Impressões de um ano cruel

"Tempos obscuros", por Tamar Matsafi

“Tempos obscuros”, por Tamar Matsafi

Um país sequestrado.

Executivo, Legislativo e Judiciário mergulhados na lama.

Instituições da República falidas, ocupadas por políticos mesquinhos e sem caráter.

STF sem dignidade.

Imprensa conivente, unilateral, sem reflexão.

Para o bando que entrega o país ao capitalismo mais sórdido, não basta a aprovação da ultraneoliberal PEC dos gastos, resultado do pacto desumano entre políticos corruptos e elites soberbas. Eles são insaciáveis. Querem muito mais. Nunca saberemos o quanto vão sugar de todos nós. Os projetos, votados às pressas, nas madrugadas, sem discussão, em nome de uma “agenda positiva”, revelam uma estranha modernização da administração pública.

O corte de investimentos em educação e pesquisa certamente nos torna menos autônomos no campo da ciência e muito vulneráveis como cidadãos. Sem cultura, sem análise, sem reflexão e com mudanças que desestruturam o ensino médio e fundamental, o que temos pela frente é a vulnerabilidade do pensamento crítico e de direitos fundamentais. A anulação do estudo de disciplinas como filosofia e sociologia interfere diretamente na formação de indivíduos livres, responsáveis e éticos.

Os cortes de verba para a saúde pública nos deixam mais doentes e frágeis e nos jogam na privatização. O governo lava suas mãos, mas elas continuam sujas.

Os podres poderes ignoram a liberdade de pensamento, a justiça social, as conquistas de um povo sofrido.

Para fechar um ano emblemático, difícil, sombrio, de perdas nunca antes imaginadas, a demolição dos seis casarões históricos da rua Luciana de Abreu, em Porto Alegre, é muito simbólica. As palavras do advogado Milton Terra Machado, ao justificar o fato, traduzem esse simbolismo: “A construtora Goldsztein está fazendo tudo com calma, com muita parcimônia”. Ele só esqueceu de dizer “às escondidas”, como quase tudo o que aconteceu no Brasil neste triste 2016 que chega ao fim.

"Abismos", por Tamar Matsafi

“Abismos”, por Tamar Matsafi

Estamos carentes!

Enquanto os poderes lavam as mãos, que continuam sujas, o povo brasileiro assiste, atônito e sem voz, mudanças que acabam com conquistas sociais significativas. Estamos diante de um dos maiores retrocessos na história recente do país.

Resistir e lutar contra o desmonte geral é urgente e necessário.

Que 2017 nos livre da ignorância e nos devolva a esperança, a garra e a delicadeza!

"Resistiremos", por Tamar Matsafi

“Resistiremos”, por Tamar Matsafi

2 ideias sobre “Impressões de um ano cruel

  1. Que em 2017 nós consigamos através dá resistência e luta continuadas,nos ver livres da ignorância e da perversão que nos assolaram em 2016 e possamos recuperar o modo gentil de ser que era como nós éramos reconhecidos há tempos atrás.
    Ter esperanças é preciso assim como sonhar!!!

  2. Graças à Deus existem homen sábios que sabem oque dizem para nos dar o ãnimo e que nos deixam esperançoso que pode haver mudanças, que pode sim tirar nosso País das mãos dos crápulas que envolve os 3 poderes da nação, Quando o Brasil esteve nas mãos dos esquerdistas, a idéia aparente era de segurança, mas entregaram o povo nas mãos dos lobos, sem nenhuma piedade. Agora só Deus para nos livrar das garras deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *