Como é difícil ser diferente! Fragmentos

Pelo direito à diferença, por Tamar Matsafi
Pelo direito à diferença, por Tamar Matsafi

* “Quero a diferença, o encanto, o inusitado. A diversidade está em pauta, em todos os sentidos. Me incomoda o discurso de vítima que, às vezes, circula. O mundo culposo e ascético é ruim” – Fernanda Torres, atriz (Fevereiro de 2016).

* Ser diferente é correr perigo – reflexão da cantora Fernanda Takai sobre a diferença. A partir de gravação de videoclipe, em madrugada na capital paulista, cantando uma canção que dizia: “a gente se acostuma com tudo”. Com maquiagem e figurino que remetiam ao personagem Edward Mãos de Tesoura, versão moderna e mais sentimental de Frankenstein, ela estava irreconhecível. A publicação é de 18 de dezembro de 2015.

“Comecei a caminhar lentamente, enquanto as cenas eram captadas. A cada minuto alguém passava de carro ou a pé e gritava alguma coisa como: “olha a loucona!”, “bicha”, “sai, macumba!”, “que ser é esse, meu pai?”, sempre em tom de escárnio ou reprovação. Detalhe: quando percebiam que era uma gravação, trocavam um pouco a postura ofensiva por um “quem é?”, “é da televisão?”. Continuamos a andar, cruzamos a Avenida Paulista e uns fãs passantes me descobriram por trás daquela personagem.

Enquanto ia cantando e descendo a rua em direção à parte mais barra-pesada do lugar, ficava pensando como é difícil ser diferente nesse mundo. Seja pela roupa, o corpo, algum tipo de comportamento menos usual e nem por isso errado. Ser diferente é atrair olhares e pensamentos que a gente sente como espinhos. Mas o pior eu ainda ia sentir de verdade naquela madrugada.

O diretor queria gravar umas cenas num clube noturno que costuma lotar todas as noites. Logo chegamos ao lugar, que fica exatamente na área mais recheada de saunas, casas de espetáculos eróticos e hotéis de alta rotatividade. Ou seja, supus que haveria umas tantas pessoas também diferentes e que ali eu não chamaria atenção. Errado. Os mesmos comentários surgiram como farpas. Eu também não era daquela turma.

Conseguimos autorização pra entrar com a câmera na boate. Já no corredor de acesso, pressentindo a hostilidade, disse que era melhor a gente ir embora que as pessoas estavam me olhando feio demais. Me davam empurrõezinhos e se viravam resmungando qualquer coisa. O som era altíssimo e a iluminação precária. Quando começamos a gravar umas cenas em que eu apenas ficava na pista enquanto todos dançavam. Alguém deliberadamente agarrou meus cabelos e me puxou com força. Estava escuro, lotado, e as pessoas pareciam todas iguais. Digo, vestiam-se do mesmo modo. Não consegui ter certeza de quem foi. Justamente nessa hora a câmera foi desligada para ser ajustada à quantidade de luz e ninguém da pequena equipe que estava lá comigo conseguiu ver o ataque.

Imediatamente pedi pra irmos embora porque agressão física é o tipo de coisa que me faz perder a graça. Ou a gente parte pra cima ou foge. Eu fugi e fiquei com muita vontade de chorar. Nem tanto pela dor, mas pela constatação de que ser diferente é correr perigo. Não ser de uma determinada turma nos torna automaticamente alvos de um bocado de gente bruta e disposta a nos colocar no devido lugar pelas palavras e pelos atos ignorantes. Minha filha tem um livrinho, que é um dos mais vendidos mundo afora, que se chama Tudo bem ser diferente. Não, Nina. Ainda não está tudo bem e pelo jeito nunca vai estar.”

Ações – A luta cotidiana por respeito e reconhecimento

Tamanho é documento, por Tamar Matsafi
Tamanho é documento, por Tamar Matsafi

*Respeite o Nanismo – A seguir, trecho de texto de Carla Abreu, anã. Li no face Respeito o Nanismo, que tem o objetivo de divulgar informações, trocar experiências e ampliar conhecimentos sobre o Nanismo na Região Sul do Brasil (https://www.facebook.com/respeiteonanismo/).

“Por vezes, a sociedade através de muita violência quer dizer a nós que não merecemos aquele lugar, que não merecemos os nossos sonhos, que o sonho que realizamos e os outros tantos que nós queremos realizar não pertencem a nós. Muitas vezes, ela nos violenta dizendo que não podemos ou não temos habilidade de sermos quem quisermos ser, pelo simples fato de, na sua esquizofrenia, não aceitar que a diversidade é algo intrínseco à natureza.”

*Grandes Cidadãos – Os desafios das pessoas com nanismo. Série que mostra com naturalidade o cotidiano dos anões em 4 episódios: Nanismo, Obstáculos, Família e Preconceito. Canal Rede Brasil no youtube.

Tamanho é documento (2), por Tamar Matsafi
Tamanho é documento (2), por Tamar Matsafi

*Queria ser Penélope Cruz em tamanho mini – Verônica Ned, atriz e cantora, filha caçula do cantor Nelson Ned (1947-2014), anã como ele e os outros dois irmãos. Verônica produz, em parceria com a plataforma Benfeitoria, a websérie Fale com Veca, inspirada no filme Fale com Ela, de Pedro Almodóvar. Em 10 capítulos, a série conta histórias sobre os traumas da família, preconceito e sonhos da atriz que quer fazer um filme com o cineasta espanhol. https://www.facebook.com/falecomveca/

“Para a gente tudo é alto, grande, duro, pesado, longo, comprido, distaaaaaante pra caramba”, declarou ela em um vídeo sobre o projeto. “Mas isso não quer dizer que a gente não vai conseguir chegar lá. Porque a gente é menos”. Verônica contou, no lançamento do projeto em 2015, que já recusou papéis que faziam chacota de sua altura.

“Tipo fazer assistente de palco vestida num biquíni de lantejoula. Não é minha pegada.”
Não é só o preconceito que precisa driblar. No dia a dia, até apertar o botão do elevador é um desafio físico a ser superado, afirmou. “Tirar dinheiro no caixa também não é fácil. Para isso, tenho banquinho no carro. E também uso uma almofadinha (para sentar no banco do automóvel) e um patinete, se for distante, umas cinco quadras.”

Esse mundo dos diferentes! Por mais atitudes

Por Tamar Matsafi
Por Tamar Matsafi

“Se as pessoas pensassem nas crianças nem precisariam pensar em nós, os anões. Por que os trincos das portas precisam ser tão altos? As maçanetas redondas são uma maldade com os anões e com as crianças: para abrir é preciso ter uma mão grande. Ninguém se dá conta disso?”

 Ao dar voz ao anão Umberto no seu primeiro livro infantil, “A história mais triste do mundo” (Bolacha Maria Editora), o psicanalista e escritor Mário Corso nos mostra, mais uma vez, o quanto uma pessoa com dificuldades específicas depende do olhar e da atitude do outro e o quanto incluir não se resolve apenas com leis.

Se estivesse em um hospital, o anão Umberto perguntaria: Por que usar aparelho de pressão grande em braço tão curto? Detalhe que poucos lembram e que deixa evidente a negação da diferença. O tamanho, o peso, a dosagem da medicação, o conforto, o que fazer com um adulto em um corpo tão pequeno? As perguntas espantam e quase não se tem respostas! Às vezes o vácuo é tão insondável que parecemos estrangeiros buscando um mínimo de dignidade em um mundo que insiste em não nos reconhecer.

Ouse, então, pedir um banco para alcançar na pia do banheiro de um hotel! Não importa quantas estrelas, o espanto é de quem parece ouvir alguém pedindo uma cadeira com design dos irmãos Campana e a resposta, quase sempre é: Não temos! Até aparecerem com uma caixa de maçã ou um engradado de bebidas. Ou, ainda, com uma cadeira de dois braços, que ocupa todo o banheiro. A situação se repete em instituições financeiras, balcões de atendimento e por aí afora.

Insisto em escrever sobre isso e estou sempre buscando respostas para questões que envolvem leis, acessibilidade e inclusão. Ao reler, recentemente, um artigo da arquiteta Flavia Boni Licht chamado “Acessibilidade – um fator de inclusão social”, uma afirmação do também arquiteto João Filgueiras Lima chamou minha atenção: “Certas coisas não estão escritas no manual, fazem parte da consciência crítica de cada um.”

A frase sintetiza o que penso de leis, normas, regras, estatutos e tudo o que é criado para colocar uma certa ordem na vida dos humanos. Leis são necessárias. Regulam, dão garantias. Apontam a preocupação da sociedade. Mas fundamental mesmo é a atitude, a capacidade de se colocar no lugar do outro e mudar a regra, se a situação pede. Empresas e instituições, públicas ou privadas, na maioria das vezes, cumprem ordens, sem a preocupação de entender o cotidiano de quem tem uma deficiência.

Enquanto a burocracia discute como incluir, a vida anda e vamos dando um jeito de encarar com dignidade o cotidiano desse mundo “normal”. Um mundo tão normal e tão acomodado que não vê na diversidade uma maneira de sair dos espaços institucionalizados e inventar, reinventar, criar, mudar, facilitar. A diferença, seja ela qual for, necessita de olhares sensíveis, capazes de ver o invisível, acolher e ousar.

 Por Tamar Matsafi
Por Tamar Matsafi

Não, não é um pesadelo

Em busca de horizontesjpg
Em busca de horizontes, por Tamar Matsafi

É real. E estamos bem acordados, de olhos bem abertos diante de atitudes ultrajantes, torpes, machistas, que humilham, ofendem, roubam direitos, intimidam, sem qualquer resquício de humanidade e respeito. Estupro coletivo de uma jovem indefesa por 33 homens. Crianças com deficiência rejeitadas em escolas particulares. Movimento LGBT condenado por núcleos conservadores e por religiosos. Negros hostilizados. Índios dizimados. Agressão disseminada em espaços voltados para a educação.
A escancarada apologia da tortura e do estupro, a violência e a supressão de direitos básicos trazem na sua essência uma brutal reação à diversidade e às conquistas das minorias, que são conquistas de todos nós. O objetivo é empurrar toda pessoa que apresenta alguma diferença (física, mental, intelectual, racial, de comportamento) para um lugar de esquecimento, de não participação, uma espécie de limbo onde as vozes são apagadas. A discriminação que nos é imposta vem da construção de uma teoria da normalidade sem fundamento algum.
Tempos sombrios.

“Joga pedra na Geni! / Joga pedra na Geni! / Ela é feita pra apanhar / Ela é boa de cuspir / Ela dá pra qualquer um / Maldita Geni!”. “Geni e o Zepelim”, de Chico Buarque.

Não, não é um pesadelo. É o que é. Perdemos o sono e está difícil sonhar.
A realidade cruel não dá trégua. No Planalto Central, um Congresso formado por uma maioria inescrupulosa decide os destinos do país com olhos vorazes voltados para seus umbigos ambiciosos. Bilhões escorrem por mãos desprezíveis, passam pelas vias mais sórdidas, compram silêncio, poder, conveniência e recheiam instituições financeiras e bolsos já fartamente recheados. Enquanto isso, trabalhadores e aposentados parecem ser os únicos responsáveis pela crise da previdência social. E é recomendável encolher direitos, salários e gastos sociais, penalizando ainda mais os que já têm muito pouco. Tudo para alinhar os descaminhos do Brasil.
Tempos de desencanto.

“Enquanto os homens exercem seus podres poderes / Índios e padres e bichas, negros e mulheres / E adolescentes fazem o carnaval / Enquanto os homens exercem seus podres poderes / Morrer e matar de fome, de raiva e de sede / São tantas vezes gestos naturais”. “Podres poderes”, de Caetano Veloso.

Construção2jpg
Construção, por Tamar Matsafi

Quando lancei este blog com a proposta de refletir sobre exclusão, preconceito e limites de uma sociedade despreparada para acolher a diferença, não imaginei que teria pela frente dias tão vertiginosos. Falar sobre estas questões me parece ainda mais necessário diante de tudo o que está acontecendo. Lamentavelmente, para uma sociedade que se mostra incapaz de encarar e assimilar a diversidade, em razão de suas aspirações perfeccionistas, é muito mais fácil mascarar, ignorar, eliminar.Tempos de não deixar passar.

“E se acabou no chão feito um pacote flácido / Agonizou no meio do passeio público / Morreu na contramão atrapalhando o tráfego”. “Construção”, de Chico Buarque.

Reafirmo e quero deixar claro que, quando falo de acessibilidade e inclusão, falo de cidadania, respeito, direitos sociais básicos, independência, liberdade, acolhimento. Ao rotular ou desprezar as diferenças, anula-se a singularidade que torna os indivíduos únicos. Anula-se a criatividade. Anula-se a democracia. Anula-se o humano.
Enquanto os defensores dessa casta, representada pela tal “raça pura” acima de qualquer suspeita, insistirem em jogar para as margens os que veem como imperfeitos, nossos caminhos permanecerão minados pela intolerância.
O psicanalista Robson de Freitas Pereira, no artigo “Pra não dizer que não falei de flores”, publicado no Sul21, em que comenta a Noite dos Museus de Porto Alegre, refere-se ao discurso da intolerância como uma tentativa de “expulsar do próprio corpo a diferença e a fragilidade”.

Temos pressa3jpg
Temos pressa, Tamar Matsafi

Volto a dizer que a soma de tantas imperfeições é o que nos faz gente e nos torna infinitamente inquietos e utópicos. Não queremos apenas atrapalhar o trânsito “feito um pacote tímido”. Queremos parar o trânsito para que nos olhem como seres humanos com direito à vida plena.
Queremos conversar civilizadamente sobre o que somos. E volto ao texto do Robson. “Tentar expulsar, eliminar o que nos angustia é impossível – Freud já nos interpretou: não somos pacíficos por natureza, civilizar é lidar com a angústia e fazer com que as palavras tenham mais valor que a espada, o revólver ou a estupidez”.
Tempos de não desistir.

“O pulso ainda pulsa / O pulso ainda pulsa”. “O Pulso”, de Marcelo Fromer, Tony Bellotto e Arnaldo Antunes.

Da série Acessibilidade para quê? Fragmentos do cotidiano quase absurdo 3

Há sempre um jeito, por TamarMafsafi
Há sempre um jeito, por Tamar Mafsafi.

Entro na lotação. O motorista arranca bruscamente. Sem perceber que não alcanço em praticamente nada e tenho dificuldades para me segurar, como uma senhora com uma criança no colo e um senhor bem mais velho. Dane-se! Acessibilidade para que mesmo? Mas isso ainda é pouco. Dirigia como se estivesse em uma pista de corrida desgastada e cheia de buracos. Aos solavancos. Tinha horário a cumprir, imaginei. Os passageiros, sem condições de se proteger, eram um mero acaso naquela rota.

*

Com expressão irritada, o motorista do ônibus estaciona longe da calçada. Se pessoas mais velhas, crianças, alguém com problema nas pernas, ou eu que tenho 1m10cm de altura e pernas curtas, não conseguem ou têm dificuldades para descer e subir do ônibus é apenas um detalhe. Ele tem horário a cumprir e um roteiro para dar conta.  É o que importa.

*

O motorista travava tanto que cheguei ao centro da cidade, vindo de um bairro não muito distante, cansada de tanto tentar me segurar, ou melhor, me equilibrar. Quando é que os responsáveis pelo transporte público vão entender que anões, assim como pessoas com outras deficiências físicas, velhos, crianças, entre tantos outros cidadãos, têm muitas dificuldades em situações assim? Só com essa compreensão vão conseguir orientar as equipes que cotidianamente enfrentam as ruas tumultuadas e engarrafadas, com horários a cumprir. Olhar para o outro, colocar-se no lugar do outro, é um bom exercício para governos e administradores.

*

O jovem tinha tanta pressa que entrou correndo no ônibus, foi passando rapidamente e jogou a mochila que carregava nas costas no rosto de uma pessoa bem mais baixa do que ele. Olhar para o entorno para quê? Tinha muita pressa. Em seguida, o engarrafamento parou tudo.

*

Chego ao balcão de quase um metro e meio de altura com os meus 1m10cm. Do outro lado, a atendente, que quase não me vê, como eu quase não a vejo, não se dá ao trabalho de se levantar da cadeira para me olhar, falar comigo, dar um bom dia, boa tarde, qualquer atitude razoavelmente acolhedora. Ou eu me estico o que der, ficando na ponta dos pés, para que ela possa me ouvir, ou nada feito. Ainda bem que sou elástica e estou de bem com a vida.

*

Já no supermercado, a máquina para inserir o cartão e efetuar o pagamento era lá em cima. Impossível alcançar. Qual a solução? Um engradado, um caixote de plástico, enfim. E pensar que supermercados vendem escadas. Refletir, olhar, colocar-se no lugar do outro, não é o forte de quem trabalha burocraticamente. Cumpre ordens. E ordens são ordens!

*

Almoço em Gramado. Sozinha. Ao solicitar uma cadeira mais alta, ouvi do garçom: “Não temos.” Nem perguntou o motivo da solicitação. Apenas me olhou com ar estupefato. É assim, mesmo nos lugares mais preparados para o turismo. É assim, mesmo com os vastos e fartos discursos pela inclusão. É assim. E pronto. E ponto.

Ainda no almoço em Gramado. O mesmo garçom coloca os apetrechos bem na ponta da mesa (temperos, guardanapos, copo, bebida), distantes dos meus braços curtos. Trabalho mecânico. Sensibilidade zero. Distraído, não observa, não olha, não vê. Está distante da convivência com o cliente, que dirá do cliente com uma diferença, mesmo que marcante. E o lugar, charmoso, quase vazio. Uma pena. Nem o turismo se dá conta.

A vida que surge a todo instante – Trabalho e diferença

Trabalho, por Tamar Matsafi

Quando falo de diversidade, inclusão, diferença, falo de um universo humano muito vasto e muito rico que vou desvendando aos poucos. E que contou com a colaboração da Marlene e dos estudos que fazia sobre discurso e linguagem e, mais recentemente, sobre a interlocução entre linguagem, psicanálise e ergologia. Por conta disso, no Dia do Trabalho retomei alguns artigos da Marlene e do filósofo francês Yves Schwartz, um pensador da subjetividade no trabalho, que refletem sobre a complexidade embutida no fazer cotidiano, o que está muito próximo do que proponho neste blog. Minha escrita de hoje é inspirada nessas leituras.

Não há na atividade de trabalho uma simples execução de algo, por mais mecânico que seja. Há a convocação de um indivíduo único, com capacidades bem mais amplas, ou não, do que as enumeradas ou exigidas pela tarefa que executa. Há singularidade. E a cada tarefa, cria-se uma nova situação que nenhuma racionalidade anterior é capaz de dar conta. Na perspectiva ergológica de Schwartz, por exemplo, o homem na atividade de trabalho coloca em marcha um saber pessoal que vem da sua história, da soma da experiência familiar, social, cultural e profissional. Há sempre um dado subjetivo indissociável a ser considerado.

Logo, é impossível pensar o exercício profissional sem levar em conta o trabalhador e sua subjetividade, suas escolhas, suas ideias, seus conhecimentos práticos, seus valores, seus dramas interiores. Mesmo que normas gerais regulem o agir social e sejam essenciais à sobrevivência humana, elas não dissipam a maneira com que cada um dá conta do seu saber. Sempre teremos pontos de fuga, oriundos de um conhecimento não explícito. Até porque ser determinado unicamente pelas normas, pelas imposições do meio exterior, não é viver. Ao contrário, é algo patológico, nocivo à saúde.

Há sempre um saber-fazer (norma) e um saber-agir (renormalização) que interagem e se somam na atividade de trabalho. Há que se olhar para o sujeito, então, sob o pressuposto de que aspectos subjetivos são aí inevitavelmente mobilizados. Embora as ações humanas sejam pautadas pela regularidade, o sujeito, ao agir, mobiliza escolhas particulares, promovendo uma negociação entre o que está instituído e o que é da ordem do inesperado. A vida é sempre tentativa de criar, de ser. As normas são conquistas da sociedade, mas se olhadas como “um fim em si”, apresentam o risco de desconsiderar “a vida que surge a todo instante”.

Segundo Yves Schwartz, “a saúde começa com a tentativa de redesenhar parcialmente o meio em se vive”. Ao perceber o trabalho a partir de uma perspectiva humana, evita-se a coisificação das pessoas porque são elas com o seu talento, a sua vivência e a sua sabedoria que fazem a diferença. O fazer só, repetida e mecanicamente, não é a definição do que dá certo.

 

Não é para qualquer um – Orçamento, diplomacia, moral e anões

Chegando lá, por Tamar Matsafi
Chegando lá, por Tamar Matsafi

O que uma coisa tem a ver com a outra? Explico.

“Ser anão não é para qualquer um”. Assim o jornalista Luiz Antônio Araujo termina um artigo publicado no jornal Zero Hora no dia 28 de julho de 2014. Um belo texto em que ele lembra do primeiro anão que conheceu e escreve sobre notoriedade, preconceito, maus tratos e extermínio. Ao ler, pensei na condição de tantas pessoas mundo afora que suportam algum tipo de discriminação pela condição física, mental, intelectual, social, de comportamento, gênero, raça ou cor. Não é para qualquer um, mesmo.

Falando especificamente dos anões, somos muito poucos, segundo velhas estatísticas, mas o impacto que provocamos é grande e, às vezes, assustador. Para o bem e para o mal. Dos mitos que correm por aí, passando pelo grotesco, pelo universo das histórias infantis, pela chacota vulgar, pelo espanto e pela hipervalorização, vivemos entre opostos. E é neste universo contraditório, pouco acolhedor, que cavamos um lugar social, nem sempre cômodo, sem passaporte para uma vida natural.

Temos dificuldades. Muitas. E repito: a sociedade não está preparada para a singularidade, mesmo com as políticas de inclusão e acessibilidade. Necessárias, é claro, mas de pouco efeito se não entendidas e aplicadas com sensibilidade. A educação para a diferença precisa vir bem antes. O preconceito está entranhado na pele, no olhar, na atitude, nas situações sociais. Está no inconsciente coletivo. É inerente aos humanos.

Em relação aos anões é tão desolador que a palavra virou sinônimo do que é considerado indigno, torpe, pouco e é usada de forma pejorativa, indigesta. É o caso de expressões como “salário com perna de anão” (referência ao salário considerado baixo), “anão moral” (usada por Ciro Gomes ao se referir a Michel Temer, ‘traidor e parceiro íntimo de tudo que não presta, à frente deste capítulo do golpe de estado em marcha no Brasil’, e seu sócio Eduardo Cunha), “anão diplomático” (porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, ao reagir às críticas do Itamaraty que condenou o uso desproporcional da força militar por Israel na faixa de Gaza, em julho de 2014). E, ainda, “anões do orçamento” (nome dado a um grupo de deputados no final dos anos 1980, início dos 90, envolvidos em fraudes com recursos do Orçamento da União, investigados por uma CPI, parlamentares sem repercussão nacional, ou seja, ‘anões do poder’).

Por conta disso, andando pelas ruas, já ouvi e ouço muita piada infame. E não sou apegada ao politicamente correto.  De modo geral, encaro essas situações com bom humor. Acontece que tais expressões, ao apontar o que há de pior no cenário político deteriorado do país, acabam ratificando o preconceito. São sentenças que reverberam no ir e vir cotidiano e na autoestima, por mais preparados que estejamos para encarar a afronta e a rejeição. Somam-se aos olhares curiosos, aos dedos apontando, à invasão de privacidade, às perguntas indiscretas e perversas, ao riso, ao toque desrespeitoso, aos que nos ignoram nas filas e nos balcões.

Mas, como tudo na vida tem o seu contrário, é impossível ignorar o ganho secundário através da admiração excessiva, do elogio fácil, do aplauso à inteligência e à coragem, muito frequentes, espécies de salvaguardas que podem ser perigosas, criar falsas ilusões e mascarar uma condição que precisa ser enfrentada sem adereços, a olho nu.

Desde que o mundo é mundo, a diferença existe. Não somos iguais. Mesmo que a regra seja impor uma perfeição estabelecida pela ambição do homem, no sentido de eliminar tudo o que aponte para a possibilidade do imperfeito, ou seja, para a sua fragilidade, é na diversidade que está a nossa grande riqueza.

O poder, aliado à necessidade da perfeição, sempre alimentou uma elite cruel, em busca de uma impossível “raça pura”. O desejo predominante é acabar com os “chamados disformes, vidas indignas de serem vividas”, que Araújo refere no artigo ao falar do nazismo. Assim se escravizou, exterminou, torturou, subjugou toda e qualquer pessoa, grupo ou raça que não contribuísse com o “aprimoramento da espécie humana”.

Ainda vivemos sob esse eco. É assim que se discrimina. E é contra essa subjugação que lutamos.

Mais ou menos assim

Foto: Criança na janela, por Tamar Matsafi

A solidão do excluído, por Tamar Matsafi
A solidão do excluído, por Tamar Matsafi

Historicamente, a sociedade sempre reservou um lugar para aqueles que fogem dos padrões sobre os quais está estruturada. Nesse lugar estão hipoteticamente protegidos, não desafiam a ordem e não desacomodam conceitos e pré-conceitos.

Ninguém se espanta, por exemplo, ao ver o negro como porteiro, operário ou empregada doméstica. O homossexual como cabeleireiro, costureiro, fazendo o gênero pitoresco, de humor fino/ferino também não surpreende. Bem como o anão, visto como figura grotesca ou mágica, alvo de chacota, divertindo as pessoas, parece tão normal! Tudo certo com a mulher comandando um fogão, mas daí a dirigir os destinos do país…

Da mesma forma, ninguém se admira com o apagamento da pessoa com alguma outra diferença,física, intelectual ou mental. É o caso de crianças com síndrome de Down e autismo que têm matrícula negada   em   escolas   regulares.   Muitos   jovens   que   procuram   emprego   são   barrados   na   primeira entrevista porque sua diferença vira obstáculo, mesmo que não seja.

É o que cabe aos diferentes nesse latifúndio da dita normalidade. E isso não pode ser comum!

Ao ignorar, excluir ou rotular as diferenças toma-se o caminho mais fácil e mais curto para a anulação do humano, da cidadania, do caráter criativo e inusitado dos indivíduos que estão no encontro de suas múltiplas   possibilidades   e   capacidades.   E   é   nesse   não   querer   ver   que   reside   o   perigo   para   o acirramento da intolerância em todos os níveis.

Não reagir e assim responder a um discurso já dado não desafia nenhuma norma, logo não inquieta ninguém e não muda nada.

O espanto necessário surge no momento em que as margens desse latifúndio são extrapoladas.

É quando a diferença fala mais alto e a sociedade obriga-se a lidar com o que não sabe, não quer saber e não quer ver. Já não está mais diante do estereótipo, mas da pessoa real, de carne e osso, com sentimentos, contradições e a sua diferença. A desordem aparece, desarticulando a frágil perfeição da ordem social. Então começa a mudança.

Cabe,  portanto,   a  nós,   com  a   nossa  diferença,   seguir  subvertendo   a  ordem.   Recusar  os   lugares determinados. Não se acomodar no papel de coitados, vítimas ou heróis em busca da superação. Só assim construiremos relações mais humanas, agregadoras, libertárias, fundamentais para a eliminação do   preconceito.   É   vital  fazer   com   que   a   sociedade   entenda   as   múltiplas   possibilidades   que   as diferenças trazem, fora dos discursos instituídos, ultrapassados e redutores.

Não somos nem coitados, nem vítimas, nem heróis. Estamos na vida como qualquer pessoa, com os nossos limites, os nossos sonhos e as nossas aptidões. A frase de uma canção de Caetano Veloso,“Dom de Iludir”, define bem esse sentimento: “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Porque, então, não falar abertamente do que somos, com nossos medos, preconceitos, vontade de mudar e viver livres, leves e soltos?