Olhares contaminados

O que quero mesmo dizer quando uso essa expressão?

São olhares de muitíssimos anos, seculares, que fomos herdando. Quando, em um dado momento, ainda na Antiguidade, foram se definindo os critérios de beleza. Ou quando, na Idade Média, ficou estabelecido que toda criança que nascesse com problema físico ou mental, vista como uma “aberração”, deveria ser eliminada. Naqueles tempos tão distantes dos nossos dias, já se amaldiçoavam os humanos diferentes – feios? defeituosos? estranhos? loucos? – os sem lugar entre os normais – perfeitos?

Assim se disseminou uma rede discriminatória cruel. De alguma forma, todo o indivíduo que fugia dos parâmetros consagrados de beleza, normalidade, raça, comportamento, status social, criados por seus próprios semelhantes, passou a ser marginalizado. Não correspondia ao sonhado desejo da perfeição humana, portanto não seria útil à sociedade e deveria ser ignorado.

Os olhares foram sendo doutrinados e contaminados pouco a pouco, em casa, na escola, nas ruas, nas empresas, sem que as pessoas se dessem conta e sem contraponto. E o preconceito se instituiu barbaramente.

Assim se definiu que algumas raças são inferiores e devem servir às raças consideradas superiores, que se impõem pela força, pela exploração, pelo poder econômico. Assim os índios foram expulsos das terras que habitavam para dar lugar aos colonizadores. Assim os negros foram carregados em navios e escravizados em terras distantes das suas, servindo aos senhores brancos.

Também foi assim quando milhares de cidadãos – homens, mulheres e crianças – foram levados sem piedade para os campos de concentração na Alemanha de Hitler porque não eram de uma raça pura.

Assim é ainda hoje
O abuso de poder, a ambição e a força do dinheiro criaram uma elite predadora, que se vê perfeita e dona do mundo. Ávida por ser servida a qualquer custo, precisou levar para dentro da sua casa esses imperfeitos. Eram inferiores, é certo, por vezes desprezados, mas, ironicamente, podiam fazer a comida cotidiana dos superiores e cuidar de seus bens mais preciosos, os filhos, mantendo sempre a devida distância.

São séculos e séculos de olhares que segregam, que ignoram, que humilham, que hierarquizam e que normalizam a discriminação. O preconceito já nasce colado na gente. Está na pele, latente, basta um impulso. Impulso que esses tempos polarizados, sem limites, pautados pelo senso comum banal, acentuam de todas as maneiras. Quanto mais o cidadão vulnerável socialmente se revela, se impõe, conquista espaços e direitos, mais o preconceito mostra suas garras.

Muito poucos conseguem driblar esse olhar viciado, questionar o que tanto o contamina, sacudir todas as certezas e sair em busca de um olhar livre que deixe a vida fluir naturalmente, com todas as suas diferenças.

Não é para qualquer um – Orçamento, diplomacia, moral e anões

Chegando lá, por Tamar Matsafi

Chegando lá, por Tamar Matsafi

O que uma coisa tem a ver com a outra? Explico.

“Ser anão não é para qualquer um”. Assim o jornalista Luiz Antônio Araujo termina um artigo publicado no jornal Zero Hora no dia 28 de julho de 2014. Um belo texto em que ele lembra do primeiro anão que conheceu e escreve sobre notoriedade, preconceito, maus tratos e extermínio. Ao ler, pensei na condição de tantas pessoas mundo afora que suportam algum tipo de discriminação pela condição física, mental, intelectual, social, de comportamento, gênero, raça ou cor. Não é para qualquer um, mesmo.

Falando especificamente dos anões, somos muito poucos, segundo velhas estatísticas, mas o impacto que provocamos é grande e, às vezes, assustador. Para o bem e para o mal. Dos mitos que correm por aí, passando pelo grotesco, pelo universo das histórias infantis, pela chacota vulgar, pelo espanto e pela hipervalorização, vivemos entre opostos. E é neste universo contraditório, pouco acolhedor, que cavamos um lugar social, nem sempre cômodo, sem passaporte para uma vida natural.

Temos dificuldades. Muitas. E repito: a sociedade não está preparada para a singularidade, mesmo com as políticas de inclusão e acessibilidade. Necessárias, é claro, mas de pouco efeito se não entendidas e aplicadas com sensibilidade. A educação para a diferença precisa vir bem antes. O preconceito está entranhado na pele, no olhar, na atitude, nas situações sociais. Está no inconsciente coletivo. É inerente aos humanos.

Em relação aos anões é tão desolador que a palavra virou sinônimo do que é considerado indigno, torpe, pouco e é usada de forma pejorativa, indigesta. É o caso de expressões como “salário com perna de anão” (referência ao salário considerado baixo), “anão moral” (usada por Ciro Gomes ao se referir a Michel Temer, ‘traidor e parceiro íntimo de tudo que não presta, à frente deste capítulo do golpe de estado em marcha no Brasil’, e seu sócio Eduardo Cunha), “anão diplomático” (porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Yigal Palmor, ao reagir às críticas do Itamaraty que condenou o uso desproporcional da força militar por Israel na faixa de Gaza, em julho de 2014). E, ainda, “anões do orçamento” (nome dado a um grupo de deputados no final dos anos 1980, início dos 90, envolvidos em fraudes com recursos do Orçamento da União, investigados por uma CPI, parlamentares sem repercussão nacional, ou seja, ‘anões do poder’).

Por conta disso, andando pelas ruas, já ouvi e ouço muita piada infame. E não sou apegada ao politicamente correto.  De modo geral, encaro essas situações com bom humor. Acontece que tais expressões, ao apontar o que há de pior no cenário político deteriorado do país, acabam ratificando o preconceito. São sentenças que reverberam no ir e vir cotidiano e na autoestima, por mais preparados que estejamos para encarar a afronta e a rejeição. Somam-se aos olhares curiosos, aos dedos apontando, à invasão de privacidade, às perguntas indiscretas e perversas, ao riso, ao toque desrespeitoso, aos que nos ignoram nas filas e nos balcões.

Mas, como tudo na vida tem o seu contrário, é impossível ignorar o ganho secundário através da admiração excessiva, do elogio fácil, do aplauso à inteligência e à coragem, muito frequentes, espécies de salvaguardas que podem ser perigosas, criar falsas ilusões e mascarar uma condição que precisa ser enfrentada sem adereços, a olho nu.

Desde que o mundo é mundo, a diferença existe. Não somos iguais. Mesmo que a regra seja impor uma perfeição estabelecida pela ambição do homem, no sentido de eliminar tudo o que aponte para a possibilidade do imperfeito, ou seja, para a sua fragilidade, é na diversidade que está a nossa grande riqueza.

O poder, aliado à necessidade da perfeição, sempre alimentou uma elite cruel, em busca de uma impossível “raça pura”. O desejo predominante é acabar com os “chamados disformes, vidas indignas de serem vividas”, que Araújo refere no artigo ao falar do nazismo. Assim se escravizou, exterminou, torturou, subjugou toda e qualquer pessoa, grupo ou raça que não contribuísse com o “aprimoramento da espécie humana”.

Ainda vivemos sob esse eco. É assim que se discrimina. E é contra essa subjugação que lutamos.