Pra onde ir?

Há um sentimento devastador no ar. Um desânimo. Um cansaço. Um desencanto. Uma embriaguez que entorpece os sentidos, o corpo e a alma. Um vazio. Um medo. Uma tristeza. Um esperar pelo que já não é. E não vai voltar.

Há um reacender do preconceito, que sinto a cada andar pelas ruas. Olhares invasivos. Curiosidade desmedida. Risos disfarçados. Deboche. Piadas entre dentes. E o que mais inquieta e entristece é que essa discriminação vem de jovens normalmente bem vestidos, descolados, que andam em grupos.  Então, canto baixinho, quase como um lamento, a música de Caetano Veloso, “Dom de Iludir” – “Não me olhe / Como se a polícia andasse atrás de mim”. E sigo, mesmo que não tão forte e cheia de coragem como gostaria de seguir.

A pergunta é: O que está acontecendo, justamente agora, quando acessibilidade e inclusão são temas muito discutidos, que estão na pauta das escolas, das instituições, das famílias, da mídia? Justamente agora, quando conseguimos encarar o preconceito sem meias palavras?

É possível entender, apesar da indignação que esta tentativa de entendimento provoca. Quando nos damos conta de que há hoje no Brasil uma autorização explícita que não está voltada para a empatia, a resposta está dada. Para onde nos leva? Certamente não é para o diálogo e para uma convivência harmoniosa. Muito pelo contrário. O caminho é a barbárie, o armamento, o ódio. Acirra o que há de mais desumano nos humanos, o irracional. Precisamos mesmo nos defender uns dos outros? Andar como se nossas vidas fossem feitas de inimigos?

Estamos sem freio. Perdemos o rumo na tão festejada era da tecnologia, que faz automóveis voarem, possibilita investigações extraordinárias, conecta e vigia todo mundo, mas não consegue deter o mal estar do nosso dia a dia. Perdemos o sentido do humano, o olhar acolhedor, a solidariedade. No que estamos nos transformando? O que queremos? Por que queremos? Para onde vamos? Qual o sentido do nosso andar?

É um andar que tropeça em uma população miserável e triste, que anda pelas ruas, cresce assustadoramente, e fingimos não ver. Ou nos defendemos desta visão porque não suportamos. Olhares e corpos cansados, perdidos, famintos, enlouquecidos, jogados nas calçadas ou puxando carroças pesadas, em uma cidade bonita, ancorada por um rio imenso, com um pôr do sol maravilhoso. Cidade que parece ter perdido a noção do que chamamos de humanidade.

Sabemos que nem todos os que estão atirados pelos becos querem dali sair. Mas sabemos também que há muitos que precisam apenas de uma palavra, de um gesto, de uma nova oportunidade ou de alguém que os estimule a retomar o que largaram pelo caminho. A cidade que vejo hoje abandonou seus encantos, sua sensibilidade, suas ruas esquisitas cantadas pelo poeta e estampa uma pobreza nunca antes vista pelos meus olhos. Pisou nos versos, esqueceu as rimas e já não sabe da sua gente.

Entre dores e delícias

Há dias de desencanto, bem difíceis, em que olhamos sem filtro para a miséria física e moral que nos cerca e ficamos especialmente vulneráveis – “e qualquer desatenção, faça não, pode ser a gota d´água”.

Há dias em que não entendemos o movimento do mundo ao redor e só desejamos um pouco de paz de espírito – “a gente se sente como quem partiu ou morreu, a gente estancou de repente ou foi o mundo então que cresceu”.

Há dias e noites em que os noticiários da tradicional e conservadora mídia brasileira estampam um jogo político tão sórdido, na voz de parlamentares tão mesquinhos, que o desejo que nos pega profundamente é o de ir embora – o que não seria uma solução. Mas o que mais assusta, em se tratando de meios de comunicação e formadores de opinião, é a ausência de uma análise profunda dos fatos, a partir de vários pontos de vista.  O viés é um só, pesado e medido.

Há dias em que a pergunta que não quer calar é: O que fazem vereadores, deputados e senadores eleitos pelo povo? A minha resposta, lamentavelmente, é “vivem muito bem, obrigado, com polpudos salários, inúmeros assessores e incontáveis visitas às bases eleitorais”. E ainda nos envergonham com projetos absurdos. Temos o deputado que sugere incluir doce de leite na merenda escolar. Ou a solicitação insana do senador em prisão domiciliar querendo passar férias no Caribe. É o vale-tudo que reina absoluto na ilha da fantasia no Planalto Central do país e suas subsidiárias.

Há dias em que o melhor é não pensar e cantar bem alto e em bom tom para todos ouvirem – “vai passar”.

Há dias em que os ombros não suportam as dores da alma, mas essa dor pode ser muito particular, relacionada à sensibilidade e à vivência de cada indivíduo – “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Sei da minha!

Há dias em que não encontramos consolo. Mesmo assim, a vida segue no seu ritmo. Não paramos.

Mas, de repente, encontramos no meio do caminho um pequeno café, quase escondido. Os olhares dos proprietários, mãe e filho, são acolhedores. Há respeito. Há dignidade. Há alegria.

Então, ali sento para almoçar com calma e tomo um expressinho de sobremesa. Tudo muito devagar. As nuvens escuras vão se dissipando. O início da tarde já não parece tão sombrio. E o céu vai ficando cada vez mais azul.

Leio uma entrevista do escritor angolano José Eduardo Agualusa em que ele diz: “Em tempos de construção de muros, os livros são nossas pontes”. Leio outra entrevista, essa do israelense David Grossman, falando sobre a capacidade da literatura de expandir nosso universo interno: “Abra um livro para compreender seus inimigos”.

Pequenos gestos e leituras me mostram que a humanidade não vai sucumbir. A vida cotidiana é feita desses tantos retalhos que aquecem a alma, trazem conhecimento, alimentam o espírito e espalham confiança.

Então, sigo.

Observação – Citação das canções “Gota d´água”, “Roda Viva” e “Vai passar” de Chico Buarque e “Dom de Iludir”, de Caetano Veloso.