Dor e Indignação

 

“Justiça para as vítimas”. “Punição aos responsáveis”. Essa é a promessa de empresários da Vale, do governo e das autoridades a cada manifestação e a cada entrevista sobre uma das maiores e mais tristes tragédias que vivemos desde sexta-feira, 25 de janeiro de 2019, pouco depois do meio-dia.

Só que no Brasil não é assim!

Tragédias anunciadas, como a de Brumadinho, três anos depois de Mariana, escancaram a assustadora irresponsabilidade, indigência e oportunismo das relações políticas e empresariais. Não temos voz. Temos algozes. Vivemos em constante vulnerabilidade social. A lama que mata seres humanos, animais e o meio ambiente em Minas Gerais é movida pela soberba, pela ganância, pelos negócios escusos e pelo cinismo de quem detém o poder, de quem compactua e de quem só vê e só deseja o lucro, a qualquer custo – governos, políticos e empresários.

É assustadora a voracidade que conduz o comportamento desses senhores – um protegendo o outro para ganhar mais e mais. E de uma forma ou de outra, todos ganham muito, em detrimento do bem estar e da segurança de comunidades inteiras que trabalham para sustentar suas famílias. O fosso de negociatas é sem tamanho, em nome de licenças muito bem pagas e privilégios de toda ordem. Não há a mínima preocupação e respeito pelo outro.

Os governos não se comprometem com as camadas mais pobres da sociedade. É assustadora a frieza de quem conduz o negócio e de seus comparsas, sem olhar para os males que provocam. Mais assustador ainda é o apoio que lideranças políticas dão a esses atos ilícitos, em troca de votos e, claro, muito dinheiro para garantir seus podres poderes. Já são eleitos para isso, é certo!

Respeito, autorização, fiscalização, ética, transparência são palavras não gratas para tais senhores, e seus asseclas, que insistem em manter a casa grande e a senzala. Ninguém ouve as pessoas sensatas, os técnicos, as organizações da sociedade civil que alertam para os perigos. E agora ficamos sabendo que foram muitos os alertas sobre os perigos. Mas só foram ouvidas as cartas marcadas. É triste. É desolador. Dói muito olhar para este Brasil que abandona sua gente, suas origens, suas florestas maravilhosas, ricas em flora e fauna, conhecidas como o pulmão do mundo, em nome do lucro excessivo de tão poucos.

O que fazer com a nossa indignação?