Retalhos do Cotidiano

Compartilhe este texto:

Vozes Plurais

*Neste março de 2018, tão simbólico em relação ao Brasil atual, o canal Vozes Plurais Radioweb traz a voz de ativistas em diversas áreas: mulheres negras, mulheres com deficiência, mulheres na educação e na cultura, mulheres agricultoras, mulheres que lutam por políticas públicas, mulheres LGBT. Gravadas em uma rádio móvel construída no Polo Marista de Formação Tecnológica do Cesmar/RS, as entrevistas valorizam e dão espaço às pautas feministas e a algumas mulheres que trabalham todos os meses do ano pela vida das mulheres. Cada programa tem a produção atenta, dedicada e sensível de Clara Glock e Camila Silva para o Coletivo Feminino Plural. Em poucos minutos, muito conhecimento, muita informação e diversidade vão para o ar. Participei e recomendo muito. O conteúdo está no site: http://femininoplural.org.br/…/proje…/vozes-plurais-radioweb. O projeto tem o apoio do Jornal Extra Classe do Sinpro/RS. As gravações estão sendo divulgadas também no site: http://www.extraclasse.org.br/…/mes-8m-as-vozes-das-ativis…/

Lelei Teixeira e a luta das mulheres com nanismo.

Parte1 1
https://soundcloud.com/…/lelei-teixeira-e-a-luta-das-mulher…

Parte 2
https://soundcloud.com/…/lelei-teixeira-e-a-luta-das-mulher…

Parte 3
https://soundcloud.com/…/lelei-teixeira-e-a-luta-das-mulher…

A voz

*Mas nem só de iniciativas sensíveis e plurais vivemos no Brasil atual. É piegas e apelativo o tom da TV Globo ao convocar a população para dizer, em um vídeo feito no celular, que país quer no futuro. O país caindo aos pedaços, transfigurado, e as pessoas chamadas para se manifestar, de preferência tendo como cenário um lugar bonito da sua cidade. Uma rede de televisão que alcança os confins do país precisa desta encenação? Já não sabe?  Definitivamente, não precisamos de selfies para mostrar ou dizer que o que aí está é o que não queremos. Está escancarado. Só não vê quem não quer.

Por quê?

*Pé na faixa de segurança. Vou. O motorista para e me olha com ar contrariado. O carro cheio de jovens rapazes. Todos caem numa gargalhada desrespeitosa que ecoa rua afora. Nos meus ouvidos muito mais.

Franqueza

*“Tu é pequeninha e velhinha”. Comentário de uma criança na saída da minha terapia. Ainda bem! Crianças são francas e naturais. E eu estava no lugar certo para ouvir o que já sei.

Emergência pediátrica

*Mães, pais, avós, crianças de todas as idades. Choro. Olhares assustados. Risos. Susto. Alívio. Tensão. Respiração ofegante. Relaxamento. Nunca achei fácil a maternidade e a paternidade. Médicos e enfermeiras num vai e vem vertiginoso. É duro lidar dia a dia com a dor, o sofrimento, o limite humano. É um rasga coração intermitente.

Pergunta no ar

*Nesses tempos tão carregados de violência, uma pergunta está no ar: Somos naturalmente agressivos ou as circunstâncias nos tornam assim?

Autor: Lelei Teixeira

Sou jornalista e já atuei em diversas empresas de comunicação de Porto Alegre, como Zero Hora, TV Guaíba, rádio e TV Pampa, Correio do Povo e TVE. Fui sócia da Pauta Assessoria, por 20 anos, onde trabalhei com divulgação, produção, redação e coordenei a assessoria de imprensa de várias edições do Festival de Cinema de Gramado e da Feira do Livro de Porto Alegre. Atualmente, integro a equipe da Gira Produção e Conteúdo, que reúne profissionais para criação, produção, revisão e finalização de artigos, ensaios e livros, além de assessoria e planejamento de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *