financeira muito rica, que cobra até o suspiro dos clientes! – oferece. Corro o risco de subir e cair, mas isso não importa. O problema foi resolvido! E seguiram me olhando como se estivessem vendo um cavalo verde.

Algum tempo depois, o guarda do mesmo Banrisul nos olha – estávamos lá eu e minha irmã Marlene – e afirma que vai conseguir uma escada pra nós. Um belo dia chegamos no banco e ele, todo orgulhoso, nos apresenta uma escadinha decente, inteira, nova. Felicidade estampada no rosto dele e nos nossos! De onde a gente menos espera, vem uma solução, inclusiva e sensível.

O gerente, em outro momento, nos disse: “Viram a escada que eu consegui para vocês?” Resposta: “Vimos e agradecemos muito ao guarda da agência. Se ele não tivesse ouvido o nosso pedido, que tanto espanto provocou em vocês, a escada não estaria aqui”. Olhos esbugalhados nos olhando. Desde então, sempre que preciso tenho a minha escada quando vou ao banco.

8 ideias sobre “Fragmentos da possível delicadeza cotidiana – Por que incluir?

  1. Excelente, Lelei… parabéns pela sua bela escrita de onde não podemos tirar os olhos e o pensamento… vou assistir ao filme… e a história com a qual você finaliza é para que possamos ver que sempre tem gente que se importa, muito embora seja uma minoria… mas vivemos com a esperança e o trabalho incansável dos que acreditam em mudanças….beijos…

  2. Lelei, teu olhar e o olhar da Marlene sempre foram fundamentais para mim. Que bom que o blog espalha pelo mundo afora esse modo sensível e sensato de enxergar a vida. É um lindo e ótimo caminho para seguir justo nesses dias de falta de empatia, de empoderamento, de amor! Fico feliz pelo sucesso, mas cá entre nós, tinha como ser diferente?!

  3. Ô, Luana, que bom que o blog está repercutindo desta maneira. E tu és fundamental pra que tudo isso aconteça. Muito obrigada, querida.

  4. Oi Lelei.
    Fui colega da Marlene no doutorado e acabei perdendo o contato com as colegas do pós de Letras da PUCRS. Recentemente, com grande tristeza, eu, meu marido e meu filho ficamos sabendo aqui no Sul21 do falecimento da Marlene. Mesmo com grande atraso, nosso sincero abraço.
    Ótimo texto! Vou ver o filme! Continue na luta pela inclusão, por ti, pela Marlene e por todos nós!
    Abraços
    Denise

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *