Fragmentos do cotidiano de quem busca a inclusão

A inclusão pode ser simples assim
O menino parou e me olhou com os lindos olhinhos arregalados e curiosos. Olhou para a mãe, sério, e disse: “Tô achando essa pessoa muito estranha”. Parecia ter uns 5 anos. A mãe, delicadamente, falou: “Então, conversa com ela”. Perguntei: “O que tu estás achando estranho?”. Ele: “O tamanho”. Eu: “Somos quase do mesmo tamanho”. Ele: “Mas é diferente. Tu tá sozinha?”. Respondi que sim e completei: “É que eu sou uma adulta pequena”. Ele puxou a mãe pela mão e disse, aliviado: “Ela é uma adulta pequena, mamãe!”. A mãe, sábia, comentou: “Pois é! Vocês podem ser amigos. Dá um beijo nela”. Ele veio, sorrindo, me deu um beijo e um abraço. E se foi, me abanando. Encarar com naturalidade a fala da criança, responder e explicar afasta os fantasmas e aponta para a riqueza da diversidade humana.

"Incluídas", por Tamar Matsafi

“Incluídas”, por Tamar Matsafi

A inclusão pode ser complicada assim
A menina me olhou assustada, puxou a mãe pelo vestido, apontou o dedinho para mim e foi dizendo: “Olha, olha!”. A mãe não me olhou, deu um safanão na criança e foi saindo e falando rispidamente: “Onde está o respeito? Tu sabes que não se deve fazer isso”. Não tive tempo para dizer nada. E elas se foram. Fazer o quê? Fiquei pensando com os meus botões. A criança foi reprimida na sua espontaneidade. Não falar é abrir uma fresta para que o preconceito entre e vá se acomodando, quieto e perigosamente.

Nossa diferença é a nossa fortaleza
Lute como uma menina. Nesta quinta-feira, 16 de março de 2017, às 17h, na sede do Coletivo Feminino Plural (Andrade Neves, 159, sala 85, Centro Histórico de Porto Alegre), uma roda de conversa com jovens estudantes que participaram das ocupações das escolas em 2016 marca o lançamento do projeto “Mandala da Diversidade – Nossas Diferenças, Nossa Fortaleza”. O projeto busca dar visibilidade a jovens ativistas de 13 a 18 anos, aprofundando questões de gênero, etnia e raça, diversidade, mulheres com deficiência, sexualidade, comunicação e política. Informações pelo email pontodeculturafeminista@gmail.com. Cada vez mais, precisamos colocar esses temas nas nossas rodas de conversa.

Ícaro desejou voar
“Ícaro” coloca em cena um cadeirante, Luciano Mallmann, que sofreu uma lesão na medula ao cair durante uma acrobacia aérea em tecido no Rio de Janeiro, em 2004. Entre o real e a ficção, a montagem nasceu da experiência do ator e de pessoas que conheceu depois que passou a usar cadeira de rodas. As histórias tratam de temas universais, resiliência, relacionamento entre pais e filhos, relações amorosas, suicídio, preconceito, gravidez e maternidade. “Se eu não fizer a minha história e simplesmente esperar alguém me chamar para um trabalho não faço quase nada. Já é difícil para quem tem todas as possibilidades ser chamado”, assinala Luciano, produtor, intérprete e autor dos textos. A direção é da atriz Liane Venturella. A iluminação de Fabrício Simões e a trilha sonora de Monica Tomasi sublinham cada cena da peça que está em cartaz no Instituto Goethe até 26 de março. “Ícaro” é, acima de tudo, um espetáculo sobre a condição humana. “Somos todos iguais, cadeirantes ou não, temos dificuldades em relacionamentos, medos etc. Espero contribuir com essa peça para o debate”.

Luciano Mallmann em Icaro, foto de Jonathan Heckler

Luciano Mallmann em Icaro, foto de Jonathan Heckler

Uma pessoa não pode ser definida pela sua deficiência
Ednilson Sacramento faz Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, na Universidade Federal da Bahia. Por uma dessas felizes coincidências, um e-mail dele me foi encaminhado por um amigo. Ednilson é cego, condição que o impulsionou a fazer o trabalho de conclusão de curso voltado para a linguagem. Mais especificamente, para o vocabulário usado quando o assunto é a pessoa com deficiência. As novas abordagens e nomenclaturas pertinentes, o que deve ou não ser usado, o peso de uma expressão, de uma palavra, para quem já é estigmatizado. Um trabalho necessário que, com certeza, será muito bem-vindo. Uma reflexão singular sobre um assunto pouco pensado. Estou aguardando ansiosa.

 

Atravessando os fantasmas

O Projeto TODAS SÃO TODAS do Grupo Inclusivas, em parceria com a ONG Coletivo Feminino Plural e com o apoio do Fundo Fale sem Medo, promove nos dias 15 e 16 de julho, no City Hotel, o Curso de Capacitação sobre a Inclusão de Mulheres com Deficiência nas Políticas de Enfrentamento à Violência Doméstica e demais políticas. Em pauta, os direitos das mulheres com deficiência, que deveriam estar assegurados em todas as políticas públicas. Sem políticas públicas voltadas às suas especificidades, as mulheres com deficiência ficam sujeitas à invisibilidade na sociedade e no Estado, o que faz com que sejam excluídas do acesso aos direitos humanos e à cidadania. Informações no blog todassaotodas.blogspot.com.

Ao receber o convite pensei na importância da fala para dar visibilidade às pessoas com alguma deficiência. A palavra pode dizer mais ou dizer menos, mas diz. Produz sentidos que não se acabam e não se detêm. E se a fala não é ‘satisfatória’, a palavra ‘justa’ sempre vai insistir em se dizer. E é para encontrá-la que não podemos nos calar. O silêncio consente.
A ação das Inclusivas inspirou a minha escrita sobre a dificuldade em falar do nanismo que eu e minha irmã Marlene tínhamos, lá bem no início. Será que procurávamos a palavra justa?

Fale. Falemos, sempre!

Por que não falar, por Tamar Matsafi

Por que não falar, por Tamar Matsafi

A negação do nanismo na fala foi significativa no nosso cotidiano. Sabíamos desde a infância. E sabíamos que todos sabiam, mas não foi um assunto conversado na nossa adolescência e juventude. Simplesmente, deixamos de lado. Não falávamos sobre o que sentíamos com os colegas de escola e nem com os amigos. Na família, só o estritamente necessário. Era como se tudo fosse muito natural – e era! – mas havia sofrimento naquele silêncio.

Quando saímos do ninho e começamos a trabalhar, nos enfrentamos com o tamanho da nossa diferença. Sentíamos necessidade de nos posicionar. Havia no ar uma convocação, mas alguma coisa não deixava fluir. Falávamos de tudo, menos do nanismo, assunto urgente. Aquele silêncio cheio de medo, às vezes constrangedor, de uma defesa indefensável, queria esconder algo já explícito. Estava no nosso corpo e nos tantos limites que o pequeno corpo impunha. Mais assumíamos uma vida por nossa conta e risco, mais as dificuldades apareciam. Mais entrávamos no mercado de trabalho, mais provocávamos admiração, espanto, observações, questionamentos. Mais caíamos no mundo, mais a fala se fazia fundamental.

E foi assim, diante do inadiável, que atravessamos o fantasma. A palavra é anã e pode morder, mas a condição estava dada desde o começo. Os espelhos estavam por todos os lados e os olhos viam, mesmo que não quiséssemos. E falar certamente amenizaria o olhar porque a fala organiza, afasta os mistérios, encara as impossibilidades, entende as dificuldades, admite as qualidades, absorve as críticas, medos, angústias e ansiedades para o enfrentamento de um viver pleno, dentro do que é possível.

Ao falar, nos vimos por inteiro, com dor, mas sem piedade. Liberadas, não paramos mais de pensar, dizer, questionar. Inicialmente, muito entre nós. Depois, com os amigos, no trabalho, entre conhecidos. Até encararmos o público, com medo, mas com leveza.

Primeira entrevista
Nos anos 1980, fomos convidadas para participar do Guaíba Feminina, da TV Guaíba da família Caldas Júnior, que ousou criar uma TV com programação local. Seria a exposição total – corpo e voz. Um susto, mas aceitamos.

Além da entrevista ao vivo, no estúdio, a produção fez imagens nossas, em casa, para mostrar como fazíamos para dar conta do dia a dia. E nós preocupadas com o que iriam perguntar. Como responder? O que realmente pensávamos sobre a nossa dificuldade física? Em que sentido nos limitava e inquietava?

O raciocínio foi prático. Nosso cotidiano não era diferente da rotina de pessoas consideradas normais – “Trabalhamos, nos sustentamos, mantemos a casa, lavamos louça, fazemos comida, pegamos ônibus, vamos ao supermercado, teatro, cinema, bares, visitamos amigos, enfim, tudo isso com uma dificuldade: a de nos adaptarmos a um mundo que não foi feito para nós”.

Em casa, procurávamos adaptar o que era possível. Na rua, isso era impraticável. “Ônibus, balcões de bancos, orelhões, lancherias, porteiros eletrônicos, campainhas, botões de luz, elevadores, tudo era alto”. Dependíamos da boa vontade e da solidariedade das pessoas, o que nem sempre era fácil. Não queríamos paternalismo e sim humanidade. Não queríamos ser tratadas como criaturas especiais e sim nos integrarmos.

E seguimos falando do preconceito escamoteado no Brasil da época e ainda hoje. Não apenas com os anões, mas com todas as pessoas que têm uma diferença. No nosso caso, o preconceito, de uma forma ou de outra, se manifestava, conforme comentamos na entrevista. “As pessoas têm dificuldade de abstrair a questão da altura. É muito difícil entender uma cabeça adulta perfeitamente instalada num tamanho de criança de 4, 5, 6 anos”.

“Ou te mimam demais ou ficam tensas, sem saber exatamente que atitude tomar. Ou te tratam formalmente ou te julgam excessivamente inteligente ou te ignoram. Mas o comportamento mais comum é não levar a gente a sério. Enfrentamos muito isso, especialmente quando queríamos abrir crediário em alguma loja, por exemplo. O olhar das atendentes é uma história a parte. Sempre causava espanto o fato de termos uma profissão. São raras as pessoas que te deixam à vontade, têm naturalidade para falar contigo e respeitam as tuas dificuldades. Às vezes, até por te tratar bem demais as pessoas demonstram preconceito”.

Lembramos filmes como O Tambor e O Homem Elefante, emblemáticos na época.

“É impossível passar despercebida. Toda vez que saímos na rua, chamamos atenção e estamos sujeitas a todo tipo de reação. Pela admiração ou pela rejeição, as pessoas acabam te colocando no centro da cena. E a curiosidade, às vezes cruel, pode se traduzir em riso, ironia, piedade, carinho, agressão, deboche. Tradicionalmente o anão é visto como figura engraçada, grotesca e, em alguns casos, maldita. Ouve-se piada de todo tipo, de bom e de péssimo gosto”.

Foi assim que falamos publicamente pela primeira vez!

A entrevista teve muita repercussão, boa e ruim. Um vereador logo saiu pedindo orelhões para anões, até nos procurou para apoiá-lo, e as piadas foram infames. Carlos Nobre, que escrevia no jornal Zero Hora, não perdeu a oportunidade de fazer humor. Disse que ia dar o maior arranca-rabo na Câmara, pois se um vereador queria orelhão, outro certamente iria sugerir que anão tem é que levar um banquinho pra subir e telefonar.

E disse mais: “O anão, quando casa com uma anã, se completa”. Até a Branca de Neve, sensibilizada, enviou um telegrama agradecendo a preocupação do vereador com seus companheiros.

Fomos muito procuradas por conta disso, mas não entramos em nenhuma provocação. Aceitamos alguns convites e recusamos outros tantos.

Hoje, mais experiente e madura, não tenho dúvidas de que a fala nos salvou. Percebo que sempre tentamos levar essa discussão adiante, não isoladamente. A necessidade de vincular nossa batalha à luta das minorias, tornando públicas nossas questões no sentido de buscar coletivamente uma sociedade mais justa, só cresceu. Falar é necessário por muitas razões, especialmente para dialogar, participar e levar adiante o desejo de um mundo sem preconceitos.