Um bando e muitos outros

Remexendo em guardados, encontrei o texto abaixo. Tudo indica que escrevi em 20 de julho de 1987 para o programa Palcos da Vida, da TVE/RS, apresentando o cantor e compositor Bebeto Alves. Não resisti à boa lembrança e resolvi publicar no blog.

Um bando e muitos outros

Foi lá pela segunda metade dos anos 70 que Bebeto Alves surgiu nos palcos da vida porto-alegrense. Era o tempo das Rodas de Som nas madrugadas de sexta-feira, produzidas pelo cantor e compositor Carlinhos Hartlieb, que lançaram vários músicos gaúchos.

Bebeto integrava o grupo Utopia, com Ricardo e Ronaldo Frota. Duas violas e um violino. Som acústico novo, ousado, harmonioso, numa época em que os acordes das guitarras elétricas detinham o poder. O Utopia se desfez em julho de 1976, mas Bebeto continuou, levando na voz forte e bonita o sentimento e a solidão/nostalgia do pampa para misturá-los ao burburinho da cidade grande e à pressa dos urbanos.

Pleno das suas origens de menino criado nas barragens do rio Uruguai, buscou o mar. Fundiu-os. Levou suas milongas. Violas. Guitarras. Estabeleceu pontes. Abriu porteiras. Galopes. Horizontes. Despedidas. Inverne e verão. O porto escancarado ao mar. Um bando e muitos outros. Alquimia que resultou no primeiro disco individual, gravado entre março e abril de 1981, no Rio de Janeiro, onde mescla, com rara beleza, a amplitude do pampa aos sons encontrados pelo caminho, agora feito de ruídos metálicos, esquinas e a solidão das multidões.

“Entre um chorinho e esse tal de roque, entre um baião e um chote”, a sua milonga tomou outras formas, assumiu outros ritmos. No segundo disco, de 1983, tornou explícita a notícia urgente de que Bebeto Alves era um compositor/cantor brasileiro que cantava, com as suas raízes, os sentimentos universais.

O verão carioca, o som das discotecas, a música jovem, a política do corpo, a vontade de fazer sucesso levaram Bebeto ao terceiro disco, dançante, sonoro, moderno, bem mais urbano e identificado com a vida no Rio de Janeiro. Novo País foi gravado em 1985. Depois dele um período de reciclagem. A volta ao sul. O pé na estrada mais uma vez. Nova Iorque. Outras tantas andanças. Redefinição de caminhos. E o caminho de casa novamente para a gravação de mais um disco, o quarto, recentemente no Porto de Elis.

Luís Alberto Nunes Alves/Bebeto Alves, 33 anos, um milongueiro das barrancas do rio Uruguai que ouviu Elvis Presley, cantava em inglês nos programas infantis de rádio, era crooner de conjunto de baile, isto ainda em Uruguaiana. Em Porto Alegre, curtia com os amigos a guitarra e a loucura de Jimmy Hendrix, o blues e agitava os ares da cidade com sua música forte, regional/urbana/universal, resultado de muitas e bem assimiladas influências.

Hoje, entre os muitos caminhos e os muitos voos, Bebeto ainda resgata, como poucos, os elementos do folclore da sua terra natal, incorporando-os às influências da música latino-americana, música urbana brasileira e ao novo que está por aí e que virá. Criou asas.

Um livro a favor da vida

Restabelecer a relação médico-paciente. Humanizar as consultas e as internações hospitalares. Alertar para os riscos da medicalização. Advertir sobre os excessos da indústria farmacêutica. Os diversos questionamentos feitos pelo médico André Islabão em seu primeiro livro, Entre a estatística e a medicina da alma – Ensaios não controlados do Dr. Pirro (Pubblicato Editora, 2019, 236 páginas), propõem uma reflexão profunda a respeito da saúde pública e do futuro da própria medicina. Uma das minhas alegrias é ter sido convidada pelo autor para escrever a orelha do livro que será lançado em Porto Alegre neste sábado, 19 de outubro, das 16h às 19h, na cafeteria La Croissanterie (rua Ramiro Barcelos, 1829, bairro Bom Fim).

Um livro a favor da vida

Surpresa, alegria, curiosidade. Assim reagi quando André Islabão me falou que estava escrevendo um livro. Por conhecê-lo e saber do seu jeito peculiar de conduzir as consultas e se relacionar com os pacientes. Logo pensei que não seria apenas mais um livro sobre a medicina, hoje tão contaminada por interesses econômicos que sustentam um vasto mercado com a medicalização do nosso cotidiano. Na primeira leitura, confirmei minha percepção. Nas releituras, me apaixonei pelas ideias e pela escrita literária do autor. Não é técnico. Não é científico. Não é pretensioso. É um livro simples, sobre escolhas, vida, morte. Humano.

Entre a estatística e a medicina da alma – Ensaios não controlados do Dr. Pirro fala de uma relação que precisa ser restabelecida, médico e paciente, hoje substituída por pílulas salvadoras, em nome de urgências para além da saúde. Já não podemos ser tristes, adoecer ou envelhecer. Já não se vê a pessoa – corpo, alma e fragilidades – em busca de acolhimento, uma palavra, um olhar. A felicidade e a juventude se impõem.

O primeiro livro de André Islabão é crítico, filosófico, corajoso. Necessário. Suas reflexões falam de nós que, muitas vezes, precisamos é de alguém que nos ouça, de um aperto de mão ou de um abraço. O autor reconhece os avanços da medicina, mas aponta para um perigoso endeusamento da tecnologia que pode nos jogar em uma existência a qualquer custo ao negar a inexorável condição humana – a finitude.

Acompanhei o processo desta publicação, com a parceria de Vitor Mesquita e Andrea Peccine da Costa, da Pubblicato Editora, e com José Walter de Castro Alves e Kixi Dalzotto, companheiros de trabalho e de vida. Aprendemos muito. E assinar a orelha deste livro precioso me enche de orgulho. Recomendo uma leitura sem pressa destes ensaios nada comportados, do “Dr. Pirro”, que servem para viver.

André Islabão nasceu em Pelotas (RS), no dia 29 de setembro de 1971. É formado em Medicina pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Reside desde 1992 em Porto Alegre (RS), onde trabalha. É “médico, mas também pai, músico, tradutor, compositor, artista e escritor” – como se define. Decidido a tentar reduzir o abismo crescente entre a medicina moderna e a visão mais holística do ser humano, acredita que a saúde da alma é tão importante quanto a do corpo. Pensando nisso começou a escrever livros, compartilhando suas ideias. Juntou o piano a suas ferramentas terapêuticas e passou a levar um pouco de alegria em forma de música a algumas casas geriátricas da cidade.

Pra onde ir?

Há um sentimento devastador no ar. Um desânimo. Um cansaço. Um desencanto. Uma embriaguez que entorpece os sentidos, o corpo e a alma. Um vazio. Um medo. Uma tristeza. Um esperar pelo que já não é. E não vai voltar.

Há um reacender do preconceito, que sinto a cada andar pelas ruas. Olhares invasivos. Curiosidade desmedida. Risos disfarçados. Deboche. Piadas entre dentes. E o que mais inquieta e entristece é que essa discriminação vem de jovens normalmente bem vestidos, descolados, que andam em grupos.  Então, canto baixinho, quase como um lamento, a música de Caetano Veloso, “Dom de Iludir” – “Não me olhe / Como se a polícia andasse atrás de mim”. E sigo, mesmo que não tão forte e cheia de coragem como gostaria de seguir.

A pergunta é: O que está acontecendo, justamente agora, quando acessibilidade e inclusão são temas muito discutidos, que estão na pauta das escolas, das instituições, das famílias, da mídia? Justamente agora, quando conseguimos encarar o preconceito sem meias palavras?

É possível entender, apesar da indignação que esta tentativa de entendimento provoca. Quando nos damos conta de que há hoje no Brasil uma autorização explícita que não está voltada para a empatia, a resposta está dada. Para onde nos leva? Certamente não é para o diálogo e para uma convivência harmoniosa. Muito pelo contrário. O caminho é a barbárie, o armamento, o ódio. Acirra o que há de mais desumano nos humanos, o irracional. Precisamos mesmo nos defender uns dos outros? Andar como se nossas vidas fossem feitas de inimigos?

Estamos sem freio. Perdemos o rumo na tão festejada era da tecnologia, que faz automóveis voarem, possibilita investigações extraordinárias, conecta e vigia todo mundo, mas não consegue deter o mal estar do nosso dia a dia. Perdemos o sentido do humano, o olhar acolhedor, a solidariedade. No que estamos nos transformando? O que queremos? Por que queremos? Para onde vamos? Qual o sentido do nosso andar?

É um andar que tropeça em uma população miserável e triste, que anda pelas ruas, cresce assustadoramente, e fingimos não ver. Ou nos defendemos desta visão porque não suportamos. Olhares e corpos cansados, perdidos, famintos, enlouquecidos, jogados nas calçadas ou puxando carroças pesadas, em uma cidade bonita, ancorada por um rio imenso, com um pôr do sol maravilhoso. Cidade que parece ter perdido a noção do que chamamos de humanidade.

Sabemos que nem todos os que estão atirados pelos becos querem dali sair. Mas sabemos também que há muitos que precisam apenas de uma palavra, de um gesto, de uma nova oportunidade ou de alguém que os estimule a retomar o que largaram pelo caminho. A cidade que vejo hoje abandonou seus encantos, sua sensibilidade, suas ruas esquisitas cantadas pelo poeta e estampa uma pobreza nunca antes vista pelos meus olhos. Pisou nos versos, esqueceu as rimas e já não sabe da sua gente.