Quando escrever é resistir

Compartilhe este texto:

Minha fala no encontro com alunos das professoras Sabrina Vier e Márcia Lopes Duarte, na Unisinos, em 4 de setembro. Uma noite de muita emoção, muita troca e muito afeto, a partir do tema “A escrita como um ato de inscrição”.

Estou diante de um desafio. Não me sinto autorizada ou, melhor, não me sinto segura para falar sobre um tema tão vasto e tão profundo. Mas me sinto à vontade, pela experiência adquirida vida afora, para afirmar que escrever é resistir, que a palavra liberta. O professor, sociólogo e crítico literário Antônio Cândido diz, em um texto sobre literatura que “pelo fato de dar forma aos sentimentos e à visão do mundo, a literatura nos organiza, nos liberta do caos e, portanto, nos humaniza”. E na literatura está a palavra. Está escrita.

Sou uma leitora de tudo o que me cai nas mãos desde os tempos de escola. E sempre gostei muito de escrever. Fui uma escritora de cartas para os amigos. Minhas agendas eram verdadeiros diários do cotidiano. Quando entrei para o jornalismo essa necessidade virou trabalho, o que sempre fiz com prazer. Tenho o hábito de carregar um bloquinho e uma caneta na bolsa porque, invariavelmente, vou usar. Os horizontes que descortinei através da leitura e da escrita abriram muitas portas na minha vida, externas e internas.

Acredito que escrevemos por inúmeras razões, mas a escrita é para mim uma espécie de tábua de salvação, de amparo, de norte. Faz ecoar vozes que poderiam me sufocar, logo me faz respirar. É um impulso para a vida lá fora. Uma espécie de válvula de escape, entre a realidade e o delírio, por onde transita uma inquietação/interrogação sobre a condição humana, sobre o fim inevitável e o desejo de permanência.

Escrevo “para suportar o buraco, para criar sentido ao que não tem sentido, para não matar e para não morrer, para desacomodar”. Esta afirmação é da jornalista Eliane Brum, repórter e escritora que consegue traduzir em palavras, com sensibilidade rara, esses tempos sombrios.

“As palavras ancoram por um momento”. Portanto, a escrita é uma forma de resistência e de afirmação. É uma maneira de nos vermos existindo. É o que fazemos para não enlouquecer, muitas vezes.

Foi a dor avassaladora que senti ao perder minha irmã que me levou a escrever vertiginosamente. Como uma maneira de não desistir, de preencher um vazio insuportável, de não sucumbir. Um ano depois da morte da Marlene, professora do curso de Letras da Unisinos, que tinha nanismo como eu, publiquei meu primeiro texto no blog isso não é comum, do site Sul21.

Quase sem perceber, fui abrindo portas. Tomei contato com pessoas que, como eu, eram diferentes e estigmatizadas cotidianamente. Ampliei meus relacionamentos, me fortaleci. Sensibilizei ainda mais o olhar para o outro e entendi que falar da diferença que me constitui é encarar a fragilidade da condição humana. É contrapor-se ao preconceito de qualquer natureza. É saudar a diversidade tão necessária para uma vida libertária.

A escrita pode vir de muitas maneiras. Do que não entendemos. De uma preocupação com os caminhos/descaminhos da humanidade. Da constatação de que o poder é corrosivo. Da triste certeza de que a destruição da natureza é real. De inúmeras questões que pontuam o cotidiano, o nosso tempo. Ou todos os tempos. Ou de uma necessidade de desbravar espaços interiores, dores escondidas, revelar segredos da alma. Sempre na tentativa de entender/absorver a realidade, o que está fora, a vida que nos escapa a todo momento. O que virá, entre um assombro e outro.

Pode ser uma recusa ao que está dado, aos clichês repetidos exaustivamente para justificar descaso e desconhecimento ou explicar o inexplicável. Pode ser um jeito de mostrar que cansamos dos discursos, das promessas vazias, da hipocrisia social.

É uma maneira de não sucumbir diante das adversidades e seguir firme, apesar da dor. É assumir o protagonismo da nossa condição, a nossa singularidade diante do olhar do outro, daquele que te olha e te vê como um sub-humano, impulsionado pelo olhar de uma sociedade despreparada que ergue barreiras quando deveria derrubá-las.

É assumir um lugar de fala, Fora do institucional, como escreve a filósofa Djamila Ribeiro, autora do livro “O que é Lugar de Fala?”. É estar atenta às frestas do cotidiano e ao que escapa por elas. Qual é o nosso lugar de fala, de escrita, no Brasil atual? Como não alertar as pessoas diante do que está aí, do desmonte premeditado no campo da educação e da arte?

Muitas pessoas me perguntam se, a partir do que escrevo sobre deficiência, acessibilidade, inclusão, preconceito, direitos humanos, já recebi retorno do poder público ou de algum órgão governamental que trate de questões que envolvam a diferença, seja ela qual for. Minha resposta: Nenhum retorno.  Outra pergunta: Alguma coisa mudou neste período? Resposta: Quase nada. Mais uma pergunta: Não é desestimulante? Resposta: Não! Desistir seria desolador. E a escrita me organiza e me desafia.

Estamos no lugar errado? Somos inferiores? Nossas vidas são indesejadas, tortas, erradas?

Quase ninguém vê a singularidade de uma pessoa com deficiência que transpõe infinitas barreiras físicas e sociais todos os dias. No sentido prático, o que realmente esses olhares veem, querem, a não ser nos depreciar? O que entendem por inclusão? Apontam algum tipo de acessibilidade? Quem está preocupado com estas questões? O que pensam autoridades, governos, profissionais de Engenharia e Arquitetura, se é que conseguem pensar para além do seu quadrado!

A invisibilidade está novamente decretada, apesar de nossas tão suadas lutas e conquistas. Não reconhecemos tais criaturas, parece dizer, toscamente, quem comanda a nação, enquanto o preconceito autorizado vai se alastrando como peste.

Diante deste cenário, a escrita se torna vital. Não podemos perder a possibilidade de usar a nossa voz, que está na palavra, para ampliar os horizontes na convivência com as diferenças. É na diversidade que libertamos nossos olhares e fazemos as vozes ecoar. É na diversidade que está a grande riqueza humana.

Ler, por exemplo, a coluna de Eliane Brum semanalmente é um exercício fundamental para reorganizar ideias, certezas e incertezas sobre a humanidade que habita em nós, para sentir e promover a alteridade, acolher, coexistir, respeitar, cuidar, amar todas as vidas.

A escrita de Eliane, também chamada de jornalismo literário, possibilita uma experiência de empatia incomum, quase impossível no jornalismo tradicional, comprometido com a impossível verdade dos fatos. Sem contraponto!

Portanto, a escrita, a palavra, é fundamental para narrar, contar um fato, resistir e interferir nos caminhos da história, possibilitando a vida e o sonho.

Precisamos de mais bibliotecas nas escolas públicas. E precisamos entender que bibliotecas não são apenas lugares onde se guardam livros. São espaços vivos, de convivência, de descobertas, de promoção de leitura, de conversas, de compartilhamento de ideias que ampliam nossos horizontes, de formação de leitores para além do que circula pelas mídias sociais, tão carregadas de ódio e preconceitos.

A possibilidade da expressão natural através da escrita, da posse e do uso da palavra, nos dá a chance de exercer a cidadania, de sermos sujeitos ativos do mundo que habitamos, de nos ver existindo e reconhecer o outro, a humanidade que nos é comum e, assim, promover naturalmente o cuidado com a vida, todas as vidas. Segundo o professor Luiz Percival Leme Britto, doutor em Linguística, pesquisador e formador de professores da Universidade Federal do Oeste do Pará, que atua na área de Educação e Linguagem, “sem a posse da palavra não há liberdade possível”. Portanto, é urgente que tomemos a palavra. É urgente que cada um se inscreva como sujeito responsável por seus atos e pelo meio social onde vive. Não somos ilhas.

Autor: Lelei Teixeira

Sou jornalista e já atuei em diversas empresas de comunicação de Porto Alegre, como Zero Hora, TV Guaíba, rádio e TV Pampa, Correio do Povo e TVE. Fui sócia da Pauta Assessoria, por 20 anos, onde trabalhei com divulgação, produção, redação e coordenei a assessoria de imprensa de várias edições do Festival de Cinema de Gramado e da Feira do Livro de Porto Alegre. Atualmente, integro a equipe da Gira Produção e Conteúdo, que reúne profissionais para criação, produção, revisão e finalização de artigos, ensaios e livros, além de assessoria e planejamento de comunicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *