Estamos todos nus

“O Brasil está nu. E isso não é uma performance artística”, escreveu recentemente a jornalista Nanni Rios, proprietária da Livraria Baleia, em Porto Alegre. Estamos nus e desgovernados. Traduzindo: sem governo! Despencando? Ladeira abaixo? É possível. O medo e a insegurança reverberam por todos os espaços, independente de classe social – abastados, médios, remediados, pobres. E ecoam especialmente entre os mais velhos, os já doentes e os que vivem do trabalho informal cotidiano, única fonte de renda da maioria da população. Assim como ainda reverbera o egoísmo absurdo daqueles que se jogaram nos supermercados e abarrotaram carrinhos com alimentos e produtos de limpeza. Mas temos antídotos. E a solidariedade vai se manifestando de um jeito forte, acolhedor, comovente, a distância, como está prescrito. É necessário agir com rapidez e firmeza para evitar o caos.

Quando médicos especialistas da área de infectologia no mundo inteiro pediam que as pessoas evitassem aglomerações, o governo brasileiro minimizou. Espaços culturais fecharam. Artistas cancelaram apresentações. Shoppings restringiram a entrada de pessoas. Voos foram cancelados. Mesmo assim, contrariando todas as normas, o presidente desdenhou, tratando o caso como histeria. E ainda foi para as ruas, com a sua irresponsabilidade e arrogância, tão peculiares, apertar a mão de eleitores, tão sem noção quanto ele.

Quando as vozes consequentes do país provaram que não havia paranoia nem exagero, as vozes do governo continuaram desconsiderando a possibilidade de pandemia. E o presidente pontuou com uma declaração estapafúrdia: “Se eu resolvi apertar a mão do povo, é um direito meu, eu vim do povo. Uma maneira de mostrar que estou junto com eles na alegria e na tristeza. Se me contaminei, a responsabilidade é minha”. Responsabilidade? Não! Insanidade? sim! É óbvio que, se já estava contaminado, poderia contaminar muita gente.

“Burrice mata”, escreveu o cineasta Jorge Furtado. O panelaço veio. É real. O mundo está contaminado. E o governo, que assim como está não está, nunca se sabe, foi obrigado a mudar o tom do discurso. Agora é de quem sempre se preocupou com o avanço da doença. Caiu a ficha. Mexam-se. Precisamos de medidas para conter o que vem por aí. Mas como confiar em quem não tem a mínima coerência e brinca com a dor alheia? Como confiar em quem tem um filho desgovernado, cheio de razão e sem noção de diplomacia, que culpa a China por tudo?

O contágio, a partir dos cálculos estatísticos feitos até agora, vai aumentar muito ainda, o que certamente provocará pane no sistema de saúde se não forem tomadas medidas drásticas para contenção. Não há mais como negar. Está no ar. Está nas ruas. Está nas esquinas. Está nas nossas portas. Precisamos ficar isolados em nossas residências para evitar a propagação. Estamos vulneráveis, frágeis, e temos muitos exemplos no passado para rever e não repetir. Logo, precisamos de uma Nação firme e bem posicionada, com uma estrutura forte na área da saúde para dar conta do que vem e proteger a população. Até o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckimin, que é médico, deixou o período sabático e declarou: “Temos que revalorizar a política”, perplexo diante do péssimo exemplo do presidente, “com atitudes que desdenham de orientações mundiais, deseducam, prestam um desserviço”.

Como escreveu o ator e diretor de teatro Zé Adão Barbosa, precisamos de “um Estado que olhe para os trabalhadores informais, sem salário fixo, sem condições de trabalhar em casa, que não terão como manter seu sustento, e também para os artistas que vivem de seus espetáculos e de suas aulas sem outras fontes de renda, muitos sem casa própria. E a luz? E a internet? E o telefone? E a comida na mesa? Quem paga por isso sem trabalhar? Felizes dos que poderão ficar em casa sem prejudicar sua vida econômica e familiar. Por isso, juntamente com as indicações de cuidados e prevenções, pensemos em uma maneira de sermos solidários para com os que terão as vidas mais devastadas neste momento caótico”.

E a população das vilas abandonadas, sem saneamento básico, sem nada? E a população de rua?

O jornalista Rafael Guimaraens questionou a atuação política e a vida pública de um presidente que já homenageou assassinos como Pinochet, Stroessner e Brilhante Ustra. Que já declarou que a ditadura deveria ter matado mais 20 mil e que tortura é cascata. Que quer distribuir armas à população e propõe acabar com os redutores de velocidade no trânsito. Que quer acabar com o Mais Médicos, estimula a violência em todos os níveis e manifesta posições racistas, machistas e homofóbicas, estimulando o assassinato de jovens negros, da comunidade LGBT e o feminicídio. E acrescento: que já minimizou as políticas de acessibilidade e inclusão, quando ainda era deputado.

O que pensar e dizer diante de tanto desrespeito pelo outro? Penso e digo que temos um presidente de comportamento psicopata, fixado em enviar recadinhos pela rede social, que só olha para os seus milicianos, despreza quem não lhe faz a corte e agora deu para se autoelogiar.

E me pergunto: Diante do quadro político que aí está, temos condições de eleger pessoas honestas? Qual a responsabilidade de quem sonha com lideranças sérias? Precisamos radicalizar? E a esquerda o que propõe? Seremos atropelados mais uma vez?

A situação é preocupante. A turbulência está só começando. Questões econômicas, sociais e trabalhistas graves estão emergindo e vão explodir. Trabalhadores de carteira assinada, que hoje trabalham de casa e cuidam dos filhos porque não tem escola, já estão assoberbados, cumprindo uma carga horária mais do que absurda. Não há limite e poucos empregadores se dão conta que o regime é de escravidão. Onde está a conscientização dos que discursam pelo respeito ao trabalhador? Será que a pandemia veio também para fazer o mundo repensar prioridades, lideranças, condutas? E para fazer com que cada um de nós reflita sobre a maneira como nos relacionamos com quem presta serviço, seja ele qual for? A escravidão acabou mesmo? Pelo visto, não. E o Brasil está cheio de tristes exemplos.

Pois agora estamos todos enjaulados e certamente este é um momento raro para pensar, repensar e questionar nossas relações pessoais, profissionais e  políticas. É possível estabelecer parâmetros cristalinos e humanitários voltados verdadeiramente para o respeito e a responsabilidade social? Tenho muitas dúvidas, mas a minha luta é esta. Sempre foi.

Que país é este? Um desabafo!

Que país é este que autoriza a violência, a tirania e a crueldade?  Que país é este que só tem olhos para o mercado e o lucro? Que país é este que vira as costas para a população carente, explorada e intimidada diante da truculência de quem deveria garantir a segurança? Que país é este que mata índios, negros e pobres e torna ainda mais precária a vida de quem já não tem quase nada? Que país é este que mantém um governo tóxico que liberou, em menos de um ano de mandato, o uso de 400 produtos venenosos, além de tantos outros venenos que nos contaminam cotidianamente?

Que estado é este em que livros são encaminhados para virar papel higiênico? Que estado é este que só pensa em privatização? Que estado é este que mantém os salários atrasados, parcelados, e tenta há 48 meses normalizar o que não é normal? Que governo é este que ainda quer tirar do funcionalismo benefícios adquiridos, como o percentual de insalubridade, entre tantas outras medidas de um pacote salvador, que só salva os já salvos?

Perdemos a decência, o respeito pelo outro, a possibilidade de um diálogo aberto, o desejo de viver em harmonia na diversidade.

Diante desta aniquilação de direitos em nome de uma “crise fiscal” e da desumanização da vida a cada minuto, lembro o que escreveu o ator, diretor e produtor Rodrigo Pena, em agosto de 2019, na revista Joyce Pascowitch: “Como projeto de nação, sociedade, nunca fomos tão ridículos”. E mais uma vez ouço a voz do poeta João Cabral de Melo Neto: “não há guarda-chuva contra o mundo”.

Falta dinheiro? Falta. É desorganização dos governos e do poder público de um modo geral? É. O Estado está falido? Está. O desvio de verbas é uma realidade? É. O uso é equivocado? É. De quem é a responsabilidade? Da máquina administrativa inchada, do excesso de funcionários, do custo do que é público, como educação, saúde, assistência social e previdência, dizem os donos do poder, que só sabem jogar a culpa da falência nos trabalhadores, por conta dos salários e das vantagens que recebem. Sempre a velha e equivocada retórica. É bom que se diga que direito social não é mercadoria e que a solução não está na adoção de modelos comprovadamente fracassados.

A política neoliberal do estado mínimo aniquila conquistas e direitos fundamentais da população, amplia a desigualdade, estimula ainda mais a concentração de riqueza e poder nas mãos de muito poucos, agrava os problemas, gera altos índices de criminalidade, queda dos índices de educação e de qualidade de vida. Mas os governos insistem. Partidos, políticos, empresários e seus asseclas de um modo geral não querem sair de suas bolhas. São incapazes de um pacto decente pela nação e só pensam em vender tudo, liquidar com o patrimônio. Privatizar, privatizar, privatizar é a ladainha de sempre, potencializando o pior do neoliberalismo, a desumanidade.

Pelo viés das forças políticas conservadoras, autoritárias e preconceituosas, dos liberais que defendem o capital a qualquer custo, os empresários e o mercado não têm responsabilidade pelo que aí está. As empresas seguem protegidas e sonegando seus impostos milionários. E os políticos só têm olhos para seus umbigos. Não abrem mão de campanhas escandalosas, onde o dinheiro brota de todos os lados, para assumir o comando de um município, de um estado, de um país. Ou virar senador, deputado, vereador. Não têm vergonha de rifar cargos, encobrir falcatruas e tirar verba da saúde e da educação para engordar o fundo eleitoral. Discursam nos palanques como salvadores da pátria. Arrancam da cartola soluções milagrosas e fazem promessas mirabolantes. Depois de eleitos, passam quatro anos fazendo projetos estapafúrdios e inúteis, lamentando exaustivamente a falta de dinheiro e se eximindo de qualquer responsabilidade concreta.

Por que se candidatam? Que fascínio é este pelo comando de estruturas falidas? Que vantagens levam, afinal, para encarar tantas dificuldades? Os discursos até podem parecer ingênuos, mas não há ingenuidade nesta bolha onde tudo ou quase tudo se compra. Há, sim, esperteza, ganância e descaso com as pessoas. Portanto, os discursos são cínicos. Desumanos. Primários. É um deboche tanta queixa e tanta falsidade, enquanto a população espera um projeto positivo, por mínimo que seja.

Se tanto batalham para ser prefeito, vereador, governador, deputado, senador, presidente, para ocupar qualquer cargo, é porque querem fazer algo que valha a pena. Na minha santa ingenuidade, algo que contribua com o desenvolvimento sustentável, com a educação, a saúde pública e o bem estar de uma comunidade.

Que nada! É apenas o poder pelo poder que move esta gente. E, claro, as benesses que o poder gera e que nós pagamos.

Todos os que aí estão em seus postos, muito bem pagos, de líderes salvadores da pátria sabiam o que estavam assumindo ao se candidatar. Sabiam das suas responsabilidades com os votos que receberam. Ao trabalhar para serem eleitos não deveriam ter consciência da árdua tarefa que os aguardava e honrar a dimensão do cargo? Aquele ou aquela que se candidata, faz campanha, acordos, alianças, viaja o país inteiro, não deveria pecar pelo descaso. Até porque ninguém é ingênuo nesta seara.  Por que, então, o ridículo discurso da penúria, cheio de ameaças, repetido exaustivamente do Oiapoque ao Chui, depois de eleitos? É patético. E seria cômico se não fosse trágico.

O Fazer Cotidiano

Quero fazer aqui uma rápida reflexão sobre o trabalho a partir da perspectiva humanista. As observações consideram a minha trajetória como profissional, e como chefe que fui em alguns momentos da vida. No centro da cena, trabalhadores e a complexidade do fazer cotidiano.

Não há, em qualquer atividade, uma simples execução de algo, por mais mecânica que seja. Há a convocação de um indivíduo único. Há subjetividade. Há singularidade. O fazer, repetida e mecanicamente, não é a definição do que dá certo. É impossível pensar o exercício profissional sem levar em conta o indivíduo, sua história e suas escolhas. As pessoas é que fazem a diferença.

Mesmo que as ações humanas sejam pautadas pela regularidade, essenciais para a sobrevivência e a organização, elas não eliminam a necessidade de cada um produzir o saber. O sujeito, ao agir, mobiliza escolhas particulares e promove negociações entre o instituído e o inesperado. As normas são conquistas da sociedade, mas se olhadas como definitivas correm o risco de desconsiderar a vida que surge a todo instante. As determinações que chegam unicamente por imposições do meio exterior podem afetar a autoestima dos indivíduos e são nocivas à saúde.

E a saúde do trabalhador começa com a tentativa de redesenhar parcialmente o meio em que vive, em função de normas próprias, elaboradas por sua história, que ninguém pode tirar. Por isso, a necessidade de um olhar amplo e pluridisciplinar, capaz de ver o trabalho e a atitude humana de forma indissociável. Um depende do outro. Há que se considerar a distância entre o trabalho prescrito e o trabalho real, o saber investido por cada na atividade que executa, a criatividade e o bem estar dos indivíduos no desenvolvimento de suas tarefas.

Sempre me encantou esta possibilidade, que aprendi com a linguista Marlene Teixeira, minha irmã, e suas pesquisas e estudos sobre linguagem e trabalho, a partir da Ergologia, disciplina desenvolvida pelos franceses Yves Schwartz, filósofo, e Pierre Trinquet, sociólogo. Eles analisam a atividade de trabalho com o foco no humano, questão a ser pensada profundamente diante das mudanças anunciadas com a nova Previdência Social, em pauta no Planalto Central do país, cada vez mais distante do Brasil real.