Da série Acessibilidade para quê? Fragmentos do cotidiano quase absurdo 3

Compartilhe este texto:
Há sempre um jeito, por TamarMafsafi

Há sempre um jeito, por Tamar Mafsafi.

Entro na lotação. O motorista arranca bruscamente. Sem perceber que não alcanço em praticamente nada e tenho dificuldades para me segurar, como uma senhora com uma criança no colo e um senhor bem mais velho. Dane-se! Acessibilidade para que mesmo? Mas isso ainda é pouco. Dirigia como se estivesse em uma pista de corrida desgastada e cheia de buracos. Aos solavancos. Tinha horário a cumprir, imaginei. Os passageiros, sem condições de se proteger, eram um mero acaso naquela rota.

*

Com expressão irritada, o motorista do ônibus estaciona longe da calçada. Se pessoas mais velhas, crianças, alguém com problema nas pernas, ou eu que tenho 1m10cm de altura e pernas curtas, não conseguem ou têm dificuldades para descer e subir do ônibus é apenas um detalhe. Ele tem horário a cumprir e um roteiro para dar conta.  É o que importa.

*

O motorista travava tanto que cheguei ao centro da cidade, vindo de um bairro não muito distante, cansada de tanto tentar me segurar, ou melhor, me equilibrar. Quando é que os responsáveis pelo transporte público vão entender que anões, assim como pessoas com outras deficiências físicas, velhos, crianças, entre tantos outros cidadãos, têm muitas dificuldades em situações assim? Só com essa compreensão vão conseguir orientar as equipes que cotidianamente enfrentam as ruas tumultuadas e engarrafadas, com horários a cumprir. Olhar para o outro, colocar-se no lugar do outro, é um bom exercício para governos e administradores.

*

O jovem tinha tanta pressa que entrou correndo no ônibus, foi passando rapidamente e jogou a mochila que carregava nas costas no rosto de uma pessoa bem mais baixa do que ele. Olhar para o entorno para quê? Tinha muita pressa. Em seguida, o engarrafamento parou tudo.

*

Chego ao balcão de quase um metro e meio de altura com os meus 1m10cm. Do outro lado, a atendente, que quase não me vê, como eu quase não a vejo, não se dá ao trabalho de se levantar da cadeira para me olhar, falar comigo, dar um bom dia, boa tarde, qualquer atitude razoavelmente acolhedora. Ou eu me estico o que der, ficando na ponta dos pés, para que ela possa me ouvir, ou nada feito. Ainda bem que sou elástica e estou de bem com a vida.

*

Já no supermercado, a máquina para inserir o cartão e efetuar o pagamento era lá em cima. Impossível alcançar. Qual a solução? Um engradado, um caixote de plástico, enfim. E pensar que supermercados vendem escadas. Refletir, olhar, colocar-se no lugar do outro, não é o forte de quem trabalha burocraticamente. Cumpre ordens. E ordens são ordens!

*

Almoço em Gramado. Sozinha. Ao solicitar uma cadeira mais alta, ouvi do garçom: “Não temos.” Nem perguntou o motivo da solicitação. Apenas me olhou com ar estupefato. É assim, mesmo nos lugares mais preparados para o turismo. É assim, mesmo com os vastos e fartos discursos pela inclusão. É assim. E pronto. E ponto.

Ainda no almoço em Gramado. O mesmo garçom coloca os apetrechos bem na ponta da mesa (temperos, guardanapos, copo, bebida), distantes dos meus braços curtos. Trabalho mecânico. Sensibilidade zero. Distraído, não observa, não olha, não vê. Está distante da convivência com o cliente, que dirá do cliente com uma diferença, mesmo que marcante. E o lugar, charmoso, quase vazio. Uma pena. Nem o turismo se dá conta.

7 ideias sobre “Da série Acessibilidade para quê? Fragmentos do cotidiano quase absurdo 3

    • Há todo um esforço das pessoas com alguma dificuldade no sentido de mudar esse descaso, mas não é fácil. Por isso, decidi escrever e publicar meus textos. É mais uma tentativa de sensibilizar as pessoas.

  1. Artigos como este são necessários e fundamentais. Quem sabe consigam sensibilizar as pessoas e, principalmente, os gestores dos serviços públicos com as diferenças.
    Continue, Lelei!

    • Não quero parar, Vera. É um jeito de alertar, chamar a atenção e, quem sabe, provocar alguma mudança. Tenho recebido muitos retornos estimulantes. E refletir sobre a diferença e escrever me faz muito bem.

  2. Gostei muito do texto, é necessário para que as pessoas possam compreender e ver que o mundo é diverso, todos precisamos de todos. Sou professora de arquitetura, trabalho com acessibilidade e estou sempre aprendendo com as pessoas e suas reais necessidades, sem isso, como poderemos mudar alguma coisa? As normas ajudam mas não explicam. Fale, fale, até que muitos compreendam, assim pode ser que chegue aos gestores, diretores, e todos enxerguem um pouco melhor a diversidade. Valeu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *