Sou teimosa e vivo. Sou teimosa e insisto.

O segundo turno das eleições está aí. Encerramos um ciclo? Ou coroamos a direita?
Para além de qualquer movimento, o tempo é de reflexão. As cartas estão dadas. O tabuleiro está na mesa. Mas o jogo começa em campo minado. A política elitista, soberba e cheia de retórica que nos apresentam é incapaz de mínimas ações éticas e coletivas. As propostas saem de gabinetes fechados para responder a interesses pessoais e corporativos, na contramão da democracia. Em nome da salvação do país, minimizam direitos dos trabalhadores, tiram dinheiro da educação e da saúde e ignoram conquistas sociais.

"Emaranhado", por Tamar Matsafi

“Emaranhado”, por Tamar Matsafi

Querem salvar o país para quem mesmo?
Mas essa pergunta não importa. O que o governo precisa nesse momento de reuniões de alcova é responder à minoria que apita o jogo. Para não desagradar, faz das tripas coração, entre um farto banquete e outro, garantindo a aprovação de medidas impopulares. Enquanto isso, o aparato policial nas ruas não garante a segurança da população, mas está pronto para bater em manifestantes, justo aqueles que gritam contra o desmonte orquestrado.

Continuamos cerceados e amedrontados. O desrespeito e a impunidade reinam implacáveis, a partir do Planalto Central, o poderoso oásis da farra, hoje mais do que nunca regido pela máxima do “gosto-de-levar-vantagem-em-tudo” e pela linguagem vulgar (leia-se Renan Calheiros). A corrupção desvairada que tomou conta do Congresso Nacional criou muitas amarras e o destempero dos políticos para garantir privilégios se espalha país afora.

Nesse caldeirão, uma ponta de solidariedade, um rasgo de emoção, um respingo de sensibilidade é o que nos pega de jeito e nos faz acreditar que o jogo não está perdido, entre um flash e outro do sucateamento cruel. Há que ter esperança, sim, repetimos incessantemente. Mesmo que, do macro ao micro, quase nada vá bem. Basta uma volta na quadra e um rápido olhar para o estado das coisas. Dos pisos táteis e rebaixamento de calçadas – mal colocados e mal feitos, só para dar ares de acessibilidade – à deterioração dos espaços públicos, o que vemos dói. A violência explode nas ruas. Os serviços de saúde encolhem e as filas de espera crescem. O desmantelamento da educação anda a passos largos.

Inclusão para quê?
Não poderia ser diferente com um governo avesso ao cidadão que sabe dos seus direitos, reflete e ousa ter e manifestar sua opinião. É mais fácil dominar indivíduos sem rosto, mergulhados na indigência, na ignorância e no desespero. A educação libertária, a arte e os artistas que fazem pensar, divertem e espalham alegria, são ameaças. A sociedade está doente, vazia de valores e do entusiasmo verdadeiro, ligado aos impulsos mais sublimes do ser humano. Consequentemente, a democracia está fragilizada.

"E agora?", Por Tamar Matsafi

“E agora?”, Por Tamar Matsafi

Sejamos vigilantes e responsáveis! Vamos cuidar do nosso direito à vida com dignidade e respeito, do bem estar, da alegria e do lazer, da arte que nos alimenta. Vamos olhar para o outro, compartilhar, dividir, trocar. O poeta Carlos Drummond de Andrade disse certa vez: “É hora de recomeçar tudo de novo, sem ilusão e sem pressa, mas com a teimosia do inseto que busca um caminho no meio do terremoto”.

Não há porque estancar em meio ao tsunami que tenta frear nossos sonhos. Como escreveu o jornalista Nei Duclós, em Outubro*, livro de poesia lançado em 1975, que ganha edição comemorativa de 40 anos: “Apesar de tudo sou teimoso e vivo / Sou teimoso e insisto”.

“*Outubro é daqueles livros de resistência, de força e de lirismo, tudo a um só tempo, que traz o ideário de uma juventude que havia se formado na vigência da contracultura, debaixo de um brutal cerceamento de ideias e embalada pela tentativa de formação de uma identidade latino-americana. Volume antológico, desses clássicos já ao nascer, Outubro traz versos que soam viçosos ainda hoje (“Embora não acredites/ estou tão habitado/ que pareço um mar”)”. Trecho de texto da escritora Cíntia Moscovich, patrona da Feira do Livro de Porto Alegre deste ano, em sua coluna na Zero Hora.

outubro_nei-duclos

As sombras que escurecem nosso tempo

“O Escuro do Nosso Tempo”. Esse é o nome de um seminário promovido pela Associação Psicanalítica de Porto Alegre, que tem a coordenação dos psicanalistas Lúcia Serrano e Robson Pereira e do crítico de cinema, filósofo, economista e psicanalista Enéas de Souza.

Faço essa referência porque esse título sempre me interessou. É instigante, sugestivo e, na minha percepção, diz muito do momento que vivemos na nossa aldeia, hoje tão precária. Vejo muita desesperança e o aprofundamento da descrença e da escuridão, provocados pela intolerância, a radicalização e o desrespeito que dominam as relações políticas e, consequentemente, pessoais. Faço inúmeras perguntas, para as quais são mínimas as respostas.

Proponho um olhar específico para o nosso quintal, com o foco na campanha para prefeito. Vamos observar e pensar sobre o que está em jogo nesta reta final. Violência, perseguições, ameaças, acusações, vingança, invasões. Qualquer que seja o motivo – se é que um dia saberemos – que provocou tiroteios em frente à sede de um partido, vistorias, incêndio em um departamento da prefeitura e uma morte brutal, já ultrapassamos, e muito, todos os limites do suportável.

"Tempo, tempo, tempo", por Tamar Matsafi

“Tempo, tempo, tempo”, por Tamar Matsafi

“E qualquer desatenção, faça, não! Pode ser a gota d´água” – Chico Buarque, compositor e escritor.

Dá para chamar esse desvario de campanha política? Abandonamos o SER e mergulhamos absurdamente na escuridão do TER, com o que há de mais deplorável sob o ponto de vista humano, que se alimenta do revanchismo, do autoritário e do jogo do poder pelo poder. E enquanto a disputa toma essa proporção assustadora, seguem as promessas vãs e as falas falsamente redentoras. Como se todos fôssemos idiotas, à margem de tudo.

Onde está a autoridade? Quem vai ocupar esse lugar tão desejado, que deveria ser reservado aos que vêm para revolucionar a prática política? Quem vai sentar na cadeira vazia de valores e restaurar a dignidade? Quem vai trabalhar pelo bem comum? Quem vai apresentar e discutir projetos viáveis com as comunidades? Quem vai nos devolver o direito de ir e vir com segurança, saúde e leveza? Quem vai tornar a cidade mais acolhedora e inclusiva? Quem vai garantir educação e arte libertárias para crianças e jovens? Quem realmente vai governar para a população e não para um círculo restrito e mesquinho, respondendo a interesses políticos e financeiros duvidosos e usurpadores?

“É preciso olhar nos olhos da tragédia para dominá-la” – Oduvaldo Vianna Filho, autor e ator de teatro.

Quem vai olhar? Quem vai nos tirar dessa ordem obsoleta e provocar a necessária suspensão no cotidiano doído dos que sempre perdem? Quem vai nos devolver a possibilidade da utopia? Quem vai caminhar no contrafluxo do conservadorismo? Quem será capaz de torcer a curva da vida e apontar outros caminhos?

Quem?
Diariamente somos engolidos pelo espanto e pela burocratização da vida, que contamina nossa energia e controla nosso já escasso e desgastado tempo. Esse miserável tempo cartão ponto, que impõe uma infinidade de normas, minimiza talentos, escraviza e rouba a criatividade. Necessitamos de atos corajosos, generosos e lúcidos, contra a corrente da hipocrisia, da acomodação e do fazer sem compromisso.

A democracia é prática difícil. Gera incertezas. Escancara limites. Aponta para um universo de possibilidades. Descortina problemas complexos que dependem de muitas variáveis, de discernimento e da vontade de mudar. Encoraja o debate público de ideias. Estimula a humildade e o respeito pelas diferenças. Exige que se abra mão de verdades cristalizadas, de privilégios, das máscaras e do saber arrogante. Pede outros saberes que se descobrem no cotidiano, fora dos gabinetes e dos discursos prontos. O saber da vivência nas ruas, nos locais de trabalho, nos espaços públicos. O saber de quem olha, respeita e compartilha a vida com o outro. Até chegar ao saber maior, que é ver o outro por inteiro e trabalhar coletivamente.

"O que nos une", por Tamar Matsafi

“O que nos une”, por Tamar Matsafi

Só quem consegue sair da sua bolha egoísta e ver o outro “com os olhos livres”, fora desse grotesco podium de competições insanas e do poder a qualquer custo, é capaz de governar para uma comunidade de cidadãos diversos, carentes de respeito, melhores condições de vida, igualdade de direitos, identidade, autoestima.

Quem?

O que dizem de nós os seres do Habitat de Amaro Abreu

A vida pulsa para além das eleições, das promessas vãs, da indigência dos partidos e da política, do cotidiano difícil, dos nossos desejos de acessibilidade, inclusão, mudança. A vida pulsa na criação de quem ousa. Meu texto é sobre o livro de Amaro Abreu, Habitat, que será lançado no dia 15 de outubro, a partir das 16h, na Livraria Bamboletras, em Porto Alegre.

habitat_capaO menino curioso, que conheci pequenininho no início dos anos 1990, cresceu. Quando o reencontrei, parou na minha frente um menino-homem, expressão carinhosa muito comum na Bahia para dizer, “a criança que você conheceu já não é mais a mesma”. Logo vi que não era, mas guardava muito do universo lúdico no jeito de olhar, de falar, no sorriso. A suavidade daquela infância que não nos abandona, especialmente quando nos revelamos através da arte.

Amaro Abreu por Amaro Abreu

Amaro Abreu por Amaro Abreu

Fomos conversando e descobri que o menino, hoje com 27 anos, já se aventurou pelo mundo. Articulado, criativo, observador, cheio de ideias, levou seus olhos para outras paragens. Bisbilhotou, desenhou, pintou, grafitou. Foi rabiscando a vida diversa que pulsa em todo lugar com seus lápis, tintas, sonhos, sprays, emoções, nanquim, fantasias, aquarelas e desejos. Desvendou novos cenários, compartilhou outros jeitos de viver e foi deixando em muros e painéis as criaturas inusitadas que cria.

Amaro Abreu é um artista urbano, grafiteiro, aquarelista. Eu, que não o via há muito tempo, fiquei surpresa e encantada. Mais ainda quando ele me chamou para escrever sobre o seu trabalho no livro “Habitat”, um convite que me deixou incrivelmente feliz. Por ser quem é e pelos motivos que o levaram a me convidar. Amaro me falou que havia lido alguns textos do meu blog e gostado muito. Algo nos sintonizava. Quando me conectei com suas criações entendi. É que das suas mãos nascem figuras que dizem muito da diversidade que nos constitui como sujeitos únicos, da diferença e da fragilidade que desacomodam nossas certezas, da vida vertiginosa que levamos e da liberdade que queremos.

Habitat, de Amaro Abreu

Habitat, de Amaro Abreu

As criaturas que Amaro vai desenhando e espalhando por aí desconsertam, inquietam, alegram, preenchem, fazem rir, emocionam. Coloridas e disformes, delicadas e fortes, às vezes são incrivelmente líricas, pura suavidade, leveza, e nos convidam a bailar. Em outras, surgem como fortalezas que guardam tesouros humanos preciosos, provocando um pensar incessante. Fazem parte de um universo vasto e inquieto, fora da ordem, que sempre me fez refletir, falar e escrever, hoje quase que cotidianamente, na tentativa de entender os humanos e seu “Habitat”.

Que segredos guardam essas figuras circenses, melancólicas, lúdicas, enraizadas, soltas, misto de tristeza e alegria, em um universo de paisagens oníricas? Saltitantes, à beira do abismo, amordaçadas, à espreita, olhos arregalados, despedaçadas e inteiras, genuínas na sua adorável imperfeição, querem dizer o que assim tão inconstantes?
Dizem de nós, seres fragmentados, assustados, urgentes, às vezes dilacerados, que somos. Humanos? Dizem dos outros que nos habitam. Revelam nossas tantas faces, nossos sentimentos divididos diante do mundo multifacetado, encantador e cruel, que criamos. Habitável? Dizem das vidas paralelas que, estranhamente, tentamos equilibrar. Dizem de nós, tão coletivos e tão solitários nessa caminhada em busca de um final feliz.

Que valores nos sobram depois de um sombrio primeiro turno, humanos ou monetários?

O que ficou do processo eleitoral e desse primeiro turno? O que revelam os votos em branco, os nulos e as dissidências? Estamos diante de um escancarado rastro de insatisfação social de parte significativa da população que não encontrou guarida diante da profunda crise ética e política em que o Brasil mergulhou. Crise que faz renascer o conservadorismo, com o que há de mais velho e torpe, e dá asas a uma extrema-direita intolerante, violenta, avessa à diversidade de opiniões e às liberdades conquistadas com a democracia.

A classe política perdeu a credibilidade diante da farra da corrupção que contaminou o país de norte a sul, sustentada por empresários, partidos e vassalos de toda sorte. Soma-se a esse quadro deplorável a falta de respostas de governos e seus quadros que, sem escrúpulos, mesmo depois de tantas denúncias, seguem suas práticas nefastas.

Há uma devastação orquestrada por políticos sem caráter e por uma lamentável mídia de mão única e incapaz de análises amplas e descomprometidas, que trazem nas mãos a hegemonia do poder econômico em detrimento de direitos sociais e trabalhistas de cidadãos do bem. Entramos em um tempo de total negação do outro. O valor maior agora não é o humano. É o capital.

Diante desse valor maior, e voltando ao objetivo específico dos meus textos para o blog, que é falar de acessibilidade e inclusão, segue uma constatação sobre a mesquinharia monetária. Mais uma vez, vou lembrar de uma pequena atitude dos bancos, que diz muito do perfil das instituições financeiras, quando estão diante de uma pessoa com dificuldades físicas, como eu.

A intenção primeira era falar sobre o assunto a partir de imagens feitas nos locais, mas os bancos/banqueiros têm muito medo de mostrar a sua incapacidade de lidar com a fragilidade humana. Então, fui proibida de fotografar as minhas artimanhas em busca da independência necessária para dar conta da vida. É bom esclarecer que quando falo em banco estou me referindo a quem detém o poder sobre essas instituições que muito lucram sobre o dinheiro de todos nós, governos e empresários que ditam leis e regras.

Tenho 1m10cm. Vivo de enfrentamentos e batalhas cotidianas pela autonomia possível.

"Banco necessário", por José Walter de Castro Alves

“Banco necessário”, por José Walter de Castro Alves

Toda vez que entro em um banco, dou de cara com essa limitação. E com a incapacidade da instituição de pensar fora da norma para me auxiliar e auxiliar outras pessoas com dificuldades, o que considero grave. No meu caso, bastaria uma escada ou um banquinho, mas parece algo absurdo. A cada reivindicação que faço, os rostos viram pontos de interrogação. E sou lembrada que preciso ir até à superintendência ou ao gerente com a minha singela proposta.

Há também uma necessidade de se livrar do problema. Alguns sugerem que eu solicite a ajuda de desconhecidos. Outros me pedem a senha, mesmo que recomendem que o cliente preserve as informações sobre sua conta. Ou me olham com espanto, incapazes de um gesto solidário.

É claro que sempre encontro algum funcionário capaz de uma atitude fora do protocolo, mas normalmente ele não tem poder. Relembro dois episódios já publicados aqui.

Acessibilidade para quê?

Fragmento do absurdo cotidiano                                                                                 Entro em uma agência da Caixa Econômica Federal. Não alcanço em nada, o que é comum nas instituições bancárias. Nem no “buraco” para colocar o celular, metais, moedas e outros objetos que possam barrar o meu acesso e, “desarmada”, ser autorizada a entrar. Do lado de lá, o guarda me olha intrigado. Do lado de cá, abro meus pequenos braços querendo dizer “e agora, o que fazer”? Atrapalhado, ele grita: “O que a senhora tem na bolsa?”. A resposta é óbvia. Abro a bolsa, ele estica o pescoço, mas acho que não vê nada. Do lado onde estou, aparece outro guarda, que faz a mesmo pergunta. Repito, abro novamente a bolsa, ele espia e diz: “Pode liberar a entrada”. Inúmeros olhares e nenhum questionamento sobre acessibilidade e inclusão. Todos tropeçam na burocracia. Mudar o script para quê? (Postado em 26 de abril de 2016).

Fragmento da delicadeza cotidiana                                                                                 Há alguns anos, o guarda do Banrisul, onde tenho conta desde a década de 1980, depois de muito ouvir reivindicações minhas e da minha irmã (Marlene Teixeira, que enfrentava as mesmas dificuldades), afirmou que iria conseguir uma escada para acessarmos os caixas. Logo depois, para nosso espanto, sorrindo e feliz, ele nos apresentou uma escadinha ótima. De onde a gente menos espera, vem uma solução fora da norma, inclusiva e sensível. (Postado em 10 de maio de 2016).

"Escada, uma extensão necessária", por José Walter de Castro Alves

“Escada, uma extensão necessária”, por José Walter de Castro Alves