A cidade e seu corpo – Por mais acessibilidade e inclusão

Em tempo de eleições municipais, abrimos aqui uma conversa sobre Porto Alegre, suas condições atuais, suas possibilidades e o futuro que ousamos sonhar. O que nos move é o desejo de viver em uma cidade mais inclusiva, leve, acessível, saudável, generosa e bonita.

Queremos participar desse momento com algumas ideias sobre o espaço urbano, contribuindo de alguma maneira para que os possíveis candidatos a prefeito e vereador façam a diferença necessária ao assumir essa grande responsabilidade que é administrar um município e dar voz aos cidadãos que nele habitam.

A inspiração para iniciar essa conversa vem do poema “O Mapa”, de Mario Quintana, o escritor das nossas ruas e esquinas.

Mapa de Porto AlegreokOlhe o mapa da cidade como se examinasse a anatomia de um corpo.
Do seu corpo.
Dos corpos de milhares de indivíduos que cruzam as ruas cotidianamente.
Trabalhadores. Estudantes. Aposentados. Desempregados. Jovens. Crianças.
Lindos, elegantes, saudáveis, alegres, confiantes.
Curvados, dilacerados, abandonados, desesperados, desencantados.
De todos os tipos. De todas as raças. De todas as cores. De todas as crenças.
De toda a forma e qualidade.
Anônimos? Não! Seres humanos.

Examine esse mapa com atenção, desprendimento, carinho, generosidade.
Que anatomia é essa? Que tecido a envolve?
Que sonhos, esperanças, pesadelos e doenças estão impregnados na pele desse corpo urbano?
Procure entender como tratar esse corpo que pulsa incessante por uma vida digna.

“Há tanta esquina esquisita”, diz o poeta.
“Tanta nuança de paredes”.
Tantas buscas, desejos, dores, alegrias, desistências, conquistas.
Há tanta miséria, tanta violência, tanta opulência, tanto desperdício na cidade de longos e muitos já cansados andares.
Há beleza, justiça, bondade, vontade de acertar.
Mas há tanta injustiça, tanta precariedade, tanto abuso de poder, tanto descaso.
São muitas as vozes sufocadas na cidade onde construímos nossas vidas.
A cidade que escolhemos? Ou a cidade que nos restou?
São muitas e vitais as questões nessa concretude urbana.

“A cidade é para quem vive NELA ou para quem vive DELA?”
Essa é uma pergunta do ator e diretor Amir Haddad, do grupo teatral Tá na Rua, pergunta que precisa ser ouvida e pensada na dimensão da sua importância.

O corpo dessa cidade precisa de quê? E os corpos que por ela andam?

Que essa seja uma conversa permanente, intensa e de trocas úteis para a anatomia do nosso corpo urbano!

Para além do preconceito que limita o olhar

Um turbilhão de ideias e desejos me move, muitas vezes impulsionado por um incontrolável sentimento de urgência. A cada dia é um projeto e um tropeço, uma certeza e uma contradição, um redemoinho e um controle, um fascínio e um desvario, uma fantasia e uma desilusão, um sonho e uma desesperança. No pano de fundo, a consciência da diferença e dos deslocamentos que a diferença provoca, no sentido de evitar a acomodação diante dos discursos prontos e engendrados socialmente.

Discursos sustentados pela necessidade de controle e perfeição, que reservam determinados lugares e papéis aos que não se enquadram aos modelos e à ordem estabelecida. Lugares e papéis que sempre rejeitei.

Vou me deslocando daqui e dali. Desafino. Harmonizo. Descompasso. Equilibro. E sigo, encarando a violência, o medo e a insegurança provocados pela intolerância que invade nossas vidas. São tantos os movimentos que, por momentos, me vejo em lugar nenhum. Que lugar é esse que busco? Qual o lugar das pessoas que não se conformam à vida como ela se apresenta porque têm uma diferença ou fazem escolhas que fogem da ordem? Já não busco o perdido. Ele faz parte da falta que é inerente aos humanos. O que busco é o lugar do diálogo, da tolerância, do olho no olho, da transparência, onde seja possível simplesmente ser.

Desde a minha primeira escrita no blog, em 5 de abril de 2016, tomo contato com muitas pessoas que não se enquadram e buscam espaços de fala através de ações pela diversidade, inclusão, acessibilidade, direito de ser. Estou descobrindo muita gente que mostra, com naturalidade, que é possível viver a diferença, respeitando o outro, criando, sem negar a deficiência e as dificuldades cotidianas.

Bem vindos à necessária e urgente boa luta, nos grupos, na web, no teatro, nas famílias, entre amigos, em todos os meios. É estimulante essa rede que faz a vida pulsar para além da mediocridade e do preconceito que limitam o olhar e transformam o horizonte em pontos sem luz.

Algumas pitadas sobre o Grupo Inclusivass, a websérie “Fale com Veca” e o espetáculo teatral “Paradinha Cerebral”.

Inclusivass – porque todas são todas

todas são todas menor lat face
O Grupo Inclusivass, de Porto Alegre/RS, é formado por mulheres com deficiência e desde 2014 faz um trabalho incessante contra a violência, pela ampliação da consciência e do conhecimento dos direitos, pela inserção no mercado de trabalho, por políticas públicas que promovam a acessibilidade, buscando reduzir as barreiras para uma efetiva inclusão. Com o apoio da ONG Coletivo Feminino Plural, participa e apoia movimentos pela autonomia das mulheres, realiza oficinas, debates e palestras. Todas estão sempre atentas ao que acontece nesse inquietante universo feminino de lutas cotidianas. No blog www.inclusivass.blogspot.com.br, acesse o projeto TODAS SÃO TODAS, de inclusão das mulheres com deficiência nas políticas de enfrentamento à violência doméstica e demais políticas, que tem apoio do Fundo Fale Sem Medo (Instituto Avon e Fundo ELAS).
Agora em agosto, quando se completam 10 anos da Lei Maria da Penha, as Inclusivass participam da campanha do Fundo Fale sem Medo: “Eu falo sem medo, e você?”. As mulheres com deficiência fazem um vídeo de, no máximo, um minuto, respondendo à pergunta: “O que é violência para mulheres com deficiência?” Depois, publicam nas suas páginas no Facebook e na página do Grupo Inclusivass junto com a hashtag #inclusivassfalamsemmedo.

Fale com Veca – websérie no Youtube

Verônica Ned, imagem da websérie "Fale com Veca"
Verônica Ned, imagem da websérie “Fale com Veca”

A atriz, cantora e publicitária Verônica Ned criou um canal no Youtube para falar de nanismo e outros assuntos que envolvem ser diferente em uma sociedade que se acha “normal”. A websérie “Fale com Veca” já está no ar, tem financiamento coletivo e foi produzida em parceria com a plataforma Benfeitoria. O objetivo do projeto, inspirado no filme “Fale com Ela”, de Pedro Almodóvar, é quebrar alguns tabus referentes ao nanismo, com bom humor e verdade.

Em 15 episódios, Verônica fala sem medo dos traumas da família, do preconceito, das dificuldades, enfrentamentos e sonhos, como o de fazer um filme com o cineasta espanhol. Filha caçula do cantor Nelson Ned (1947-2014), a atriz é anã como ele e os outros dois irmãos e já recusou papéis que faziam chacota de sua altura. Os episódios vão ao ar sempre às quartas-feiras, a partir das 11h. E na animação dos episódios tem um cara que conheço, o querido Nicolás Monasterio. Vale muito conferir o que Veca diz com transparência e leveza –https://www.facebook.com/falecomveca/.

Paradinha Cerebral – espetáculo teatral

Cacá Fernandez, ator do espetáculo "Paradinha Cerebral"
Cacá Fernandez, ator do espetáculo “Paradinha Cerebral”

O protagonista da peça é o ator e cantor Cacá Fernandez, que tem paralisia cerebral e aborda com naturalidade seus enfrentamentos cotidianos. A proposta é mostrar a espontaneidade e inteligência de alguém que transforma a sua dificuldade em um mero detalhe ao dar uma entrevista no “Show da Madá”. Tudo começa quando os produtores do programa resolvem levar um convidado diferente para impulsionar a audiência: um jovem jornalista, cantor lírico, com paralisia cerebral, em cadeira de rodas. Com um humor peculiar e livre de neuroses, ele dá lições ácidas e divertidas à apresentadora, que se vê obrigada a encarar o sonho frustrado de ser cantora.

Em cena, os atores falam abertamente de preconceito, trabalho, sexo, inclusão e relacionamento. Para a produtora Lara Pozzobon, que tem uma bela trajetória nessas questões, “é importante para que as pessoas da plateia percam o preconceito”. Segundo ela, “Paradinha Cerebral” é um espetáculo em que a arte transcende a condição de cada indivíduo. No elenco, Cacá Fernandez (ator e cantor) e Mirna Rubim (atriz e cantora). Texto e direção de Iuri Saraiva. A videografia que permeia a peça é realizada por Daniel Gonçalves, jornalista, diretor de documentários, editor de programas de TV, que, como Cacá, tem paralisia cerebral. O espetáculo está em cartaz no Rio de Janeiro até 29 de setembro. Saiba mais no face: https://www.facebook.com/paradinhacerebral/.

A diversidade na família contemporânea

Família, por Tamar Matsafi
Família, por Tamar Matsafi

A Constituição Brasileira de 1988 define família como o resultado da união entre um homem e uma mulher.

Em 2011, o Supremo Tribunal Federal/STF reconheceu a união estável de pessoas do mesmo sexo, com direitos e deveres iguais aos das famílias formadas por homens e mulheres. A partir dessa decisão, casais homossexuais podem casar no cartório. Em 2013, O Conselho Nacional de Justiça/CNJ também deu legalidade ao casamento civil. As medidas provocaram fortes reações de grupos sociais que não aceitam a união de pessoas do mesmo sexo.

Diversidade, por Tamar Matsafi
Diversidade, por Tamar Matsafi

Surgiu, então, o polêmico Estatuto da Família, tentativa de definir o que realmente é uma família no Brasil e quem tem acesso a direitos como pensão, INSS, licença-maternidade. O projeto de lei, aprovado na Comissão de Constituição e Justiça, ainda precisa ser votado na Câmara e no Senado e sancionado pelo presidente, o que pode durar meses ou até anos.

De autoria do deputado evangélico Anderson Ferreira (PP-PE), o texto principal do Estatuto ratifica como família a união entre um homem e uma mulher, e seus filhos, excluindo os demais arranjos familiares, não apenas o homoafetivo. Além de discriminatório e preconceituoso, ignora direitos já conquistados como herança, guarda dos filhos e inclusão da parceria em planos de saúde. Há também o Estatuto das Famílias, quase parado, que atinge mulheres e seus filhos, homens e seus filhos, avós e seus netos e pessoas do mesmo sexo que adotam filhos abandonados por heterossexuais. Quem pensa que só os gays são prejudicados com esses projetos de lei está desinformado. Milhões de famílias serão prejudicadas e podem perder benefícios se os estatutos forem aprovados.

Vamos por partes.
A orientação sexual e amorosa das pessoas é uma questão pessoal, portanto não pode ser considerada ilegal. O casamento entre duas pessoas é um contrato civil e/ou religioso. O civil é o contrato legal e o religioso é baseado na fé e nos costumes da religião escolhida pelo casal. O Brasil é um país laico. E as leis devem tratar todo mundo da mesma maneira. Logo, não há motivo para impedir o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a formação libertária das famílias contemporâneas, inclusivas e sem preconceitos, como define o site Todas as Famílias (link http://todasasfamilias.com.br/): “Núcleo social de pessoas unidas por laços afetivos, que geralmente compartilham o mesmo espaço e mantêm entre si uma relação solidária”.

Não é mais possível negar a alteridade, a diferença, o estranho, a diversidade.
Dito isto, divido com os leitores deste blog o artigo de um amigo sobre o silêncio, a homossexualidade na velhice e o novo Estatuto da Família.

Família, por Tamar Matsafi
Família, por Tamar Matsafi

 

O Novo Estatuto da Família não passará!
Marco Aurélio Alves*

Em outubro de 2015, uma repórter de ZH pediu que eu intercedesse junto a integrantes da comunidade LGBT, frequentadores do Projeto Papo Reto, da ONG onde atuo, para que falassem sobre o lado positivo da vida gay após os 60 anos. Ninguém quis! A jornalista surpreendeu-se e fiquei refletindo sobre a razão do silêncio.
Viver a homossexualidade aos 60, 70 anos é difícil! Pessoas dessa faixa descobriram o sexo em uma época de repressão aguda. Carregam traumas intransponíveis e o medo da exposição, do deboche, da chacota, da piada perversa, dos dedos apontando.
Não sei se estão erradas na sua mudez, pois diariamente vejo ou sofro algum tipo de discriminação. Para alguns, o enfrentamento é a razão da vida. O grito vem com raiva, contra a impotência ou o abandono. Para outros, silenciar é a solução. Escondem-se em guetos, no humor cáustico, na quietude das casas bem decoradas, na própria solidão. Há os que buscam pequenos círculos de amigos para compartilhar sensibilidade e conhecimento. Reservados, não falam no assunto, seja no trabalho, na família ou nas redes sociais.
Tudo fica ainda mais difícil com a invisibilidade da velhice, quando são chamados de “museu, bengala, canteiro de rugas, bixa velha”. Como tempero para esse caldo já tão amargo, a hipocrisia do politicamente correto faz pensar que tudo vai bem, enquanto uma cortina de fumaça conservadora e cruel transforma o assunto em folclore ou business. Afinal, quem não tem um amigo gay para chamar de seu? Em qualquer idade é doloroso falar de humilhação, amores sem nome, tapa na cara para aprender a ser macho, paixões platônicas, roubo de quem prometia um prazeroso programa.
Mas, sim, avançamos! Esses atrevidos, bem humorados e maquiados, já abriram muitos caminhos e, de botina ou salto alto, afirmam: Não peço que me aceitem, mas exijo que me respeitem! Felizes os que vivem sua afetividade e sexualidade livres da aprovação de quem quer que seja e defendem o direito à palavra, ao amor, à vida plena. O vingativo estatuto da família conservadora, que quer retroceder 50 anos, não passará. Estamos juntos, não importa com que letra do LGBT cada um se identifique.

*Gestor do Instituto Brasileiro da Pessoa

Rompendo barreiras para uma sociedade solidária e inclusiva

É bom lembrar que alguns espaços culturais já promovem a inclusão. O Museu de Porto Alegre é um exemplo, bem como as sessões de cinema com audiodescrição. Agora, o portal de Acessibilidade da Faders/Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grande do Sul propõe uma consulta pública para avaliar o projeto da Lei Gaúcha de Acessibilidade e Inclusão. Quem quiser conferir pode acessar o link http://www.portaldeacessibilidade.rs.gov.br/servicos/36/3334.

É bom lembrar também que não basta só cumprir uma lei. É necessário saber o que propõe e por que foi criada. No bairro Moinhos de Vento, na calçada da rua Doutor Timóteo, entre a 24 de Outubro e a Tobias da Silva, está sendo feito um piso tátil que dá em um poste ou algo parecido. Imagino que quem teve a ideia, muito bem vinda, não sabia que piso tátil e uma indicação de “caminho livre”. Ou sabia e não se importou?

Por conta disso, reli o artigo “Acessibilidade e Cultura – Por que sim? Por que não?”, de Flavia Boni Licht, arquiteta que está sempre em busca de respostas para questões que envolvem inclusão. No artigo, que sintetizo aqui, ela fala de leis, cidades, patrimônio cultural, mudança de paradigmas. Já no início cita João Filgueiras Lima, também arquiteto, reconhecido pelos projetos desenvolvidos para a Rede Sarah de hospitais: “Certas coisas não estão escritas no manual, fazem parte da consciência crítica de cada um”.

Leis são leis!                                                                                                                           A Constituição Brasileira de 1988 (artigo 5º/Capítulo 1) refere-se aos direitos e deveres individuais e coletivos dizendo: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. Vigente no Brasil desde 2000, a lei federal 10.098, regulamentada em 2004, estabelece normas e critérios básicos para a promoção da acessibilidade mediante a supressão de barreiras e de obstáculos nas vias e espaços públicos, no mobiliário urbano, na construção e reforma de edifícios, nos meios de transporte e de comunicação.

Desde 1948, depois de promulgada pela ONU, a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi assumida no Brasil.

A Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pela ONU em 2007 e promulgada no Brasil em 2009, fala em respeito pela dignidade e autonomia das pessoas, a não discriminação, a igualdade de oportunidades. Reconhece o direito à efetiva participação e inclusão na sociedade e o respeito pela diferença.

Ainda na década de 1990, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul e a Câmara Municipal de Porto Alegre aprovaram leis que determinam o acesso e a circulação livre, segura e independente, para todas as pessoas nos espaços públicos.

Se levarmos em conta essas e tantas outras leis – estudadas, debatidas e aprovadas – a acessibilidade e os direitos essenciais dos indivíduos estariam dados de forma singela e definitiva. Deveriam ser naturais, mas não é bem assim! Nas questões de direitos humanos “não somos tão virtuosos como gostamos de nos acreditar ser”.

Chego lá, por Tamar Matsafi

Acessibilidade e espaços urbanos – um debate fértil                                               Assim Flávia iniciou em 2011 uma pesquisa para identificar as barreiras existentes nos espaços da cidade para pessoas com deficiência e visitou instituições públicas municipais e instituições com atividades públicas em edificações tombadas pelo município. Para ela, o acesso pleno à cultura, incluindo a participação na dinâmica da criação, seja como artista ou espectador, está entre os direitos humanos fundamentais. A iniciativa abriu um espaço fértil e favorável ao debate.

Avançando um pouco além do mais evidente e entrando em terreno menos concreto e mais espinhoso, é fato que temos dificuldade em reconhecer no diferente alguém com direitos iguais aos demais. Construímos, segundo Flávia, com requintes e detalhes, uma cultura excludente e nos esforçamos em mantê-la, da democracia ateniense, que sacrificava crianças nascidas com deficiência, até hoje.

Por que ignorar o diferente e suas necessidades? O sociólogo polonês Zygmunt Bauman afirma no livro “Confiança e Medo na Cidade” que “as diferenças nos incomodam e nos impedem de interagir, de atuar amistosamente e que, se quisermos compreender nossas diferenças, precisamos formular novas questões”.

O Conselho Internacional de Museus/ICOM expressa, no seu Código de Ética, que as instituições culturais têm o compromisso de abrir espaços, acervos, coleções e atividades a todos os públicos, agindo como interface da multiplicidade de percepções, gerando acesso para diversificadas sensibilidades e variados entendimentos, visando satisfazer uma das necessidades básicas do ser humano: o conhecimento do mundo.

É necessário, portanto, a construção de estratégias e metodologias, a utilização de equipamentos e produtos, o desenvolvimento de programas e projetos que possibilitem o acesso, a contemplação e a captação dos conteúdos expressos pela cultura de forma não discriminatória.

Por onde ir, por Tamar Matsafi
Por onde ir, por Tamar Matsafi

Perguntas infindáveis
Como os profissionais devem atender demandas diferenciadas, incorporando a acessibilidade às práticas cotidianas? Como um museu deve receber o público, contribuindo com o desenvolvimento das potencialidades funcionais, neutralizando e superando diferenças sensoriais, físicas e/ou cognitivas? Por que podemos tocar numa escultura colocada em praça pública? E por que isso é vedado nas obras expostas em museus? Quando e por que o toque deixou de ser incentivado e foi proibido? Por que delegamos majoritariamente ao olho toda a possibilidade de captar sensações? Por que, pelo papel hegemônico dado à visão, reprimimos o toque e, em menor escala, os demais sentidos?

Tendo como objetivo a inclusão de todos na construção e na vivência da cultura, não seria o caso de apostar na multissensorialidade ou – de forma mais poética, como fala o filósofo francês Gaston Bachelard – na polifonia dos sentidos? Afinal, como lembrou o arquiteto finlandês Juhani Pallasmaa, o olho é o órgão da distância e da separação, enquanto o tato é o sentido da proximidade, intimidade e afeição. O olho analisa, controla e investiga, ao passo que o toque aproxima e acaricia.

É interessante repensar o que define a qualidade cultural de um bem e qual o limite da obra original, diz Flávia. Considerando a longevidade do monumento, qual o momento histórico a ser preservado? Quem tem o poder de tomar essa decisão? Se nossos bens não deixam de ser patrimônio quando se deterioram e se restauram, por que deixariam de ser quando tornados acessíveis a todos? O que e quem define a autenticidade de um bem?

Nos museus, os objetos exigem condições específicas e adequadas de catalogação, acondicionamento, manuseio, conservação, umidade, temperatura, luminosidade, limpeza e restauro. E as pessoas? São os seres humanos ou os objetos que têm necessidades? Colecionar, preservar e expor são um fim em si ou uma forma do museu desempenhar seu papel social, facilitando e estimulando a todos – independente de idade e de condição física – o acesso à cultura?

Em 1964, a Carta de Veneza dizia que a preservação será sempre favorecida por sua função útil à sociedade (desde que as alterações necessárias não desvirtuem o autêntico de cada bem). Em 1976, a Unesco, na 19ª Sessão, em Nairóbi, sobre a Salvaguarda dos Conjuntos Históricos e sua Função na Vida Contemporânea, estabelece, entre os princípios da Carta, a necessária e harmoniosa integração dos monumentos na vida coletiva da nossa época.

Em 1990, o arquiteto Antonio Cravotto, representando a Comissão do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Uruguai no 2º Seminário Ibero-americano de Promotores e Formadores em Acessibilidade ao Meio Físico, declarou: “Em termos práticos, os bens patrimoniais só podem ser salvaguardados se usados apropriadamente no presente. Para tanto, esses bens serão necessariamente afetados por modificações espaciais e estruturais; incorporação de elementos, dispositivos, sistemas e redes técnicas; inclusão de equipamentos e de sinalização. Essas intervenções não possuem justificativa nem melhor nem diferente das originadas pela eliminação das barreiras para pessoas com deficiência”.

Mudando paradigmas
Ou os bens patrimoniais se adaptam às exigências contemporâneas, ou vão perder o significado, pela impossibilidade do uso. A afirmação pode ferir muitos ouvidos, mas por si só, a transformação de uma residência num museu já pressupõe inúmeras adequações, permitidas, aceitas e festejadas. Porém, muitas vezes, as adaptações dos espaços para atender aos requisitos da acessibilidade são feitas para se livrar do problema. Aí, dificilmente se tem boas soluções.

Nas praças públicas dos centros históricos observa-se a mesma situação. Aceitamos eliminar ou substituir árvores e arbustos, inserir novos quiosques, bancos e lixeiras, mudar o desenho dos canteiros, trocar antigas placas de sinalização. Mas, pelo viés da acessibilidade, quando muito, se aceita o rebaixamento do meio fio. Nem pensar em macular as calçadas de pedra portuguesa com piso tátil para que pessoas cegas ou com baixa visão aproveitem o espaço com autonomia. Ou em estudar alternativas melhores para pisos pouco confortáveis aos usuários de cadeiras de rodas.

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/Iphan, em 2003, também tratou do tema. As soluções adotadas para a eliminação, redução ou superação de barreiras na promoção da acessibilidade devem compatibilizar-se com a sua preservação e, em cada caso, assegurar condições de acesso, de trânsito, de orientação e de comunicação, facilitando a utilização desses bens e a compreensão de seus acervos para todo o público.

Será possível respeitar o passado de uma edificação, desrespeitando os direitos das pessoas? Selecionar, com nossa visão de restauro, quem pode ou não desfrutar de um patrimônio de todos é correto? Será que não deveríamos pensar primeiro nas necessidades dos seres humanos e depois nas dos edifícios? Para Flávia é preciso desconstruir conhecimentos e práticas para pesquisar e descobrir novas e boas soluções. O trabalho não é fácil nem rápido, mas, sem dúvida, o momento é de questionar e buscar a transformação para, efetivamente, caminhar na direção de uma sociedade inclusiva.

Será que não seremos todos iguais na diversidade, se a infraestrutura for adequada, se a tolerância desafiar os padrões, se o respeito romper com os programas e projetos tradicionais, se a solidariedade voltar a ser considerada como um valor por todos nós? Talvez seja essa uma utopia, mas, voltando às palavras do professor Cravotto, não será a utopia, corretamente entendida, a determinar a acertada direção de um avanço social?

Atravessando os fantasmas

O Projeto TODAS SÃO TODAS do Grupo Inclusivas, em parceria com a ONG Coletivo Feminino Plural e com o apoio do Fundo Fale sem Medo, promove nos dias 15 e 16 de julho, no City Hotel, o Curso de Capacitação sobre a Inclusão de Mulheres com Deficiência nas Políticas de Enfrentamento à Violência Doméstica e demais políticas. Em pauta, os direitos das mulheres com deficiência, que deveriam estar assegurados em todas as políticas públicas. Sem políticas públicas voltadas às suas especificidades, as mulheres com deficiência ficam sujeitas à invisibilidade na sociedade e no Estado, o que faz com que sejam excluídas do acesso aos direitos humanos e à cidadania. Informações no blog todassaotodas.blogspot.com.

Ao receber o convite pensei na importância da fala para dar visibilidade às pessoas com alguma deficiência. A palavra pode dizer mais ou dizer menos, mas diz. Produz sentidos que não se acabam e não se detêm. E se a fala não é ‘satisfatória’, a palavra ‘justa’ sempre vai insistir em se dizer. E é para encontrá-la que não podemos nos calar. O silêncio consente.
A ação das Inclusivas inspirou a minha escrita sobre a dificuldade em falar do nanismo que eu e minha irmã Marlene tínhamos, lá bem no início. Será que procurávamos a palavra justa?

Fale. Falemos, sempre!

Por que não falar, por Tamar Matsafi
Por que não falar, por Tamar Matsafi

A negação do nanismo na fala foi significativa no nosso cotidiano. Sabíamos desde a infância. E sabíamos que todos sabiam, mas não foi um assunto conversado na nossa adolescência e juventude. Simplesmente, deixamos de lado. Não falávamos sobre o que sentíamos com os colegas de escola e nem com os amigos. Na família, só o estritamente necessário. Era como se tudo fosse muito natural – e era! – mas havia sofrimento naquele silêncio.

Quando saímos do ninho e começamos a trabalhar, nos enfrentamos com o tamanho da nossa diferença. Sentíamos necessidade de nos posicionar. Havia no ar uma convocação, mas alguma coisa não deixava fluir. Falávamos de tudo, menos do nanismo, assunto urgente. Aquele silêncio cheio de medo, às vezes constrangedor, de uma defesa indefensável, queria esconder algo já explícito. Estava no nosso corpo e nos tantos limites que o pequeno corpo impunha. Mais assumíamos uma vida por nossa conta e risco, mais as dificuldades apareciam. Mais entrávamos no mercado de trabalho, mais provocávamos admiração, espanto, observações, questionamentos. Mais caíamos no mundo, mais a fala se fazia fundamental.

E foi assim, diante do inadiável, que atravessamos o fantasma. A palavra é anã e pode morder, mas a condição estava dada desde o começo. Os espelhos estavam por todos os lados e os olhos viam, mesmo que não quiséssemos. E falar certamente amenizaria o olhar porque a fala organiza, afasta os mistérios, encara as impossibilidades, entende as dificuldades, admite as qualidades, absorve as críticas, medos, angústias e ansiedades para o enfrentamento de um viver pleno, dentro do que é possível.

Ao falar, nos vimos por inteiro, com dor, mas sem piedade. Liberadas, não paramos mais de pensar, dizer, questionar. Inicialmente, muito entre nós. Depois, com os amigos, no trabalho, entre conhecidos. Até encararmos o público, com medo, mas com leveza.

Primeira entrevista
Nos anos 1980, fomos convidadas para participar do Guaíba Feminina, da TV Guaíba da família Caldas Júnior, que ousou criar uma TV com programação local. Seria a exposição total – corpo e voz. Um susto, mas aceitamos.

Além da entrevista ao vivo, no estúdio, a produção fez imagens nossas, em casa, para mostrar como fazíamos para dar conta do dia a dia. E nós preocupadas com o que iriam perguntar. Como responder? O que realmente pensávamos sobre a nossa dificuldade física? Em que sentido nos limitava e inquietava?

O raciocínio foi prático. Nosso cotidiano não era diferente da rotina de pessoas consideradas normais – “Trabalhamos, nos sustentamos, mantemos a casa, lavamos louça, fazemos comida, pegamos ônibus, vamos ao supermercado, teatro, cinema, bares, visitamos amigos, enfim, tudo isso com uma dificuldade: a de nos adaptarmos a um mundo que não foi feito para nós”.

Em casa, procurávamos adaptar o que era possível. Na rua, isso era impraticável. “Ônibus, balcões de bancos, orelhões, lancherias, porteiros eletrônicos, campainhas, botões de luz, elevadores, tudo era alto”. Dependíamos da boa vontade e da solidariedade das pessoas, o que nem sempre era fácil. Não queríamos paternalismo e sim humanidade. Não queríamos ser tratadas como criaturas especiais e sim nos integrarmos.

E seguimos falando do preconceito escamoteado no Brasil da época e ainda hoje. Não apenas com os anões, mas com todas as pessoas que têm uma diferença. No nosso caso, o preconceito, de uma forma ou de outra, se manifestava, conforme comentamos na entrevista. “As pessoas têm dificuldade de abstrair a questão da altura. É muito difícil entender uma cabeça adulta perfeitamente instalada num tamanho de criança de 4, 5, 6 anos”.

“Ou te mimam demais ou ficam tensas, sem saber exatamente que atitude tomar. Ou te tratam formalmente ou te julgam excessivamente inteligente ou te ignoram. Mas o comportamento mais comum é não levar a gente a sério. Enfrentamos muito isso, especialmente quando queríamos abrir crediário em alguma loja, por exemplo. O olhar das atendentes é uma história a parte. Sempre causava espanto o fato de termos uma profissão. São raras as pessoas que te deixam à vontade, têm naturalidade para falar contigo e respeitam as tuas dificuldades. Às vezes, até por te tratar bem demais as pessoas demonstram preconceito”.

Lembramos filmes como O Tambor e O Homem Elefante, emblemáticos na época.

“É impossível passar despercebida. Toda vez que saímos na rua, chamamos atenção e estamos sujeitas a todo tipo de reação. Pela admiração ou pela rejeição, as pessoas acabam te colocando no centro da cena. E a curiosidade, às vezes cruel, pode se traduzir em riso, ironia, piedade, carinho, agressão, deboche. Tradicionalmente o anão é visto como figura engraçada, grotesca e, em alguns casos, maldita. Ouve-se piada de todo tipo, de bom e de péssimo gosto”.

Foi assim que falamos publicamente pela primeira vez!

A entrevista teve muita repercussão, boa e ruim. Um vereador logo saiu pedindo orelhões para anões, até nos procurou para apoiá-lo, e as piadas foram infames. Carlos Nobre, que escrevia no jornal Zero Hora, não perdeu a oportunidade de fazer humor. Disse que ia dar o maior arranca-rabo na Câmara, pois se um vereador queria orelhão, outro certamente iria sugerir que anão tem é que levar um banquinho pra subir e telefonar.

E disse mais: “O anão, quando casa com uma anã, se completa”. Até a Branca de Neve, sensibilizada, enviou um telegrama agradecendo a preocupação do vereador com seus companheiros.

Fomos muito procuradas por conta disso, mas não entramos em nenhuma provocação. Aceitamos alguns convites e recusamos outros tantos.

Hoje, mais experiente e madura, não tenho dúvidas de que a fala nos salvou. Percebo que sempre tentamos levar essa discussão adiante, não isoladamente. A necessidade de vincular nossa batalha à luta das minorias, tornando públicas nossas questões no sentido de buscar coletivamente uma sociedade mais justa, só cresceu. Falar é necessário por muitas razões, especialmente para dialogar, participar e levar adiante o desejo de um mundo sem preconceitos.

Como é difícil ser diferente! Fragmentos

Pelo direito à diferença, por Tamar Matsafi
Pelo direito à diferença, por Tamar Matsafi

* “Quero a diferença, o encanto, o inusitado. A diversidade está em pauta, em todos os sentidos. Me incomoda o discurso de vítima que, às vezes, circula. O mundo culposo e ascético é ruim” – Fernanda Torres, atriz (Fevereiro de 2016).

* Ser diferente é correr perigo – reflexão da cantora Fernanda Takai sobre a diferença. A partir de gravação de videoclipe, em madrugada na capital paulista, cantando uma canção que dizia: “a gente se acostuma com tudo”. Com maquiagem e figurino que remetiam ao personagem Edward Mãos de Tesoura, versão moderna e mais sentimental de Frankenstein, ela estava irreconhecível. A publicação é de 18 de dezembro de 2015.

“Comecei a caminhar lentamente, enquanto as cenas eram captadas. A cada minuto alguém passava de carro ou a pé e gritava alguma coisa como: “olha a loucona!”, “bicha”, “sai, macumba!”, “que ser é esse, meu pai?”, sempre em tom de escárnio ou reprovação. Detalhe: quando percebiam que era uma gravação, trocavam um pouco a postura ofensiva por um “quem é?”, “é da televisão?”. Continuamos a andar, cruzamos a Avenida Paulista e uns fãs passantes me descobriram por trás daquela personagem.

Enquanto ia cantando e descendo a rua em direção à parte mais barra-pesada do lugar, ficava pensando como é difícil ser diferente nesse mundo. Seja pela roupa, o corpo, algum tipo de comportamento menos usual e nem por isso errado. Ser diferente é atrair olhares e pensamentos que a gente sente como espinhos. Mas o pior eu ainda ia sentir de verdade naquela madrugada.

O diretor queria gravar umas cenas num clube noturno que costuma lotar todas as noites. Logo chegamos ao lugar, que fica exatamente na área mais recheada de saunas, casas de espetáculos eróticos e hotéis de alta rotatividade. Ou seja, supus que haveria umas tantas pessoas também diferentes e que ali eu não chamaria atenção. Errado. Os mesmos comentários surgiram como farpas. Eu também não era daquela turma.

Conseguimos autorização pra entrar com a câmera na boate. Já no corredor de acesso, pressentindo a hostilidade, disse que era melhor a gente ir embora que as pessoas estavam me olhando feio demais. Me davam empurrõezinhos e se viravam resmungando qualquer coisa. O som era altíssimo e a iluminação precária. Quando começamos a gravar umas cenas em que eu apenas ficava na pista enquanto todos dançavam. Alguém deliberadamente agarrou meus cabelos e me puxou com força. Estava escuro, lotado, e as pessoas pareciam todas iguais. Digo, vestiam-se do mesmo modo. Não consegui ter certeza de quem foi. Justamente nessa hora a câmera foi desligada para ser ajustada à quantidade de luz e ninguém da pequena equipe que estava lá comigo conseguiu ver o ataque.

Imediatamente pedi pra irmos embora porque agressão física é o tipo de coisa que me faz perder a graça. Ou a gente parte pra cima ou foge. Eu fugi e fiquei com muita vontade de chorar. Nem tanto pela dor, mas pela constatação de que ser diferente é correr perigo. Não ser de uma determinada turma nos torna automaticamente alvos de um bocado de gente bruta e disposta a nos colocar no devido lugar pelas palavras e pelos atos ignorantes. Minha filha tem um livrinho, que é um dos mais vendidos mundo afora, que se chama Tudo bem ser diferente. Não, Nina. Ainda não está tudo bem e pelo jeito nunca vai estar.”

Ações – A luta cotidiana por respeito e reconhecimento

Tamanho é documento, por Tamar Matsafi
Tamanho é documento, por Tamar Matsafi

*Respeite o Nanismo – A seguir, trecho de texto de Carla Abreu, anã. Li no face Respeito o Nanismo, que tem o objetivo de divulgar informações, trocar experiências e ampliar conhecimentos sobre o Nanismo na Região Sul do Brasil (https://www.facebook.com/respeiteonanismo/).

“Por vezes, a sociedade através de muita violência quer dizer a nós que não merecemos aquele lugar, que não merecemos os nossos sonhos, que o sonho que realizamos e os outros tantos que nós queremos realizar não pertencem a nós. Muitas vezes, ela nos violenta dizendo que não podemos ou não temos habilidade de sermos quem quisermos ser, pelo simples fato de, na sua esquizofrenia, não aceitar que a diversidade é algo intrínseco à natureza.”

*Grandes Cidadãos – Os desafios das pessoas com nanismo. Série que mostra com naturalidade o cotidiano dos anões em 4 episódios: Nanismo, Obstáculos, Família e Preconceito. Canal Rede Brasil no youtube.

Tamanho é documento (2), por Tamar Matsafi
Tamanho é documento (2), por Tamar Matsafi

*Queria ser Penélope Cruz em tamanho mini – Verônica Ned, atriz e cantora, filha caçula do cantor Nelson Ned (1947-2014), anã como ele e os outros dois irmãos. Verônica produz, em parceria com a plataforma Benfeitoria, a websérie Fale com Veca, inspirada no filme Fale com Ela, de Pedro Almodóvar. Em 10 capítulos, a série conta histórias sobre os traumas da família, preconceito e sonhos da atriz que quer fazer um filme com o cineasta espanhol. https://www.facebook.com/falecomveca/

“Para a gente tudo é alto, grande, duro, pesado, longo, comprido, distaaaaaante pra caramba”, declarou ela em um vídeo sobre o projeto. “Mas isso não quer dizer que a gente não vai conseguir chegar lá. Porque a gente é menos”. Verônica contou, no lançamento do projeto em 2015, que já recusou papéis que faziam chacota de sua altura.

“Tipo fazer assistente de palco vestida num biquíni de lantejoula. Não é minha pegada.”
Não é só o preconceito que precisa driblar. No dia a dia, até apertar o botão do elevador é um desafio físico a ser superado, afirmou. “Tirar dinheiro no caixa também não é fácil. Para isso, tenho banquinho no carro. E também uso uma almofadinha (para sentar no banco do automóvel) e um patinete, se for distante, umas cinco quadras.”

Ainda é tempo de recuperar a delicadeza perdida

Olhares do cotidiano, por Tamar Matsafi

A condição humana me comove muito. O ir e vir na busca de um lugar de dignidade. O desejo de significar. A vontade de um olhar que acolha a diversidade e dê sentido à perplexidade da vida. A desenfreada luta cotidiana.

Tantas faces. Tantas máscaras. Tantas incertezas. Tantos desafios. Tantas repetições.
Remexendo em guardados, encontrei escritos que falam da minha inquietude. São pequenos relatos sobre o país dos sonhos e o país real. Pincei um de 1990 e um de 2015 para dividir com os leitores do meu blog. Incrível constatar a repetição e a dificuldade de fazer diferente.

Dezembro de 1990. Depois de ver na TV Manchete um programa sobre Chico Buarque, que tinha como cenário o Rio de Janeiro e o Brasil da época, chamado O País da Delicadeza Perdida, escrevi:

No País da Delicadeza Perdida

Ruminando, por Tamar Matsafi

“Me dei conta mais uma vez do país onde vivo. A violência, a miséria, a injustiça social, a impunidade e o abuso de poder parecem estar impregnados na nossa pele e combinar com o nosso desejo. Já não nos espantamos.
Nossos olhos estão habituados com o desespero de alguns olhares e a apatia de milhares de rostos. Nossos ouvidos não estranham o atordoamento de algumas vozes e o silêncio da maioria. Nossa boca acostumou-se a dizer o óbvio, repetir frases feitas ou calar. Nosso corpo absorve o cansaço dos corpos famintos e desesperançados que cruzam as ruas em busca de quase nada. Nossa consciência, às vezes, lateja, mas logo arruma um jeito de amortecer.
Nosso amor não resiste ao menor contratempo. Já não temos quase fôlego. Sonhamos com o amanhã, só que de braços cruzados. Satisfazemos nossos egos com discursos inflamados. Mergulhamos nas causas além de nós, debruçados nas nossas janelas floridas, enquanto disfarçamos a implacável impotência que nos assalta.
Também perdemos uma certa delicadeza. Estamos embrutecidos diante de tanta impossibilidade e nos escondemos. Só conseguimos chegar até a janela, de onde vemos tudo, passiva e dolorosamente.”

Outubro de 2015. Tempos difíceis, escrevi:

Transbordamentos de um país à deriva

Qual a saída, por Tamar Matsafi

“E qualquer desatenção, faça não, pode ser a gota d´água! – diz a emblemática canção de Chico Buarque. Fizeram! E tanto que o pote transbordou. Vozes indignadas sacudiram o berço esplêndido. Era junho de 2013! Acostumados à cordialidade e à alegria do povo heróico, todos se espantaram. A pátria mãe gentil desatinou. Na raiz dos protestos, desejos simples e vitais – respeito, dignidade, participação – de homens e mulheres que queriam ser percebidos para além da moeda de troca vulgar em que transformaram a política e a vida de cada brasileiro.

Descaso, farra financiada por dinheiro público, deboche, impunidade, corrupção. O toma lá dá cá, o vale tudo e o deixa pra lá indiscriminados levaram a população às ruas. Atônitos, governos, políticos, partidos, empresários e instituições foram incapazes de uma resposta. Impávidos, seguiram jogando o sedutor e corrosivo jogo do poder com discursos protocolares de quem não se compromete com a sociedade que representa.

Entramos em 2014! Oposição medíocre, sem alternativas viáveis para os erros que apontava. Governo sem respostas para as críticas que recebia. Copa do Mundo, campanhas e eleições vergonhosas, cheias de dinheiro e promessas vazias. Uma indigesta falta de limites. Comprometimento com projetos para melhorar o país para quê? Uma “boa grana”, lícita ou ilícita, compra votos, adesão, cargos, silêncio.

Veio 2015! No poder, políticos de carreira eleitos com dinheiro ilícito e mantidos por verbas públicas. Partidos sem ideologia, reféns uns dos outros, que só entendem do venha a mim esse reino, de preferência com súditos sem voz. Governos sem autoridade, enredados em alianças oportunistas. Empresários incapazes de liderar um movimento pela ética nos negócios e pela saúde financeira do país. Indivíduos corruptos, desfilando impunes em cargos públicos. Bajuladores de plantão, que tudo veem e tudo ouvem, mas o silêncio é cômodo e tem preço. Burocracia. Violência. Corrupção desenfreada.”

Junho de 2016. E agora?

Desamparo e desencanto

Mesmo diante de tanta desesperança, não estamos inertes. Como em 2013, a vontade de mudar nos move. Se tudo está escancarado, se as máscaras estão caindo uma a uma, a hora é de recomeçar, sem medo, de rosto sereno e com firmeza, outra história, com os pés fincados na transparência e na justiça.

Esse mundo dos diferentes! Por mais atitudes

Por Tamar Matsafi
Por Tamar Matsafi

“Se as pessoas pensassem nas crianças nem precisariam pensar em nós, os anões. Por que os trincos das portas precisam ser tão altos? As maçanetas redondas são uma maldade com os anões e com as crianças: para abrir é preciso ter uma mão grande. Ninguém se dá conta disso?”

 Ao dar voz ao anão Umberto no seu primeiro livro infantil, “A história mais triste do mundo” (Bolacha Maria Editora), o psicanalista e escritor Mário Corso nos mostra, mais uma vez, o quanto uma pessoa com dificuldades específicas depende do olhar e da atitude do outro e o quanto incluir não se resolve apenas com leis.

Se estivesse em um hospital, o anão Umberto perguntaria: Por que usar aparelho de pressão grande em braço tão curto? Detalhe que poucos lembram e que deixa evidente a negação da diferença. O tamanho, o peso, a dosagem da medicação, o conforto, o que fazer com um adulto em um corpo tão pequeno? As perguntas espantam e quase não se tem respostas! Às vezes o vácuo é tão insondável que parecemos estrangeiros buscando um mínimo de dignidade em um mundo que insiste em não nos reconhecer.

Ouse, então, pedir um banco para alcançar na pia do banheiro de um hotel! Não importa quantas estrelas, o espanto é de quem parece ouvir alguém pedindo uma cadeira com design dos irmãos Campana e a resposta, quase sempre é: Não temos! Até aparecerem com uma caixa de maçã ou um engradado de bebidas. Ou, ainda, com uma cadeira de dois braços, que ocupa todo o banheiro. A situação se repete em instituições financeiras, balcões de atendimento e por aí afora.

Insisto em escrever sobre isso e estou sempre buscando respostas para questões que envolvem leis, acessibilidade e inclusão. Ao reler, recentemente, um artigo da arquiteta Flavia Boni Licht chamado “Acessibilidade – um fator de inclusão social”, uma afirmação do também arquiteto João Filgueiras Lima chamou minha atenção: “Certas coisas não estão escritas no manual, fazem parte da consciência crítica de cada um.”

A frase sintetiza o que penso de leis, normas, regras, estatutos e tudo o que é criado para colocar uma certa ordem na vida dos humanos. Leis são necessárias. Regulam, dão garantias. Apontam a preocupação da sociedade. Mas fundamental mesmo é a atitude, a capacidade de se colocar no lugar do outro e mudar a regra, se a situação pede. Empresas e instituições, públicas ou privadas, na maioria das vezes, cumprem ordens, sem a preocupação de entender o cotidiano de quem tem uma deficiência.

Enquanto a burocracia discute como incluir, a vida anda e vamos dando um jeito de encarar com dignidade o cotidiano desse mundo “normal”. Um mundo tão normal e tão acomodado que não vê na diversidade uma maneira de sair dos espaços institucionalizados e inventar, reinventar, criar, mudar, facilitar. A diferença, seja ela qual for, necessita de olhares sensíveis, capazes de ver o invisível, acolher e ousar.

 Por Tamar Matsafi
Por Tamar Matsafi

Acessibilidade e inclusão para quê? Entre desabafos e constatações

Pra onde ir, por Tamar Matsafi
Pra onde ir, por Tamar Matsafi.

Alguém que me lê em algum momento já parou para pensar efetivamente nos banheiros de ônibus e de aviões? Acessibilidade zero para qualquer pessoa que tenha uma necessidade física especial. Eu, com 1m10cm de altura, quase não consigo me movimentar nesses minúsculos banheiros.

Mas não é só o nanismo. E as pessoas altas e acima do peso, como se acomodam nesses cubículos? E as que têm dificuldades de movimento ou de se segurar? E quem está em cadeira de rodas?  E as crianças?

A questão não é simples.

Mais acentos, mais passagens vendidas, mais lucro? É essa a lógica? Dane-se o conforto e a acessibilidade. Afinal todos precisam viajar e, se não há melhores opções, que assim seja. É uma hipótese. A sociedade do “quero sempre mais” é desumana. E poucos pensam em minimizar as dificuldades, que dirá resolver!

O dinheiro dos impostos pagos regularmente pelo cidadão para garantir algum serviço de qualidade vaza pela corrupção miúda e farta que percorre as veias abertas das administrações sem escrúpulos de muitos governos. E sangra muitas vidas, especialmente a vida de milhares de brasileiros que trabalham eticamente e dizem não ao ilícito, ao abuso de poder, ao dinheiro fácil.

Na sociedade do lucro acima de tudo, o outro só é considerado se contribuir para aumentá-lo e para o acúmulo de quem já tem em demasia. É o que temos. Gastos para atender uma demanda específica de quem tem uma dificuldade são vistos como desnecessários. Não dão “ibope” a ninguém. Conquistas? Só com muita luta. Algumas reivindicações voltadas para a acessibilidade esbarram no quesito verba. “Não está previsto”. “Não foi orçado”.  Estanca na burocracia. “Não podemos fazer sem autorização”. Morre no desinteresse generalizado. “O que eu ganho brigando pela sua causa?”

Enquanto isso, a sonegação de impostos corre solta, governos aprovam obras desnecessárias, fecham os olhos para o superfaturamento e o caixa dois, não fiscalizam, trocam benesses por votos, perdoam dívidas de grandes empresários em troca de apoio e fazem o mínimo pelas pessoas, o que custa muito pouco na maioria das vezes.

Enquanto isso, muitos políticos eleitos para cuidar dos interesses da população, que deveriam ser olhados e tratados como trabalhadores do país, acumulam regalias. Além dos salários polpudos, têm uma série de auxílios. Trabalham em causa própria. Criam projetos desnecessários. Transformam mandatos em empregos. Só pensam na próxima eleição para garantir mais quatro anos. Facilitam o trânsito dos corruptos. Enriquecem ilicitamente. E, como se não bastasse, ainda são tratados como seres especiais, fazendo uso do tal “foro privilegiado”.

Assim é o Brasil dos deitados em berço esplêndido que aí está, escancarado, para quem quiser ver.

Que dor é essa, por Tamar Matsafi.
Que dor é essa, por Tamar Matsafi.

Quando se fala de acessibilidade e do que pode ser feito efetivamente, de ordem prática, para incluir as pessoas, se cai no vazio.

Vou dar um exemplo simples, que diz muito dessa realidade.

Sempre que entro em um banco, público ou privado, e procuro um mínimo de acesso, não encontro. A única exceção é a agência do Banco do Estado do Rio Grande do Sul, onde tenho conta, e que já comentei aqui. As pessoas que atendem são gentis, mas burocráticas. Não sabem o que fazer comigo, muito menos propor uma alternativa que me dê autonomia. A pergunta “Vocês têm um banquinho ou uma cadeira onde eu possa subir?” desnorteia. E a resposta, invariavelmente, é “só temos com rodinhas”. Não dá!

Às vezes, a situação é tão vulnerável, e tão humilhante, que a vontade é virar as costas e não voltar. De modo geral, as pessoas com alguma dificuldade física quando pedem ajuda são tratadas de forma infantil, como se fossem ignorantes, senis, tontas, seres de outra galáxia.

A solução? Neste caso específico, revelar as senhas para conseguir pagar uma conta, tirar um extrato, pegar algum dinheiro.

Volto à velha tecla, já batida: de que adiantam discursos e leis se ninguém é preparado para acolher a diferença? Se poucos conseguem ver que é possível andar na direção contrária da padronização e da burocracia? A melhor maneira de combater o espanto, que vem com o preconceito, é a informação, o conhecimento, a vivência. Mas ainda estamos longe disso, lamentavelmente.

Quando falo de padronização, burocracia, preconceito, falo desses pequenos descasos cotidianos, lamentavelmente já incorporados no dia-a-dia de muitos. Falo da intolerância absurda que provoca tanta violência, medo e morte. Falo do silêncio.

O episódio do senhor que tentava pegar uma calça e uma blusa em uma caixa de doações da campanha do agasalho, em um supermercado de Porto Alegre, é um exemplo triste desse tipo de descaso. A noite era gelada, mas ele foi impedido porque só a Defesa Civil poderia retirar as peças.  Assim funciona a burocracia.

Cores da diversidade, por Tamar Matsafi.
Cores da diversidade, por Tamar Matsafi.

E o massacre violento em Orlando, nos EUA, na madrugada do dia 12 de junho, em uma boate gay? Tragédia motivada pela homofobia. “Não aceito, então mato”. Assim se manifesta o preconceito radical.

Foi um atentado contra todos os que lutam pela diversidade, pelo diálogo, pelos direitos humanos. Os que se calam e se recusam a ouvir a voz da comunidade LGBT, entre outras tantas vozes dissonantes, preocupados apenas em responsabilizar alguém rapidamente para encerrar o assunto, não querem o debate. Preferem o silêncio. E silenciar é consentir, deixando brechas para que outras formas de violência se manifestem.

Diferença, inclusão, direitos humanos – debate urgente em tempos de desmonte

Possibilidade, uma  escada, por Tamar Matsafi
Possibilidade, uma escada, por Tamar Matsafi

A formação de grupos humanos aponta para um fenômeno curioso. Ao mesmo tempo em que se criam traços de identidade entre seus integrantes, admite-se a exclusão de determinadas pessoas. Certas características e comportamentos são bem-vindos e outros repudiados. A sociedade trata de afastar aqueles que fogem aos padrões de normalidade sobre os quais está estruturada.

Assim se construiu uma teoria da normalidade, sem que se saiba exatamente de que modo e sob que fundamentos. Superficialmente, tem-se um padrão já inscrito na cultura a que todos, de algum modo, se conformam. Os que se afastam ou não correspondem sofrem vários tipos de discriminação.

A mensagem socialmente instituída é clara: cada grupo no seu lugar fazendo o seu papel para evitar o conflito. Essa é a condição para que negros, homossexuais, mulheres, índios, pobres, assim como pessoas que apresentam alguma deficiência, sejam aceitas. É necessário que cumpram os papéis que a ordem social historicamente lhes aponta. Já nascemos, portanto, marcados, inseridos em um meio incapaz de conviver com a diversidade e que, para aliviar sua culpa, reserva “generosamente” alguns espaços aos diferentes.

Excluídos, po Tamar Matsafi
Excluídos, po Tamar Matsafi

O impulso primeiro de todo o excluído é ocupar esses espaços, respondendo passivamente às expectativas. Não responder é recusar o lugar da vítima, do coitado, e assumir-se como sujeito diferente, capaz e com direitos, instaurando uma desordem necessária. Minha reflexão se faz justamente sobre esse deslocamento fundamental das imagens pré-construídas.

Como se constitui esse sujeito diferente? Que posição ocupa em relação aos discursos que se fazem sobre ele? Acomoda-se, revolta-se, submete-se, resiste e acrescenta um efeito novo e crítico? Sacode as certezas já estabelecidas a seu respeito? Inquieta a maioria conformada ao padrão clássico de beleza, comportamento, origem e meio social? Que discussão provoca?

As sociedades modernas, em razão de sua aspiração igualitária, criaram mecanismos dedicados a anular a diferença para, em um segundo momento, segregar todo aquele que não se conforma aos padrões estabelecidos. Mascaram a dificuldade de assimilação da diferença, enquanto grupos que sofrem preconceito lutam prioritariamente pela conquista de dispositivos legais que proíbam a discriminação, o que é interessante, mas também pode mascarar o problema.

A questão pode ser vista por outro prisma. Não se trata de anular as diferenças, porque elas efetivamente existem, nem de reduzir a discussão apenas à conquista de dispositivos legais. É preciso muito mais para abstrair o preconceito resultante de um processo histórico e cultural que fixa um modelo, no qual o sujeito se inscreve desde o nascimento.

Militares brasileiros quando torturavam mulheres grávidas durante a ditadura costumavam dizer: “Se for homem, branco e saudável, quando nascer, ficaremos com ele”.

Pra onde ir, por Tamar Matsafi
Pra onde ir, por Tamar Matsafi

O que desejo aqui é alertar o sujeito excluído para a necessidade de vigiar os efeitos sobre ele próprio das noções que apreende e incorpora culturalmente desde um ponto de vista padronizado. Essas noções tendem a torná-lo intimamente suscetível ao que aparece como seu “defeito”, levando-o muitas vezes a concordar que está aquém do que realmente deveria ser.

O caso do estupro coletivo de uma jovem, recentemente, no Brasil, é um exemplo contundente do que falo. Muita gente culpa a menina pela violência absurda que sofreu.

Em uma sociedade moldada por e para pessoas supostamente “normais”, que responde a padrões já traçados, como o machismo, as limitações são muitas. Nesse contexto, as pessoas dependem muito da solidariedade, da boa vontade, do bom humor e da disponibilidade dos outros e, claro, dos mecanismos que cria para a sua sobrevivência, defesa, bem-estar.

Quem sofre preconceito pela condição física, mental, intelectual, social, de gênero ou comportamento pode e deve impor o seu jeito de ser, subvertendo o estigma e a vitimização. As conquistas feitas até agora apontam para a diferença no sentido de repensá-la e não mais ignorar ou mascarar. No momento em que parte da sociedade começa a entender que a grande riqueza humana está na diversidade, essa discussão tem que ganhar mais fôlego. Não pode se dispersar justo agora em que os direitos humanos perdem espaço e importância no cenário nacional e praticamente já não têm nenhuma representação efetiva no governo que aí está.